Olhos nos olhos

Se não há coragem de olhar nos olhos
Pelas janelas da alma –
Escancaradas! –
É certo o intuito:
Fugir

Resta saber se do outro
Ou se de si mesmo

Posto que
Ainda que tentem
Olhos nos olhos
Não fogem
Porque não podem

Jamais.

Neither

Old memories
Old places
Old faces

New memories
New places
New faces

Tomorrow comes
Yesterday is gone
And though nothing
Remains –
Or even stays! –
The same…

Today
It feels like the sun
Is standing right before my window
And life is being lived
To the fullest:
But neither new
Nor anew.

Sonho muito

Sonho muito
No intuito
De que algo fortuito
Faça-me estremecer

Sonho muito
E ainda assim
A realidade nua e crua
Faz-me ser

Sonho muito
Com o essencial
O carinho e o abraço
Que fazem tremer

Sonho muito
Porque parece injusto
Ter a alma vazia
Querer e não ter

Sonho muito
Sonho com o sonho
Com um mundo risonho
Feito sol ao alvorecer

Sonho muito
Porque sonhar
É viver
E quem não sonha
É só mais um vulto
Que já se deixou morrer.