The Origin of Ruin – Redemption

Obra prima! Mais uma vez, uma banda de rock mostrando uma sensibilidade absurda.

Hand on heart, head in hands
The light is fading now, it cannot pierce the darkness
Nothing left to build upon
Except the mounting fear that none of this was worth it

Hand on pen, pen to page
Focus though I may, my words have failed
Emptiness consuming me
The shadows of my broken hope play in the dying night

Tears in eyes, eyes wide open
Staring at the glass
The face I see knows everything
-Words I’ve written
-Letters never sent

…only signposts marking out
The origins of ruin

Uma carta para você

Tudo bem com você?

Não! Você não fez nenhuma escolha errada.

Aliás, quem disse que você tem escolha?

Nunca agiu de maneira contrária a seus próprios interesses, não é mesmo?

Deixe-me rir!

Você é sujeito passivo da sua existência.

Eu comando, mando e desmando na sua vida.

Eu sou seu “anjo da guarda”.

Eu sei o que é melhor para você.

Você não é nada e eu sou tudo.

Aceite as coisas como são sem questiona-las.

E se tudo der errado, culpe tudo e todos.

Culpe as circunstâncias, o tempo, seus pais, sua infância.

Creia que é Deus é o mandante dos seus infortúnios.

Você simplesmente não tem saída.

É preciso aceitar todas as imposições de quem quer que seja.

Jamais questione-se ou questione o status quo.

Porque você não tem valor algum.

E para garantir isso, preencho sua vida com medo e culpa todos os dias.

Crio falsos dilemas morais.

Deixo você cego, surdo e mudo.

Removo qualquer resquício de bravura e coragem que um dia você já teve.

Escute-me!!!

Ser feliz é impossível. Nem ouse tentar!

Jamais acredite que você pode mudar o seu destino.

Você realmente não pode e nem deve.

Eu agradeço.

Confie em mim.

Abraços,

Seu inconsciente

Unleashed – Epica

O momento exato em que a música clássica e o Heavy Metal se tornam uma coisa só. A emoção que eu sinto ouvindo uma música assim é impossível de descrever. Não dá.

A voz da Simone Simons é um absurdo! Parece que isso é uma das características das cantoras líricas holandesas. Rs.

Felicidade é uma escolha

Imagine-se em um salão cheio de portas. Algumas abertas e outras fechadas. As fechadas você tenta abrir e não consegue. Estão trancadas. As abertas, cada uma delas leva a um lugar ou a uma situação diferente da sua vida. Levam a seu passado.

Sem saber o que fazer, você olha na parede do salão e percebe que há algumas instruções em um quadro:

“As portas abertas são o seu passado. Não a totalidade do seu passado, mas assuntos que ficaram pendentes na sua vida, muito embora você tenha feito todo o esforço possível para resolvê-los.

As portas fechadas são o seu futuro e novas realidades que o universo está disposto a lhe oferecer.

Observação: é preciso fechar as portas do passado para que as portas do futuro se abram. Não há uma relação direta entre a quantidade de portas fechadas no passado com as que se abrirão no futuro.”

Você se senta no meio do salão, sem saber o que fazer. Revisita as portas abertas. Há uma mistura de apego com saudade em algumas portas. Em outras, pura frustração.

Decide, então, começar por estas. Lembra-se de situações frustrantes, da sua responsabilidade sobre elas e das variáveis que não podia controlar. Tira destas situações lições, e vai fechando as suas respectivas portas, uma a uma. Você nota, inclusive, que uma porta aberta, depois de fechada, não pode ser mais aberta.

Ainda sem entender muito bem o que está acontecendo, você tenta abrir as portas do futuro. Nenhuma delas se abriu. Desconfiado, você volta até o quadro com as instruções e as relê, percebendo que está seguindo a risca o processo.

As portas que misturam apego e saudade são mais difíceis de serem fechadas. Por mais que você as olhe, sente-se impotente e pensa:

“Nossa… Há tantas coisas boas ali naquelas portas… Não sei se consigo fecha-las. Nesta aqui, por exemplo. Amei tanto… Fui tão feliz… Mas ao mesmo tempo, nada de bom acontece nesta porta há muito tempo. O que me faz mante-la aberta é a pena de que não tenha dado tudo certo como eu planejei e o medo de que nada parecido volte a acontecer comigo.”

E assim você se sente diante de todos as portas do passado que permanecem abertas. Tenta abrir as portas do futuro, até para ver se alguma das portas poderia substituir alguma do passado, mas as portas continuam trancadas.

