Preciso da minha solidão

Olhei pela janela – a mesma de todos os dias – e agradeci. Nunca estar vivo significou tanto para mim.

Abracei minha filha, minha mãe. As lágrimas escorriam sem nenhum controle. Eu não sabia o que dizer. Não sabia o que sentir, muito embora eu sentisse muito. Eu tinha em mim todos os sentimentos do mundo.

Meus amigos me ligavam, atônitos, tentando entender o que havia acontecido. Eu não conseguia contar, não conseguia explicar, porque contar era reviver, e reviver fazia meu coração disparar. Reviver era quase como quase morrer de novo e eu não queria mais isso para mim.

Enquanto uma xícara de café reanimava meu corpo, um filme se passava em minha mente. Lembranças do que foi indo de encontro a tudo que realmente é. Lembranças do que fui indo de encontro ao que realmente sou. Era como se fossem dois eus perdidos e entrelaçados, difusos, atordoados. Era como se eu tivesse perdido tudo e ao mesmo tempo não tivesse perdido nada. O real e o imaginário juntos, nus, completamente despedaçados.

Havia um senso de que tudo precisava mudar e de que era necessário deixar muita coisa ir. Eu precisava mudar. Eu precisava ir. Eu só não sabia o que mudar ou mesmo como mudar, e muito menos para onde ir. De nada eu sabia. Eu não me reconheci.

As palavras que ouvi a meu respeito não ecoavam dentro de mim, mas nem por isso deixavam de ter importância. Até porque a questão não eram apenas as palavras, mas quem as disse e porque as disse. Palavras que iam na contramão de tudo que já havia sido anteriormente dito, vivido e sentido. Palavras. Simplesmente palavras. Palavras com a intenção de se eximir.

Eu errei. Fui induzido ao erro. Agi tendo como base tudo o que eu tinha como verdade. E essa verdade foi construída olhos nos olhos, em conversas intermináveis, em conversas que nunca pensei que chegariam ao fim. A verdade foi construída em uma trama interminável de mentiras que eu aceitei, que eu permiti, que eu vivi.

Foi duro. É duro. A realidade é lancinante. Acordar dói. Dormir também. Fazer algo dói. Não fazer nada também. Existir dói, mas eu sei que eu preciso, mais do que nunca, existir. Não há outra possibilidade. Existir e resistir é a minha grande razão.

E em meio a reuniões de trabalho, onde tudo precisava parecer perfeito, eu olhava para o chão cabisbaixo, tomado por imensa vergonha, desiludido com a minha pretensão e crença infinita de que eu poderia de fato ser ou mesmo estar feliz. Tudo que fiz foi absolutamente em vão.

E diante de Nosso Senhor Jesus Cristo e da Virgem Maria, deixei meus joelhos tocarem no chão. Não me ajoelhei apenas por respeito, mas por pura exaustão. Não sabia o que pedir. Não imaginava como começar qualquer oração. E acabei por implorar por piedade, pedir e oferecer perdão, e agradecer pelas bênçãos recebidas até então.

E diante deste texto que ora escrevo, sem qualquer motivo especial ou mesmo razão, declaro-me impotente e ao mesmo tempo inocente, muito embora eu ainda esteja dentro de uma prisão.

Nada que o tempo não cure, eu bem sei, mas é assim que me sinto no agora, diante da imensidão de incertezas, de sonhos reduzidos a infinitas farpas e cacos de vidro espalhados pelo chão.

Esse sou eu hoje. Amanhã serei outro qualquer. Melhor do que hoje, por certo. Preciso fazer as pazes com a minha solidão. Preciso aprender a ficar com o nada. Preciso enfrentar o mundo e me enfrentar. Eu simplesmente preciso, muito embora não saiba exatamente do que e muito menos o porquê. Eu só preciso.

2 pensamentos sobre “Preciso da minha solidão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.