Somos

O que não dizemos

O que não fazemos

O que não retrucamos

O que não assumimos

O que não negamos

O que não amamos

O que não vivemos

 

Nós somos tudo aquilo que fingimos que não somos

Nós somos tudo aquilo que queremos esconder dos outros que somos

Nós somos tudo aquilo que só o nosso travesseiro sabe.

Contradiction

Busy

I am always busy

Working on ways

To buy some free time

Not to be as

Busy

I am as busy as a bee

And as a bee

I don’t know what else I can be

Busy

Always busy

Working on something

To set me free.

Inexplicação

Ficou o que não se disse

O que jaz imanifesto

A cor que não tem nome

A música que de arritmia padece

 

O doce sem gosto

A alma vazia

O futuro que desabrocha

E inerte

Murcha

Apodrece

 

Apagaram-se as memórias

A vida em sua plenitude

O amor

Sem freio

O todo

E não o meio

 

O beijo no calçadão da praia

A água de côco

A poesia declamada

Mariscos e crustáceos

Toques opiáceos

A razão de joelhos

Roupas pelo chão

 

E nas risadas de terceiros

Foi-se o perfume

O gosto

O cheiro

O bom dia

O boa noite

As pizzas

Os vinhos

E sobrou o açoite

O escárnio

O deboche

A Édith Piaf

Que celebrava a falta de sorte

O Tom Jobim

Do eu sei que vou te amar

Ao léu

Em seu leito da mais absoluta

E  pungente

Morte

 

E não havia nada o que fazer

Só esperar o tempo

Fazer parar de doer

Todo aquele muito que havia para ser tudo

As promessas de amor eterno

Que se esvaíram em um segundo

A falta de sentido

De lógica

Amor

Razão

Cobertos de poréns

E intermináveis contudos

 

E os corações?

 

Foram deixados de lado

Esquecidos em algum vão

Na mais completa e inequívoca

Inexplicação.

em-cada-pedra-um-sentimento

Muros ou pontes?

Uns constroem muros e outros constroem pontes.

  • O que você realmente quer para a sua vida?
  • O que pulsa dentro do seu peito quando você está em silêncio, longe dos holofotes?
  • Qual a última coisa que passa pela sua cabeça antes de dormir?
  • O que faz falta na sua vida, independentemente do que os outros achem?
  • Onde você gostaria de estar se pudesse escolher (e você pode)?

Só você tem todas essas respostas. Todas e muitas mais. Entretanto, queria aproveitar essa sexta-feira para convida-lo(a) para uma reflexão:

Será que você está não está construindo muros demais ou muros onde não deve? E aquela ponte? Por que não a constrói de vez? Por que não põe abaixo os muros  que o(a) aprisionam?

Passam os anos e mudam as estações, mas se você não muda, a realidade ao seu redor permanece inalterada. A sua visão e a sua vida são limitados tão somente pelos muros que você mesmo(a) construiu ou que deixou construírem a sua volta.

Uma excelente sexta-feira para todos! Que Deus nos abençoe!

ponte

Me convida para dançar? – declamada por Michele Cruz

Confesso que a vida tem sido bastante generosa comigo. Isso é um FATO! Vejam o presente que ganhei hoje:

A poesia original pode ser encontrada aqui.

Como foi da primeira vez (não é a primeira vez que ela apronta comigo – veja aqui), eu fico completamente sem palavras. Eu me sinto grato e realizado. Muito, muito feliz. 🙂

Mais uma vez, muito obrigado, Michele! Que Deus te abençoe e ilumine sua caminhada. São presentes como esse que você me deu que fazem a vida valer a pena.

Um beijo! :*

Minha paz

A paz de estar inteiro

Real e verdadeiro

Em todo e qualquer lugar

 

Não buscar

E por isso achar

Não procurar

E ainda assim encontrar

 

É não ter que ser

É não ter que estar

É só ser

É só estar

 ,

É revelar o por dentro

E por isso brilhar por fora

É ser todo em qualquer momento

É ser o aqui e o agora

 

É a vida em movimento

Sem máscara ou demora

É o sorriso que explode de dentro

E olhos que reluzem a alma para fora

 

E sendo não mais do que assim

Simplesmente sou o que sou

E a minha vida – e que vida!

É o sonho de quem a vida sempre amou.

Meu jardim

Nem sempre recebi de volta

As flores que gentilmente

E com muito amor

Ofereci

 

Mas a questão não é essa

E falo disso com um sorriso aberto

E sem pressa:

Eu preciso oferecer flores

Pois a minha vida é um imenso e inesgotável jardim

E nele planto amores

E colho flores

As mais lindas

As mais diversas

Pois são amores

À beça.

Mais do que um trago

Algumas são únicas

Algumas são inesquecíveis

E algumas são apenas algumas

 

E as que não são algumas

As que são intensamente umas

Dessas não me esqueço –

Nem disfarço

 

Quer seja na garrafa suntuosa

Na nudez transparente do copo

Ou no detalhe fulgurante do trago

Destes rios me embebedo

Rios que sorvo sem pressa

Rios nos quais inevitavelmente deságuo

 

Dai-me agora mais uma –

Não alguma! –

Para que a minha sede se aplaque

Posto que estou em meio a um deserto

E tudo que eu achava que era certo

Dentro de mim já não cabe.