Câncer de Mama Masculino

Um dia, eu estava andando na praia e senti que meu mamilo esquerdo estava mais sensível do que o normal. Cheguei em casa e fiz um autoexame. Para minha surpresa, havia um nódulo bem abaixo do meu mamilo.

Fui na Internet procurar sobre o assunto. Minha tia por parte de pai morreu de câncer de mama. Sei que o assunto não é brincadeira. Eu já sabia que homens também poderiam ter câncer de mama, mas ali estava eu preocupado, meio que sem saber o que fazer, até porque era domingo.

No dia seguinte, corri para um mastologista. Ele me examinou e disse que não parecia ser câncer, mas algo conhecido como ginecomastia. Pediu uma mamografia e uma ultrassonografia para fechar o diagnóstico.

E lá fui eu fazer os exames. Vi-me diante de um monte de mulheres com possíveis problemas muito mais graves nas mamas. Sei que o câncer de mama masculino corresponde a cerca de 1% dos casos, mas e se eu fosse um desses 1%? Passava de tudo na minha cabeça. Era algo que realmente estava mexendo comigo.

Fiz a mamografia primeiro, e logo depois a ultrassonografia. A mamografia é um exame desconfortável, digamos assim. E eu pensando nas mulheres lá fora, esperando para passar pelo mesmo que eu. Lembrei das estatísticas e tal, e achei que Deus queria me mostrar alguma coisa. Eu ainda não estava certo do quê.

Da mamografia, fui direto para a ultrassonografia. A médica fez o exame e pediu para ver a mamografia. Com firmeza, me disse que era a tal ginecomastia. Alívio total, mas na minha cabeça só se passava como poderia ser se a médica tivesse dito que era algo mais grave…

Voltei ao consultório do médico e ele me disse que eu poderia tomar um remédio ou tirar o nódulo fora. “Vamos tirar isso agora!”, disse eu. E marcamos a cirurgia.

Fiz os exames pré-operatórios e marcamos a cirurgia. No hospital, lembro-me de brincar com as enfermeiras que se preparavam para as cirurgias da parte da tarde. Eram quatro salas de cirurgia. Havia eu e mais três cesáreas (sim, eu operei em um hospital maternidade). E para não perder o bom humor, falei em alto e bom som: “Só para deixar claro, o meu caso não é cesárea, tá?” Risadas sem fim, até que o anestesista me apagou.

Fiz a cirurgia e tal. Acordei ainda no centro cirúrgico. Muito louco da anestesia, querendo falar com todo mundo. Fui para o quarto ficar em observação e acabei voltando para casa durante a noite, na companhia de minha mãe (que ficou lá o tempo todo), e resolvi andar pela rua para o efeito da anestesia passar (coisa que o médico disse para eu não fazer).

Foram 15 dias com os pontos. Depois, a espera pelo resultado da biópsia. Quase 30 dias no total. Realmente, um lipoma (descobri isso faz uns 30 minutos). Nada demais. Eu estava livre!

E durante esse tempo todo, entre o descobrir o nódulo e receber o resultado da biópsia, eu fiquei tentando entender o que Deus estava querendo me mostrar, e isso ficou claro:

1 – Homens: essa doença não é apenas de mulheres. Há câncer de mama masculino! Portanto, façam o autoexame e procurem ajuda o mais rapidamente que puderem caso encontrem algo diferente nas suas mamas.

2 – Mulheres (e essa foi a parte mais importante): eu vivi de maneira rasa o que vocês vivem ou podem viver com 99% de chances a mais do que eu. Queria deixar clara aqui a minha admiração e carinho pela sua força, pela sua luta, na certeza de que começar a lutar contra a essa doença terrível o quanto antes é a melhor maneira de prevenir problemas mais graves. Façam o autoexame! Cuidem-se! E recebam o meu apoio incondicional. ❤

Maiores informações no INCA.

Einstein e Deus

Quando Einstein particupava de conferências em várias universidades dos EUA, a pergunta recorrente que os alunos faziam era:

– Você acredita em Deus?
E ele sempre respondia:
– Eu acredito no Deus de Spinoza.

Quem não havia lido Spinoza, não entendia a resposta.

