Maratonistas

Lembro-me da luz do sol

Invadindo nosso quarto

Por entre a cortina

Iluminando teu corpo nu

 

Lembro-me do meu corpo

Suado, também nu

Ainda ofegante

No mais completo e extravagante êxtase

 

Nosso cheiro embolado no ar

Roupa de cama molhada

Evidências incontestáveis

De fatos concretos, consumados

 

Teus cabelos bagunçados

Tuas pernas torneadas e meladas

Rios que de ti escorriam

Águas que criaste e levaste de mim

 

Lembro de te puxar-te pelos braços

Jogar-te de volta na cama

Provar novamente os nossos gostos

O mais puro e selvagem absinto

 

Lembro-me de visitar-te por dentro

Do céu da boca e de todos os outros lugares

E de novos rios intermináveis

Jorrando sobre nossos corpos lisos

 

Mas de tudo isso

Lembro-me ainda mais

Da delícia que é ser teu homem

E da delícia que é tu seres a minha mulher.

200_s

Temo-me

Não temo a morte

Temo estar morto em vida

Em alimentar feridas

Que sequer precisariam existir

 

Temo que me falte coragem

Para seguir minha vontade

E que o que fogo dentro de mim arde

Cozinhe meu destino

 

Temo que me sobre medo

De ir, de ficar

De esperar, de avançar

Medo do que nem sei se existe

 

Temo temer

Essa é a verdade

Temo ser um grande e falso sorriso

E encontrar um medíocre abrigo

Que assassine minha esperança

 

Temo temer

Tudo que eu poderia viver

E ainda que o tempo não seja meu amigo

Não é meu maior inimigo

Posto que este já sou eu.

se-o-tempo-curasse

The Versatile Blogger Award

versatile-blogger-award

E aí, você está concentrado, no meio de um dia pesado de trabalho, e recebe uma nomeação para o cobiçado prêmio “The Versatile Blogger Award“. Não, não se trata de dinheiro, mas de reconhecimento. Nesse caso específico, tem um sabor especial… De chocolate, digamos assim. 🙂

Eis a indicação propriamente dita:

Agora Babou – Autoria de uma pessoinha ‘deliciosa’, Fábio Ottolini. Desembaraçado, bem articulado e recheado de boa conversa. Um lugar para fazer #pitstop para um cafezinho. Os textos são descontraídos e os poemas me enchem de reflexão.

Quem me indicou? A Lu Amorim, do blog Pecados da Annalu. A indicação pode ser vista nesse post.

Eu disse que tinha sabor especial, porque a Lu é uma pessoa especial. Gosto MUITO do que ela escreve, e tenho MUITO ORGULHO de ter sido lembrado por ela.

Lu, um beijo com sabor de chocolate! 🙂

Dito isso, vamos às minhas indicações.

Os indicados ao Versatile Blogger Award devem nomear 15 blogs para o concurso e também escreverem 7 coisas sobre si ao final do post. Dessa maneira os indicados contribuem com a premiação e reconhecem os blogues que estão se destacando pelo conteúdo interessante na blogosfera.

Blogs mais do que interessantes (a Lu seria uma escolha natural, mas como recebi o prêmio dela, não vale):

vidaintensavida.wordpress.com

raquelnubia.wordpress.com

poetadagarrafa.wordpress.com – 

coloquepoesia.com.br

filmose.wordpress.com – 

electronicmaze.wordpress.com

helencoppi.wordpress.com – Por

É ÓBVIO que sigo e admiro muitos outros blogs! Esses são apenas alguns dos muitos que sigo. Há muita coisa boa na blogosfera, e falar de todos seria impossível.

Agora, as tais 7 coisas… (odeio essa parte)

1 – Toco violão e guitarra. Comecei a tocar violão clássico quando tinha 13 anos e depois fui para a guitarra. Infelizmente, não dá para ser músico no Brasil tocando música de qualidade.

2 – O nome do site é AGORA BABOU porque ele nasceu com uma proposta 100% política. Era algo do tipo “agora não tem mais jeito”. Coisa de fluminense/carioca. Depois, veio a idéia de colocar as poesias e tal. Tarde demais para mudar de nome.

