Porto seguro

Por que voas, borboleta,
Se ao final
Sei que repousarás
Em meu peito?

É porque meu voo, meu amado,
Aquece a tua alma
E este fogo
Incendeia o nosso leito.

Voa, borboleta…
Voa…
E ao final
Repousa em meu peito.

Aquieta-te, meu amado!
Não há pouso
Ou lugar seguro
Que não seja o nosso leito.

Vim trazer verdades 35

Há uma mensagem poderosa por detrás da forma como as pessoas lhe tratam. Quem ama ou nutre algum tipo de sentimento positivo por você lhe respeita, não mente, não é inconsequente em seus atos e não lhe machuca intencionalmente. Toda pessoa que se coloca em uma situação em que possa lhe perder não merece a sua confiança, a sua presença e muito menos a sua atenção. Quando perceber esse tipo de padrão de comportamento em alguém, aceite como uma libertação de Deus e afaste-se.

Que beijo!

Não me esqueci do nosso último beijo.
Não me esqueci dos nossos beijos.
Não me esqueci de você.

Procuro-o e não o acho
Em outras bocas que sentem
Que não sei o que estou fazendo ali.

Não era a mecânica:
Era a foda no beijo
Ou o beijo que virava foda
Não sei…
Acho que ninguém sabe.

Só sei que toda vez que penso em beijo –
Nos meus sonhos eu ainda te beijo –
Na minha boca só cabe você.

Porquês e poréns

Nada de azar
Nade de sorte

Colheita

Para uns
Beijos da vida
Para outros
Abraços da morte

A semeadura
Nunca abandona
Ou se esquece
De ninguém

E no tempo certo
Todo jardineiro
Que teve tempo
Mais do que suficiente
Para debulhar
Suas sementes
Receberá a sua paga
E vai chama-la de destino
Sem entender seus porquês
E menos ainda os seus poréns.

Entre elas

As pernas dela
Sempre cruzadas
Pura classe
Doce elegância
Que não respeito
Em pensamentos
Em momentos

Vejo me ali
Nas pernas
Entre elas
Percebido
Acolhido
Recebido
Molhado
Vivo

As palavras
Soam como fogo
As reticências
Me torturam
Já não sei
E por isso aceito
A falta do leito
Dos doces peitos
Das pernas
Dela
Só ela

Quem me dera
Fossem só as pernas
Quem me dera
Escutar entre elas
O que há de ser de nós
E ouvir a resposta
A mesa posta
O afinal

Lambuze-me.

Here Forever – Revolution Saints

Aquele momento em que a saudade está batendo forte em meu peito, e um amigo manda uma música incrível que diz tudo que você gostaria de dizer…

Te amo, meu irmão! Para sempre! Tenho certeza de que você olha por mim aí de cima.

There is no reason to watch you go
It’s just a dream you’re dreaming on
Where is that sparkle into your eyes
I just want you to hear

My silent cry when I’m alone
A distant storm you hear so far
I need to feel you from above
I don’t know where I do belong

You’ll stay here forever
And watch over me and my life
You’re gonna stay here on my side
Cradling me from above
I’ll hold you in my dreams
I’ll cry to the sun and the rain
You’re gonna hold my hand that trembles
I lost my gamble with God

The sand of time won’t let you fade
Your memories of joys and laughs
If you believe that every prayer
Can turn a stone into life

You’ll stay here forever
And watch over me and my life
You’re gonna stay here on my side
Cradling me from above
I’ll hold you in my dreams
I’ll cry to the sun and the rain
You’re gonna hold my hand that trembles
I lost my gamble with God

I need you close more than you know
More than I can say
Please don’t forget the love we shared

You’ll stay here forever
I’ll hold you in my dreams
I’ll cry to the sun and the rain
You’re gonna hold my hand that trembles
I lost my gamble with God

There is no reason to watch you go
It’s just a dream you’re dreaming on

Não há nada

No dia em que eu precisar
Dizer que te amo
Para amar-te
É porque não há mais nada

Meus atos, meus gestos
Minhas declarações e manifestos
Meus poemas e minhas falas
Meus fatos e tudo mais:
Tudo nada!

E assim
Dizer que te amo
Não servirá de nada
Posto que se tudo é nada
Não há mais nada
Para se dizer.

Estado de natureza ou mau caratismo?

Não. Nem todo mundo é capaz de roubar porque está com fome. Nem todo mundo é capaz de matar porque foi traído. Nem todo mundo é capaz de agredir ou ameçar porque se viu contrariado. Nem todo mundo é capaz de mentir para conseguir o que quer ou para esconder quem realmente é. Não. Definitivamente não.

Pelo contrário. Essas generalizações são típicas de quem não sabe (ou não aceita) o que é um contrato social (leia-se Hobbes, Locke e Rousseau) e que vive em eterno “estado de natureza”*, sob a justificativa de que supostos direitos e liberdades individuais devem se sobrepor à vida em sociedade e ao bem coletivo.

A sociedade evoluiu o suficiente ao ponto de definir valores e limites (moral e ética), criando um mediador para os conflitos: o estado. Portanto, o “estado de natureza” não é mais uma opção, e a frase homo homini lupus, no seu sentido amplo de “os fins justificam os meios”, é apenas uma falácia para justificar o mau caratismo e a falta de integridade.

E assim sendo, antes das pessoas sairem por aí justificando os seus comportamentos reprováveis, inaceitáveis e inadmissíveis sob a égide das circunstâncias, convém fazer uma revisão de suas bússolas morais e éticas. Nem todo mundo é capaz de tudo. E é justamente essa linha nada tênue que separa o bem do mal, e consequentemente, os bons dos maus. Qualquer tentativa de descaracterizar esse corolário é relativismo para uso em proveito próprio.

* O estado de natureza é uma abstração teórica. Um momento anterior ao surgimento de qualquer tipo de organização social e do Estado Civil.

Vim trazer verdades 34

Eu ficaria rico comprando certas pessoas pelo preço que elas de fato valem, e vendendo-as pelo preço que elas acham que valem. O mercado de pessoas sem noção, que passam vergonha no crédito, no débito, no boleto, no cheque pré, no PIX e até em Bitcoin, é extremamente lucrativo.

Vim trazer verdades 33

Não se engane e nem se cobre demais. O objetivo não é esquecer aquilo de ruim que aconteceu na sua vida. O objetivo é lembrar de uma maneira que não cause mais dor e focar no aprendizado que adveio dessa situação. Aceite o processo. Vai doer, mas vai passar.