Quiçá

Diante do céu e do mar,

Pés nas areias do tempo,

Olhos fixos no horizonte:

Nada a temer ou lamentar.

O que é meu, meu será,

Aqui ou em outro lugar,

E o sol há de iluminar

Tudo que jaz adiante.

Ouço a brisa me lembrar

Dos abraços ainda por dar,

Dos beijos ainda distantes,

Lembrando-me do que já fui

E de tudo que existia antes.

Há vinhos ainda por tomar,

Conversas para embalar,

Segredos para confessar,

Muros para derrubar,

Pontes para edificar.

Por ora, sem demora,

As preces de outrora

Se fazem vivas na memória,

E sinto que o ontem,

Amanhã… Quiçá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.