Você volta ao quadro para reler novamente as instruções, mas percebe que elas mudaram. No quadro está apenas uma frase:

“Tenha fé no futuro.”

Sem saber o que fazer, você para diante de cada uma das portas abertas do seu passado e começa a fecha-las. Não todas. As mais fáceis, talvez. Sente um aperto no peito e lágrimas escorrem pelo seu rosto enquanto faz isso. Instintivamente, você tenta reabrir algumas delas, mas elas não se abrem mais. Estão trancadas.

Você sente um misto de desespero, desconfiança, e se sente um idiota por ter confiado em um quadro que muda aleatoriamente o texto que nele está escrito. Sua alma enche-se de medo. Seu coração dispara. Você sente-se enganado.

E depois de passar um longo período refletindo sobre o seu passado, uma semente de uma planta chamada “não tenho nada a perder” começa a brotar dentro do seu coração. E você volta diante das portas que ainda permanecem abertas e vai fechando-as uma a uma, até que se dá conta de que fechou todas.

Tenta abrir, então, as portas do futuro, mas elas permanecem fechadas. Revoltado, você volta até o quadro que agora diz apenas:

“O futuro é seu.”

E você ouve o barulho de muitas portas se destrancando. Todas as portas, tanto as do passado como as do futuro. Não pensa em reabrir as do passado, entretanto. Você já sabe o que há dentro delas. Tenta, então, abrir a primeira porta do futuro e adentra em uma sala cheia de outras portas, que por sua vez, conduzem à tantas outras portas. Nada muito interessante, e você resolve voltar para o salão.

Curioso, você vai abrindo todas as portas do futuro, uma a uma, e em cada uma delas há algo que você sempre desejou ou sempre quis. Algo que voce sempre achou essencial para a sua felicidade. Em uma delas, por exemplo, estava o parecia ser o emprego dos seus sonhos. Em outra, o possível amor da sua vida. Cada porta continha um aspecto importante e não menos relevante na sua totalidade, ao ponto de você não saber qual delas escolher.

Intrigado, você resolve voltar até a primeira porta que abriu. Afinal de contas, por que somente ela parecia não levar lugar algum? E para a sua surpresa, na porta estava escrito FELICIDADE. Você abre a porta e entra para ver se algo mudou, e se depara com o mesmo mundo em que vivia antes, mas com a certeza de que já não carrega dentro de si o peso e as dores do passado. O passado agora permanece dentro de você como memórias e histórias, que não mais doem ou assustam. E você olha para trás e se dá conta de que já não há mais porta alguma. Não há para onde voltar. E em um outdoor todo iluminado, bem a sua frente, um texto que você já conhecia:

“O futuro é seu.”

E então você começa a entender tudo e fala para si mesmo:

“O mundo não mudou, mas eu mudei. Estou pronto para o futuro. O futuro é meu.”

Diamond Ring – Bon Jovi

Sempre gostei dessa música e achei interessante publica-la por um motivo inusitado: Richie Sambora.

Todo mundo fala muito do Jon Bon Jovi, mas a banda Bon Jovi não seria nada sem os vocais e as guitarras do Richie.

Para ficar mais claro:

Com toda sinceridade, esta música entre outras tantas, são pelo menos 50% mérito do Richie Sambora (que saiu da banda em 2013). A voz dele é realmente impressionante!

Rosas Brancas

Eu exagerava
Nas palavras que te dizia,
Em como te descrevia,
Mas havia um motivo:
Tudo relativo a ti
Era em mim exagerado.

Cada despedida,
Uma morte.
Cada abraço,
Uma ressurreição.

Tu eras um exagero em minha vida,
Daqueles que nunca são suficientes,
Que nunca são o bastante.
E ao mesmo tempo não eras vício,
Mas sim uma opção,
Que eu fazia e refazia,
Todos os dias.

As minhas intenções
E mesmo limitações,
Eram muitas e claras,
Porque eram óbvias
E eram a minha maneira
De dizer que eu –
Todo o meu eu –
Era todo teu.

Amei-te por amar-te,
Sem pensar ou teorizar,
Porque amando-te,
Descobri-me, despi-me,
Como nunca havia feito antes.

E hoje,
Nas andanças do tempo,
Todos os dias,
Guardo-te nos exageros
Também presentes
Nos jardins de minhas memórias,
Onde só brotam rosas brancas.