If you forget me – Pablo Neruda

Umas das poesias mais bonitas que já tive a chance de apreciar. Os versos estão logo após o vídeo.

If you forget me
I want you to know
one thing.

You know how this is:
if I look
at the crystal moon, at the red branch
of the slow autumn at my window,
if I touch
near the fire
the impalpable ash
or the wrinkled body of the log,
everything carries me to you,
as if everything that exists,
aromas, light, metals,
were little boats
that sail
toward those isles of yours that wait for me.

Well, now,
if little by little you stop loving me
I shall stop loving you little by little.

If suddenly
you forget me
do not look for me,
for I shall already have forgotten you.

If you think it long and mad,
the wind of banners
that passes through my life,
and you decide
to leave me at the shore
of the heart where I have roots,
remember
that on that day,
at that hour,
I shall lift my arms
and my roots will set off
to seek another land.

But
if each day,
each hour,
you feel that you are destined for me
with implacable sweetness,
if each day a flower
climbs up to your lips to seek me,
ah my love, ah my own,
in me all that fire is repeated,
in me nothing is extinguished or forgotten,
my love feeds on your love, beloved,
and as long as you live it will be in your arms
without leaving mine.

Margarida

Esse era o nome de uma senhora do tipo “personagem clássico” que morava na rua onde cresci. Infelizmente, no domingo, dia 18/02/2018, foi acometida de um infarto fulminante. Morreu em casa, com seus cachorros. Os bombeiros precisaram arrombar a porta para retirar seu corpo, pois ela morava sozinha. Creio que ela tinha 78 anos.

Era uma senhora que usava a sua pensão para sustentar familiares. Que era defensora dos animais (os cachorros dela foram adotadas por pessoas da rua). Que levava lanche para os PMs durante operações em favelas. Que era assistente social. Que era síndica do prédio onde morava. Que era devota de Nossa Senhora de Fátima. Que usava óculos. Que fazia compras no Presunic. Que conversava com todo mundo da rua enquanto fazia suas caminhadas. Que era respeitada por todos os moradores. Enfim…

Apesar de sustentar familiares, estes não iam vê-la. A rua era sua família. E por isso hoje, me sinto na obrigação de falar da Margarida. Apesar de não ser muito próximo dela, queria que ela não fosse esquecida. Queria de alguma forma registrar o quão importante ela foi na vida de muita gente, de muitos animais.

Fique em paz, Margarida. Que Jesus Cristo e Nossa Senhora de Fátima a recebam em paz no reino dos céus. Você deixou marcas nesse mundo. É meu dever honrar quem se foi antes de mim.

margarida-2

Eu rumo

Hoje, reparei nas nuvens

Há tempos não fazia isso

Céu azul de verão

Nuvens como se fossem de algodão

Sendo levadas pelo vento

Deixou-me curioso a sua leveza

Enquanto nuvem, à mercê do vento

Indo como se soubesse a direção

Ignorando sua própria existência

Seu motivo e razão

Nuvens claras nos dias de sol

Escuras nos dias de chuva

Livres

Felizes

Indo para não se sabe onde

E pensei que eu também gostaria de ser nuvem

Eu queria ir…

Ir…

Mundo afora, sem porque ou motivação

Descobrir aonde o vento faz a curva

E ser insubstancial, nada urgente

No inverno e no verão

Mas há quem nasça para ser nuvem

E há quem nasça para ser vento

Eu sou vento!

Da brisa suave

Até qualquer grande tormenta

Eu carrego

Eu levo

Eu movo e removo

Eu faço o que tiver que ser feito

Eu simplesmente não me contento.