Baruch de Espinosa, nascido de Benedito de Espinosa, foi um dos grandes racionalistas e filósofos do século XVII dentro da chamada Filosofia Moderna, ao lado de René Descartes e Gottfried Leibniz.

Este é o Deus ou a natureza de Spinoza:

Deus teria dito:

“Pare de ficar rezando e batendo no peito! O que quero que faça é que saia pelo mundo e desfrute a vida. Quero que goze, cante, divirta-se e aproveite tudo o que fiz pra você.

Pare de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que você mesmo construiu e acredita ser a minha casa! Minha casa são as montanhas, os bosques, os rios, os lagos, as praias, onde vivo e expresso Amor por você.

Pare de me culpar pela sua vida miserável! Eu nunca disse que há algo mau em você, que é um pecador ou que sua sexualidade seja algo ruim. O sexo é um presente que lhe dei e com o qual você pode expressar amor, êxtase, alegria. Assim, não me culpe por tudo o que o fizeram crer.

Pare de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo! Se não pode me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar de seus amigos, nos olhos de seu filhinho, não me encontrará em nenhum livro.

Confie em mim e deixe de me dirigir pedidos! Você vai me dizer como fazer meu trabalho?

Pare de ter medo de mim! Eu não o julgo, nem o critico, nem me irrito, nem o incomodo, nem o castigo. Eu sou puro Amor.

Pare de me pedir perdão! Não há nada a perdoar. Se eu o fiz, eu é que o enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso culpá-lo se responde a algo que eu pus em você? Como posso castigá-lo por ser como é, se eu o fiz?

Crê que eu poderia criar um lugar para queimar todos os meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade? Que Deus faria isso? Esqueça qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei, que são artimanhas para manipulá-lo, para controlá-lo, que só geram culpa em você!

Respeite seu próximo e não faça ao outro o que não queira para você! Preste atenção na sua vida, que seu estado de alerta seja seu guia!

Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso. Esta vida é só o que há aqui e agora, e só de que você precisa.

Eu o fiz absolutamente livre. Não há prêmios, nem castigos. Não há pecados, nem virtudes. Ninguém leva um placar. Ninguém leva um registro. Você é absolutamente livre para fazer da sua vida um céu ou um inferno.

Não lhe poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso lhe dar um conselho: Viva como se não o houvesse, como se esta fosse sua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir. Assim, se não houver nada, você terá usufruído da oportunidade que lhe dei.

E, se houver, tenha certeza de que não vou perguntar se você foi comportado ou não. Vou perguntar se você gostou, se se divertiu, do que mais gostou, o que aprendeu.

Pare de crer em mim! Crer é supor, adivinhar, imaginar. Eu não quero que você acredite em mim, quero que me sinta em você. Quero que me sinta em você quando beija sua amada, quando agasalha sua filhinha, quando acaricia seu cachorro, quando toma banho de mar.

Pare de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra você acredita que eu seja? Aborrece-me que me louvem. Cansa-me que me agradeçam. Você se sente grato? Demonstre-o cuidando de você, da sua saúde, das suas relações, do mundo. Sente-se olhado, surpreendido? Expresse sua alegria! Esse é um jeito de me louvar.

Pare de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que o ensinaram sobre mim! A única certeza é que você está aqui, que está vivo e que este mundo está cheio de maravilhas.

Para que precisa de mais milagres? Para que tantas explicações? Não me procure fora. Não me achará. Procure-me dentro de você. É aí que estou, batendo em você.”

Mil sóis

Sinto a tua presença em tudo
No todo
Nas partes

Não caminho mais sozinho
E nem caminho para esquecer
Porque tudo que sei fazer é lembrar

Vivo silêncios ruidosos
De onde brotam infinitas declarações de amor
Desejos e vontades reiteradamente confessos
Saudades que não são doridas
Vida que é viva
E que me faz acreditar
Que minha própria vida
Ficou de pé e pôs-se a andar
A correr
A voar!

Não mais me anseia o futuro –
Estou ocupado demais com o presente –
Estrepitando sentimentos dormentes
Permitindo-me sentir e ir
Sem receio
Sem medo
Imerso em mim
Ardendo feito mil sóis.