3 – Trabalho com Tecnologia e Segurança da Informação. Sim, eu sou doido! Podem apostar nisso! Ganhei meu primeiro computador com 10 anos de idade (um ZX80) e nunca mais consegui me desvencilhar desses “bichos”.

4 – AMO cerveja! Quanto mais diferente, melhor. Portanto, minha preferência natural é pelas artesanais. O tipo de cerveja que mais gosto é a IPA. Não tomo NENHUMA cerveja que contenha milho (quase todas da Ambev contém).

5 – Eu preciso dos meus momentos de solidão. Não me sinto sozinho nesses momentos. Pelo contrário. Penso e sinto tudo com muita intensidade nessas ocasiões. São momentos importantes para a tomada de decisões. Conselho para as mulheres: deixem seus homens ter seus momentos de solidão!

6 – De 2016 para cá, estou indo a academia praticamente todos os dias. Uma ótima mudança para quem era extremamente sedentário. Nunca me senti tão bem comigo mesmo em toda a minha vida!

7 – “Escrevi” minha primeira poesia com 14 anos, na praia de Piratininga, em Niterói/RJ. Não sei como, lembrava-me dela por inteiro no dia seguinte, quando a transcrevi para o papel (não havia papel comigo na praia). Essa poesia está no meu blog e se chama Noite Cinzenta.

Peço aos indicados que mandem o prêmio adiante!

É isso, pessoal! Até a próxima! 🙂

Save

Yngwie Malmsteen – Live with Japanese Philharmonic Orchestra

Eu sempre digo que os grandes músicos como Bach, Beethoven, Mozart e Paganini seriam metaleiros se vivessem nos dias de hoje. Poucos acreditam! Portanto, ouçam e tirem as suas próprias conclusões.

Divirtam-se!!! 🙂

P.S.: O guitarrista sueco é um dos meus ídolos na guitarra. Um verdadeiro GÊNIO!
P.S.2: Ouvir esse concerto com um bom fone de ouvidos e tomando vinho é algo SENSACIONAL!

Sem medo

E a gente vai…

Sóbrio ou ébrio

De pé ou de joelhos

Sorrindo ou chorando

Mas a gente vai…

 

Ir é necessário

 

Ainda que não seja por opção

Ir faz-se necessário

Em um universo de infinitas possibilidades

É um sinal de gratidão

Pelo que já foi

Pelo que é

Pelo que ainda está por vir.

epicuro-01

Por acaso

O dia amanheceu chuvoso, nublado. Melancólico, por assim dizer. Enquanto eu observava da janela da minha sala carros e prédios, pessoas indo e vindo, uma forte inquietude tomou conta de mim. Eu também estava chuvoso, nublado. Seria o momento perfeito para pegar um cigarro, mas felizmente eu não fumo.

E meio que sem perceber, comecei a me olhar por dentro. Não gostei do que vi. Havia vários pontos de interrogação na minha mente, e eu estava sendo consumido por eles. Por quê? Como? Onde? Será? Quando? Eu não tinha nenhuma resposta. Nenhuma.

Dizem que fazer exercício ajuda nessas horas. Sem pensar duas vezes, fui para a academia. Eu não gosto de guarda-chuva, e por algum motivo gosto muito da chuva batendo no meu corpo. E nesse dia, a chuva parecia especial. Parecia estar me lavando. Não sei explicar.

E pelo caminho até a academia, vi alguns comércios ainda abrindo. A vendedora da ótica onde comprei meus óculos me deu bom dia. O vendedor de flores também. O pessoal da recepção da academia idem. Todos esbanjavam sorrisos. Eu não. Será que eu era o único triste?

Coloquei meu fone de ouvido e liguei o Spotify. Whitesnake, para ser mais preciso. A combinação da música com os exercícios estava surtindo algum tipo de efeito. Pelo menos naqueles momento os pontos de interrogação se tornaram secundários. Eu estava mais preocupado com a ausência do sorriso no meu rosto.

Fui ao banheiro da academia antes de ir embora, e me olhei no espelho. Foi difícil me encarar. Difícil me olhar olhos nos olhos. Difícil não ver o meu sorriso. Difícil ao ponto de lágrimas escorrem pela minha face. Realmente um dia chuvoso e nublado para mim.

