Canalha

Acordei incomodado. Eu precisava fazer uma ligação.

– Oi! Eu estou na rua. Posso te ligar em seguida? – pelo barulho, ela parecia estar em algum lugar muito movimentado. Quase não conseguia ouvi-la.

– Eu estou ligando para dizer que aceito – disse eu rapidamente, na expectativa que ela não desligasse o telefone.

– Aceita o quê? Do que você está falando?

– Eu aceito passar a virada do ano com você, ué!

– Do que você está falando? Eu não te chamei para passar a virada do ano comigo! – a surpresa podia ser percebida em sua voz.

– Então, eu estou me convidando! Alô? Você está me ouvindo? – e a ligação caiu.

Caixa postal… Achei que tinha falado demais. Foi o que me deu vontade de fazer. Fiz sabendo que poderia ouvir um não. Paciência. Quem não arrisca, não petisca.

Cerca de 5 minutos depois, o telefone tocou. Eu atendi logo no primeiro toque. Finalmente eu conseguia ouvir a sua voz com clareza.

– Então, você está se convidando para passar o Réveillon comigo e ainda alega que eu o convidei? Estou falando com o mesmo cara que esteve na minha casa na sexta-feira, que disse que precisava viver um luto? – o tom da voz dela tinha notas de surpresa, raiva e sarcasmo. Pelo telefone, eu realmente não conseguia entender o que ela estava sentindo.

– Sim. Você me disse que iria na casa dos seus pais e depois iria para casa. Então, pensei que poderíamos passar a virada juntos. Talvez você tenha alguma festa para ir… Não sei… Mas, se não tiver nada para fazer, está feito o convite.

– E o tal luto? Não vai respeita-lo? – agora, eu tinha certeza. Era puro sarcasmo, deboche.

– Olha… Eu já estou de luto faz muito tempo. Entre idas e vindas, cheguei aos meus 49 anos sozinho. Não quero perder mais um segundo da minha vida sequer! Estou de saco cheio! – nem eu me reconheci ao telefone. Parecia um garoto empolgado com a possibilidade de fazer algo que nunca tinha feito antes. E, de alguma maneira, era exatamente isso que estava acontecendo. Eu estava ao menos tentando retomar as rédeas de minha vida.

– Eu estou com vontade de te xingar! – disse ela no meio de uma risada – Posso te ligar mais tarde? Eu realmente estou enrolada…

– Sim ou não? – perguntei afoito.

– Racionalmente, um não… Mas pela sua cara de pau, vou pensar o seu caso.

– Isso é um sim? – perguntei de maneira incisiva. Houve uma pausa.

– Canalha! – não me senti ofendido. O tom da voz dela demonstrava que ela estava gostando do que ouvia. Pelo menos era assim que eu estava entendendo a sua reação.

– Então, o que iremos fazer?

– Deixa eu pensar… Podemos nos falar amanhã para acertar os detalhes? Hoje, o dia está realmente complicado para mim.

– Tudo bem. Quando puder, me liga.

Desliguei o telefone sentindo algo diferente. Pela primeira vez em muito tempo eu tinha partido para o ataque. A vergonha de fazer a ligação não foi forte o suficiente para me impedir. Havia vontades, sentimentos, desejos e sonhos represados, reprimidos. A vida não podia ser tão complicada como parecia. A coragem venceu o medo. Eu realmente queria que 2021 seja um ano completamente diferente. Mais fácil, mais leve, mais feliz. Disso e somente disso eu tinha certeza: arriscar-me era preciso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.