Educação no Brasil

Pouco se fala da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio no Brasil. Por algum motivo, o foco do governo atual e dos anteriores estava/está no ensino superior, que é a ponta do iceberg.

Atacar o sintoma e não a causa não me parece ser algo inteligente. São 3 anos de educação infantil (sem contar com os anos de berçário), 9 anos de ensino fundamental, e 3 anos de ensino médio, para um total de 16 anos (pelo menos), e a “culpa” está no ensino superior, sobretudo nos cursos de Ciências Humanas?

Ainda mais curioso é que esses 16 anos que antecedem ao curso superior são justamente os anos onde se formam os valores do indivíduo, bem como a maneira como ele vê e se relaciona com o mundo e com seus semelhantes. Acima de tudo, é nesse período que se desenvolve a moral e o caráter do indivíduo, ou seja, a sua capacidade de diferenciar intenções, decisões e ações entre aquelas que lhe são distinguidas como próprias e as que são impróprias, e, em última análise, a própria capacidade do indivíduo de diferenciar o bem do mal.

Sim, grande parte desses 16 anos são passados na escola, mas cabe lembrar que não é responsabilidade da escola educar as crianças, mas sim escolarizá-las. O filósofo Mario Sergio Cortella faz uma distinção clara entre educar e escolarizar, sendo a escolarização apenas parte do educar, que na sua totalidade é de responsabilidade dos pais.

Dito isso, parece não restar dúvida que cabe aos pais uma participação ativa na educação de seus filhos que, repito, não é de responsabilidade da escola. Pelo contrário. E assim sendo, me pergunto: quantos pais de fato se interessam pela escolarização de seus filhos? Quantos pais tentam entender as propostas pedagógicas das instituições em que seus filhos estão matriculados, para verificar se os valores da escola estão alinhados com os valores da sua célula familiar? Pela minha experiência, digo que são poucos, realmente poucos. Enfim.

Em suma, creio que o papel dos pais precisa ser repensado, pois é justamente na sua ausência que se proliferam ideias diversas, quer seja para o bem ou para o mal. Não faz sentido esperar frutos bons de árvore podre, assim como não faz sentido confundir sintoma com causa.

A prioridade do Ministério da Educação não deve ser os cursos superiores, mas todo o longo percurso que os antecede. Enquanto não admitirmos que falhamos sistematicamente enquanto país e pais nesse sentido, jamais veremos qualquer progresso ou equiparação com o mundo desenvolvido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.