Pari passu

E eu que me flagrei implorando por aquilo que entrego de graça?

Me justificando por aquilo que nem de longe eu sou ou faço?

 

Já que falta sensatez

Em silêncio

No recôndito do que sou

Eu reverencialmente disfarço

 

E que retumbe a tua empáfia

Para que o tempo e o espaço

Se encarreguem

De mostrar tudo que fiz

Posto que de tudo fiz

Pelo amor e por amor

Pari passu.

2 pensamentos sobre “Pari passu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s