Ex-marido mata a facadas a juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi

No dia 24/12/2020, perdi uma das pessoas mais maravilhosas que já conheci. Nos noticiários, o assassinato dela era divulgado como “ex-marido mata a facadas a juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi” e teve grande repercussão nacional. Para mim, a situação era bem diferente. Eu tinha perdido a amiga Viviane, que eu carinhosamente chamava de Vivi.

Eu descobri sobre sua morte no site do globo.com. Vi a foto que ela usava no perfil do Facebook estampada na primeira página e cliquei para ler a notícia. Não acreditei. Sabia que era ela, mas precisei ligar para alguns amigos para confirmar. Fiquei chocado. Não acreditei. Ainda não acredito.

Conheci a Viviane faz uns 30 anos. A gente fazia parte de um grupo de cerca de 10 amigos que se reunia nos finais de semana para jogar “Dicionário” (a versão de tabuleiro se chama Academia), Imagem & Ação e coisas do tipo. Estávamos sempre juntos. Era divertido. Ela era doce, carinhosa, inteligente. Era gostoso estar ao lado dela. A amizade de todos ali era inocente e sincera. Era o início da nossa vida adulta, e confesso que foi uma fase absolutamente maravilhosa da minha vida. Aprendi muito com todos que estavam ali.

O tempo e as obrigações acabaram por dissipar o tal grupo, mas volta e meia nos encontrávamos, quer seja porque marcávamos ou por obra do destino. Em 2005, por exemplo, encontrei com ela nas barcas que fazem a travessia Niterói X Rio. Nos sentamos e começamos a falar da vida. Ela me perguntou onde eu trabalhava e eu respondi. Quando eu perguntei onde ela trabalhava, ela me disse simplesmente que era no Tribunal de Justiça. Insisti no sentindo de saber exatamente o que ela fazia lá, e foi um parto para ela assumir que, com 30 anos, já era Juíza de Direito. Definitivamente, tinha a inteligência bem acima da média.

Essa era a Vivi. Uma pessoa simples, doce, honesta e carinhosa. É inacreditável que ela tenha ido embora da maneira que foi, tendo deixado 3 filhas para trás, que agora moram bem pertinho de mim sob a guarda da avó materna, exatamente onde a Vivi morava na época em que saíamos todos juntos.

Vou sentir saudades, Vivi! Se Deus quiser, um dia a gente se encontra. Fique bem. Você NUNCA será esquecida! NUNCA! NUNCA! NUNCA!

Abaixo, os posts que fiz no Facebook logo após eu receber a notícia. Não falar da morte covarde da Vivi seria uma covardia de minha parte. Fica a minha mais profunda indignação. A terceira imagem da esquerda para a direita é uma continuação do post que foi iniciado na segunda.

7 pensamentos sobre “Ex-marido mata a facadas a juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi

  1. Aí no Brasil, como aqui em Portugal (e em muitos lugares do mundo), a morte de mulheres por maridos, ex-maridos, namorados ou ex-namorados vai acontecendo. Em 2020….séc. XXI….
    O “amor” pode ser um completo absurdo!

    Curtido por 1 pessoa

Os comentários estão desativados.