De dentro do banheiro, ouvi um grito. Senti que era algo relacionado a dor. Saí correndo e vi uma senhora sentada no chão com dor nas costas.

Aproximei-me sem saber exatamente o que fazer. Ofereci minha mão para ajuda-la a se levantar.

– Obrigada, meu filho!

Eu evitava os olhos dela, mas eu a levantei de tal forma que ela ficou bem de frente para mim.

– Você estava chorando?

Tentei disfarçar. Culpei o suor da academia, um possível cisco no olho, conjuntivite… Ela não aceitou a resposta.

– Todo mundo chora. Não tenha vergonha disso. Não sei o motivo das suas lágrimas, mas sei que as minhas costas estão quebradas. Isso pode me fazer chorar! Aliás, faz muito tempo que você trabalha aqui na academia?

– Não, eu não trabalho aqui… É que vi que a senhora estava precisando de ajuda e saí correndo do banheiro…

– Chegou antes do pessoal da academia, não é mesmo? Entende onde quero chegar?

– Sinceramente, não… Estou um pouco lento hoje.

– Eu precisei de ajuda. Você apareceu. Saiu de casa querendo ajudar uma pessoa com dor nas costas ou foi algo que aconteceu por acaso?

– Totalmente por acaso. E a sorte é que eu já havia desligado a música, ou não teria ouvido a senhora gritar.

– Percebe que várias coisas aconteceram para que você estivesse aqui, bem na minha frente? Percebe que o acaso fez com que você, sem me conhecer, me ajudasse? Percebe agora onde quero chegar?

– Acho que sim… Eu gosto de ajudar as pessoas.

– E de ser ajudado, você gosta?

Fiquei em silêncio. A resposta óbvia seria um sim, mas hesitei… Ela sorriu.

– Permita-se ser ajudado, meu filho. Sei que a vida nem sempre é fácil, mas se você se fechar para ela, nada do que está aí dentro vai ser curado. Permita-se viver o acaso. Você pode se surpreender com os resultados. Agora, vai lá no banheiro e seca seus olhos. Além de tudo, você está descabelado!

Ela soltou uma gargalhada, eu sorri e fui para o banheiro. Acertei meu cabelo, limpei meu rosto, e me lembrei do meu sorriso ausente… Eu não sabia exatamente o porquê, mas me senti na obrigação de sair do banheiro sorrindo. Quando saí, não vi mais a senhora… Devo ter demorado muito nas minhas divagações.

– Bom dia, pessoal! Até amanhã!

Falei firme com o pessoal da recepção. Eu estava sorrindo. Eles também estavam. Algo havia mudado em mim.

Dei novamente um bom dia para o vendedor de flores e para a vendedora da ótica. Peguei um brinquedinho de uma criança pirracenta que estava no chão e o devolvi para a mãe, enquanto um cachorro quase derrubava a mesa de um café para comer o pão de queijo do seu dono.

Realmente, estava tudo muito engraçado. Subi para tomar banho, e comecei a pensar em tudo que tinha acontecido. Lembrei-me da senhora, da interação que tivemos, e de como a rua tinha ficado, de repente, super interessante.

Não foi a rua que mudou. Nada ficou mais interessante do que já era. Tudo acontecia ali, todos os dias, bem diante do meu nariz, e precisou uma senhora sentir dor nas costas na academia para eu perceber tudo isso. Obra do acaso, creio eu.

Os pontos de interrogação reapareceram, mas decidi que não daria muita atenção para eles. Saindo do banho, comecei imediatamente a trabalhar. Sim, eu trabalho de casa.

Eu estava revigorado, e tomei uma decisão. Decidi me abrir para o caso justamente nesse dia chuvoso e nublado. Senti um arrepio no meu corpo. Os pontos de interrogação são insistentes! Preferi ignora-los por ora, e meu telefone tocou.

– Fala, Fábio!!! Tudo beleza?

Era um amigo. Agradeci mentalmente pelo encontro com aquela senhora. Sorri novamente. Acaso: aqui vou eu.

acaso