Com ou sem nexo

Mais uma autoral… 🙂

Com ou sem nexo

Foi-se e ainda assim voltou
Isolou-se, mas ressurgiu.
Sob suas asas de anja ou fada,
Impávida história a ser revelada,
Carecendo de senso ou razão,
Abundando ardor e sofreguidão.

Quanta culpa que carregam!
Ultrajante mundo materialista!
Ainda que tentem disfarçar o nexo,
Nos olhos dele e nos ouvidos dela – sexo!
Tamanha distância é prudente, contudo –
Incríveis almas de outro mundo!
Carecem de si mesmas e nem sabem o porque
Atraídos pelo universo, não carecem de entender.

Criando uma marolinha de otimismo

Mais do que nunca, precisamos de uma onda de otimismo. Vejam o que está acontecendo na Argentina:

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/12/1722433-argentina-vive-onda-de-otimismo-com-chegada-de-mauricio-macri-ao-poder.shtml

A saída do PT do poder é fundamental. Não se iludam. Os efeitos benéficos para o Brasil serão IMEDIATOS! Que comece como uma marolinha de otimismo, e que se espalhe por todo o Brasil, transformando o LIXO que vivemos hoje em páginas de um livro de História, para que a realidade de hoje NUNCA se repita!

nazareswell2

 

E então é Natal…

O ano de 2015 foi atípico. Vimos milhões de brasileiros perderem seus empregos, empresários fecharem seus negócios e empresas importantes deixarem o Brasil, enquanto o governo continuou, como sempre, a esbanjar o nosso dinheiro.

Não foi por falta de aviso. Desde 2004 ou 2005 (não me lembro ao certo), eu e vários outros combatemos o PT e suas medidas populistas, que sempre tiveram como único objetivo a manutenção do partido no poder. E para alcançar esse objetivo, sempre valeu qualquer coisa: deixar pessoas morrerem nas filas dos hospitais, mandar policiais para missões suicidas, e aparelhar o nosso Judiciário ao ponto do STF não se importar com o que está escrito na Constituição Federal. Total e completa inversão de valores.

Mas parece que ainda não foi o bastante. Apesar de todo esse sofrimento, ainda vejo pessoas defendendo o PT. Vou ser direto. Classifico essas pessoas em 3 grupos:

  1. Ignorantes – Aqueles que, em geral, acham que política é algo chato, mas que reclamam do aumento do preço da gasolina, de não receber o décimo-terceiro salário, etc. O agravante neste grupo é que a informação para que deixem de ser ignorantes é abundante. Continuam sendo ignorantes porque as palavras doces do populismo e do socialismo soam como música nos ouvidos dos desavisados. Incluo nessa categoria também os mais humildes, que nunca tiveram acesso ao estudo, à informação, e que foram literalmente comprados pelo Bolsa Família.
  2. Beneficiários do Caos – Estão se beneficiando diretamente do que está acontecendo. Para eles, o caos é um meio de vida. Pobreza, preconceito de todos os tipos e violência são males necessários para que o caos continue. São os grandes vilões de toda essa história. Via de regra, um Brasil melhor significa um Brasil pior para eles. São o câncer do país.
  3. Orgulhosos – São aqueles que dedicaram uma vida inteira a uma causa, e que mesmo diante de seu fracasso, se negam a reconhecer a falência de suas idéias. Não são ignorantes, não se beneficiam diretamente do caos, mas não são humildes o suficiente para reconhecerem que estavam errados.

Talvez seja possível dividir em alguns outros grupos ou subgrupos, mas a idéia básica é essa: os Beneficiários do Caos se beneficiam da ignorância dos Ignorantes e do orgulho dos Orgulhosos para nos darem mais do mesmo. Sistematicamente mais do mesmo.

Não. O ano de 2016 não será melhor do que o ano de 2015. Será pior. Todos os indicadores econômicos apontam para isso. Não há um único número que aponte que já chegamos ao fundo do poço (ainda há espaço para piorar) e muito menos algum número que indique que estamos saindo do poço. Portanto, estejam preparados, de verdade, para o pior. O pior está a caminho, e eu posso dizer que eu avisei.

E então, já que á Natal, eu gostaria de fazer um único pedido para Papai Noel: que Deus ilumine e tenha piedade do povo brasileiro, para que ele se dê conta que a saída da crise não está nas mãos dos políticos, mas em suas próprias mãos. E mais: que Deus, que é misericordioso e também justo, nos ajude a afastar os demônios que estão devastando o nosso país. Que faça de cada brasileiro um soldado nessa guerra contra as trevas, na certeza de quem o bem SEMPRE vence o mal.

