Excel

– Então… O que você vai fazer hoje?

– Nada… Eu ainda estou no consultório – a voz dela demonstrava uma profunda irritação – Mas por quê?

– Eu ia te chamar para dar uma volta…

– Nem pensar! Tenho que terminar isso ainda hoje. Estou ficando irritada! Eu odeio o Excel!

– Acho que eu posso te ajudar com o Excel. Topa? – a pergunta dele foi sincera, extremamente sincera.

– E por que você faria isso? – ela perguntou risonha, mas ao mesmo tempo em tom desconfiado.

– Faz o seguinte… Fecha tudo aí e vai para casa. Eu peço alguma coisa para jantar e te ajudo com o Excel. Pode ser?

Apesar de ter concordado, na cabeça dela a oferta tinha sido minimamente estranha. Afinal de contas, não se conheciam há muito tempo. O único objetivo possível por detrás da oferta dela era uma noite de sexo e nada além disso. Decidiu pagar para ver. “Será que não fui clara quando disse que estava ocupada?”

Chegando em casa, ela tomou o seu banho, passou um perfume básico, e abriu seu notebook em cima da mesa. Uns 15 minutos depois, ele chegou.

Deu um abraço apertado nela e perguntou o que ela gostaria de comer. Decidiram pedir um hambúrguer artesanal com Coca Zero. Enquanto esperavam, ele se sentou ao lado dela e começou a perguntar da planilha.

– Então… O que você quer fazer?

– Eu quero fazer uns gráficos para um estudo que tenho que apresentar… Não estou conseguindo…

E começaram a trabalhar juntos na planilha. Ele parecia legitimamente interessado. Falou de recursos do Excel que ela nem conhecia e aos poucos os gráficos foram saindo.

Passados uns 40 minutos, o pedido do Uber Eats chegou. Ela começou a colocar a mesa e ele a interrompeu, dizendo que não era necessário e que eles tinham que comer rápido para terminar o trabalho.

– O que deu em você para vir aqui me ajudar? – ela perguntou casualmente antes de dar uma mordida no hambúrguer.

– Sei lá… Eu queria te ver – ela percebeu sinceridade nos olhos dele.

– Pensei que só fossemos nos ver nos bares da vida… – havia um certo tom de deboche na pergunta dela. Ela tinha a nítida sensação de que era apenas mais uma das aventuras dele.

– Que nada… Não dá para ir ao bar todos os dias e muito menos beber sempre – a voz dele era serena, segura, tranquila.

“Há algo acontecendo aqui e eu não estou me dando conta. O que ele quer, afinal?”, se perguntou.

Após o jantar, lá pelas tantas, terminaram a bendita planilha. Ele mostrou para ela que poderiam fazer algumas melhorias, mas ela disse que já estava bom o bastante, e que ele não precisava mais se preocupar.

– Bom… Você deve estar querendo ir dormir… É melhor eu ir embora… – ela já falou se levantando da cadeira.

– Senta! – a voz dela saiu firme, tal como uma ordem – Me explica o que está acontecendo!

– Nada… Eu só senti saudades… – os olhos dele olhavam fixamente para ela de maneira cândida.

– Você com saudades? Não estou acreditando… Quem é você, afinal? Pareceu tão confortável no bar…

– No bar é mais fácil, né? Sem compromisso, sem expectativas, sem promessas… – seus olhos miravam o chão.

A conexão com as palavras dele foi imediata. “Eu sei bem como é isso…”, pensou. Então, se levantou e foi para a cozinha. Fez um chá para os dois. Ela ligou a TV e pediu para ele ficar mais um pouco. Ele aceitou. Ela dormiu no seu ombro. Ele não queria acorda-la e permaneceu imóvel enquanto assistia uma reprise do último GP de F1.

De repente, meio que assustada, ela acordou.

– Você ainda está aqui? – perguntou incrédula.

– Sim… Eu não queria te acordar… Agora eu vou indo…

– Não! – novamente, a voz dela saiu firme, tal como uma ordem – Já está tarde… Dorme aqui… Amanhã você vai.

Ele balançou a cabeça e pediu para tomar um banho. Quando saiu, ela já estava dormindo. Se ajeitou ao lado dela como pode e dormiu profundamente.

Acordaram às 06h00 e tomaram um café da manhã rápido. Na saída, enquanto se despediam, ela perguntou:

– Nos vemos mais tarde?

Ele ficou surpreso. Meio sem graça, apenas sorriu e anuiu com a cabeça ao convite. Ela o segurou pela camisa, deu um beijo rápido na sua boca e disse:

– Eu quero conhecer mais deste cara que você esconde aí dentro. Vai me mostrar quem você realmente é?

– Eu topo! – disse ele sorrindo e de maneira bem mais relaxada. Era como se ela tivesse retirado um peso imenso de seus ombros.

E foram em direções opostas da cidade. Apesar de seus receios, ele sentia que havia chegado a hora de se abrir para o mundo novamente. Precisava tentar. Ela, por sua vez, ficou curiosa ao extremo por conta da dualidade que ele havia demostrado. “Quem seria ele, afinal?”

Passaram o dia pensando um no outro e torcendo para que a noite chegasse logo. Ainda havia muito para se descobrir, muito para se conversar. A vida precisava continuar.

2 pensamentos sobre “Excel

  1. Gostei muito. Por ser up to date e, além disso, descortinar as ambiguidades, ambivalências, diversidades dos seres humanos. Ainda que aquilo tudo só viesse a se tornar solidariedade, companheirismo, companhia… Nem tudo ”vira” amor sensual e sexual na vida. Gostei, principalmente do final aberto, Fábio.

    Curtido por 2 pessoas

    • Fico feliz com as suas palavras. Acho que esse texto reflete a leveza que eu quero para a minha vida. Que aconteça o que tiver que acontecer. É literalmente um final aberto. O importante é que agir sempre com transparência e integridade, pois o combinado (ou mesmo o que for sendo descoberto) nunca é caro. Um beijo grande para você! 🌹🌹🌹

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.