Raiva? Não!

“Imagino a raiva que você está sentindo…”

Não, não imagina. Não há como se imaginar algo que eu não sinto.

Se eu tenho motivos para sentir raiva? Creio que sim. Muitos motivos até, mas quanto mais me aproximei de Deus durante a vida, mais me dei conta que carregar qualquer tipo de raiva dentro do meu peito só me prejudica. Não quero isso para mim.

Não controlo o que os outros fazem comigo, mas posso controlar como me sinto em relação ao que os outros fazem.

Permitir que as atitudes dos outros determinem o sinto é como dar aos outros o poder de sentir por mim e determinar como viver a minha vida, sendo essa uma prerrogativa exclusivamente minha de acordo com tudo que aprendi.

Não, não há raiva. Só há silêncio e perdão. É isso que faz bem para o meu coração. Sigo em frente a minha jornada.