Um Feliz Natal para todos!

papai-noel

 

Sob o Mar

Autoral das antigas. 🙂

Sob o Mar

Procurei por muito tempo um cais,
Onde eu pudesse largar meu barco,
Depois de tempestades inenarráveis,
Depois de tempestades inimagináveis,
Reais, sobretudo, dentro de mim.

O mar da vida me afogava em seus braços,
E ainda assim, apesar do meu cansaço,
Conseguia nadar, respirar, vomitar,
Só para ver novamente os olhos de cemitério
Com que me olhavam, rasgavam, ruminavam.

Novamente sim! Era essa a rotina.
Perdoar, crescer, transcender, elucidar, clarear,
Para me ver gemer, granir, gritar, ejacular de dor.
Dor, meu maior prazer era a dor.
Que ser humano pode viver se não tiver prazer?

E as ondas do mar me lavavam, me levavam,
Me consumiam, cada dia mais, sempre mais.
Os dias eram paredes de água, onde viviam dragões lendários,
Queria ser um peixe, para viver protegido em um aquário,
De água ácida, minhas lágrimas, meu pó de mim.

Minhas cinzas, então, se diluíam nessas águas turbulentas.
Vida ainda possuíam, apesar do frio cinza de seus corpos.
Já se afogaram, morreram, ressuscitaram, reencarnaram.
Intensamente são bravas, inquebráveis, etéreas, afáveis.
Miragem! Vejo uma ilha vindo para perto de mim.

Chegou, colou os cacos, juntou os pedaços,
Queimou as cinzas, transformou-as em algo desejável.
Tirou do abismo, revelou meu maior, total e único tesouro:
Sou ouro, sou raro, sou muito, sou feliz, sou louco.
Ilha, onde andavas? Tanto tempo passei sem ti.

Lágrimas de um palhaço

Já reparou que costumamos julgar um produto por sua embalagem? Rostos corados, bronzeados, bonitos. Roupas novas, perfumes caríssimos, maquiagem perfeita. Relógios de grife, carros importados, celulares de última geração. Fomos ensinados a achar que as pessoas que se apresentam dessa forma são extremamente felizes.

Minha falecida avó, grande figura, sempre brincava com isso: “É melhor chorar dentro de um Mercedes do que dentro de um Fusca.” A pergunta é: será? Com certeza. Mercedes tem até aquecedor de banco para esquentar a a bunda em dias frios. Sem comparação! rs.

Deixando um pouco de lado a brincadeira, um dos fatos que mais me marcou nos últimos tempos foi o suicídio do ator Robin Williams. Uma figura de sucesso, extremamente talentosa, engraçada, rica… E terminou sua vida assim. Suicídio. Alguém esperava por isso? Tenho certeza que não. Pelo menos nós que não o conhecíamos de perto.

Então, não se iluda com sorrisos plásticos, corpos perfeitos e coisas materiais tidas como indicadores de sucesso. Por detrás de um invólucro carnal que transborda sensualidade e demonstra todos os tipos de vitórias no mundo físico, pode haver uma alma em frangalhos. Ajude sempre que for possível. Não perca a oportunidade. Tente ver sempre além das aparências. Veja com os olhos da alma. Esses são os únicos olhos que podem ver tudo.

E mais do que isso… Talvez seja essa a parte mais importante. Que você não use a desculpa de não ter esse sucesso material para ser feliz. Uma roda de bons amigos comendo frango com farofa com certeza vale muito mais do que um jantar cheio de frescuras em que as pessoas se relacionam apenas por interesse. Enfim… QUAL A SUA DESCULPA PARA NÃO SER FELIZ COM O QUE TEM?

Sim, tem música do Iron Mainden. A música TEARS OF A CLOWN foi feita inspirada no suicídio do Robin Williams. E logo abaixo, uma entrevista do Bruce Dickinson falando sobre a música, de autoria do Steve Harris.

 

Dia V

Última autoral do dia. 🙂

Dia V

Vozes em minha mente
Tentam me revelar
Se é paixão, loucura, devassidão
Indefinido cheiro, nobre, vulgar.

Eclipse da razão
Porta fechada dentro do eu
Amnésia total, eu me lembro
Será que alguém esqueceu?

Várias noites em claro
Cercado por uma completa escuridão
Etérea como uma pedra
Meu epitáfio ou minha redenção?

Um calor como o do fogo
Me queima, mas me dá prazer
Me flagro de dentro para fora
Minhas vísceras querendo me esconder.

Sete pecados dos mais terríveis
Todos eles completamente iguais
Filhos dos meus atos – minha vida!
Me absolvo, sou mais do que capaz.

Cansado, finalmente me entrego
Não vejo porque me recriminar
Paixão, loucura, devassidão
Amar, amar, amar e amar.