Pinga fogo

Na poesia que ora escrevo,
Há o peso de teus fluidos
Nas pontas dos meus dedos.

Descrevo-te,
Escrevo-te
Em palavras,
Que pingam
De mim.

Pinga fogo!
Pinga!

Inundo-te!

Fecundo-te!

És a fêmea…
E que fêmea!

O que de nós
Há de vir?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.