Black Velvet – Allanah Myles – Sara Loera

Sabe quando você ouve uma interpretação de uma música e seu queixo cai? Pois é… É o caso tanto com a intérprete original (Allanah Myles) e com a Sara Loera que descobri recentemente. Os meus ouvidos preferem a Sara, até porque ela canta com o corpo também. Enfim…

Black Velvet foi feita em homenagem ao Rei do Rock e do R&B: Elvis Presley (minha opinião). A letra representa bem quem era o Elvis: único e inesquecível. Um eterno menino que se foi de maneira trágica e prematura.

Sem mais delongas, as duas versões. Divirtam-se. Letra logo após os vídeos.

Mississippi in the middle of a dry spell
Jimmy Rodgers on the Victrola up high
Mama’s dancin’ with baby on her shoulder
The sun is settin’ like molasses in the sky
The boy could sing, knew how to move ev’rything
Always wanting more, he’d leave you longing for

Black velvet and that little boy smile
Black velvet with that slow southern style
A new religion that’ll bring you to your knees
Black velvet if you please

Up in Memphis the music’s like a heat wave
White Lightnin’ bound to drive you wild
Mama’s baby’s in the heart of ev’ry school girl
“Love Me Tender” leaves ‘em cryin’ in the aisle
The way he moved, it was a sin, so sweet and true
Always wanting more, he’d leave you longing for

Black velvet and that little boy smile
Black velvet and that slow southern style
A new religion that’ll bring you to your knees
Black velvet if you please

Ev’ry word of ev’ry song that he sang was for you
In a flash he was gone, it happened so soon
What could you do?

Black velvet and that little boy smile
Black velvet in that slow southern style
A new religion that’ll bring you to your knees
Black velvet if you please

If you please

Flashbacks

O tempo quente de mais uma tarde escaldante em Niterói tornava quase impossível uma caminhada no fim de tarde. O suor ardia os olhos. As lentes dos óculos embaçavam. A respiração ofegante do passo acelerado era sufocada por uma máscara. E para piorar, as pessoas não conseguiam andar em linha reta, pois as bicicletas, cachorros e corredores estavam sempre na iminência de causar um acidente. Caos no calçadão da Praia de Icaraí. Puro caos.

Eu a vi de longe conversando com um homem alto, queimado de praia. Resolvi frear meu passo. Eu não sabia quem era e não queria ser invasivo.

– Vem cá, Fabio! Deixa eu te apresentar… Esse é o Guilherme. Guilherme, esse é o Fabio.

Pensei em estender as mãos para um cumprimento, mas isso não seria aceitável em tempos de pandemia. Com a máscara no rosto, sequer conseguia sorrir para dizer algo do tipo “prazer em te conhecer”. Tive que apelar para o “Fala, Guilherme! Beleza?” Ele respondeu de maneira educada e alegre, me convidando para jogar uma partida de tênis de praia. Eu falei que já tinha jogado tênis tradicional e disse que minha filha já tinha pensado em fazer aulas na praia, mas declinei educadamente o convite. “Quem sabe outro dia?”, ele disse. Para minha surpresa, ele chamou um professor (sim, há aulas de tênis de praia na Praia Icaraí) que me entregou um cartão oferecendo suas aulas. Quando ficou sabendo do interesse da minha filha, disse até que ela poderia fazer aulas de cortesia por conta de eu ser “amigo do Guilherme”. Não entendi nada, mas agradeci pela gentileza. Coisa difícil nos tempos de hoje.

Era visível que ela tinha bastante intimidade com o Guilherme. Isso não me incomodava de forma alguma, mas percebi que eles estavam falando sobre um assunto sério. Preferi prestar atenção em um jogo de tênis de praia que estava em andamento. Não tinha nenhum bobo jogando. O nível era bem alto por sinal. Era visível que jogavam com frequência.

Após alguns instantes, ela se despediu do Guilherme e eu acenei. Mais uma vez, ele me convidou para aparecer lá outro dia e apontou para a minha pele: “Você está precisando de Vitamina D!” Soltei uma risada e fomos caminhando. Ele tinha razão. Eu estava precisando de uma cor.

– Gente boa esse cara… Quem é o seu amigo? – perguntei de maneira inocente.

– É meu ex-marido. E sim, ele é muito gente boa.

Fiquei em silêncio. Passou um flashback pela minha cabeça sobre o meu divórcio. Ela não se deu conta, mas eu a invejei por alguns instantes. No fundo, queria que meu casamento tivesse terminado assim, mas sei que não há regras quando o assunto é uma separação. Há pessoas mais maduras, outras menos maduras e… FODA-SE. Eu estava feliz do jeito que eu estava e isso bastava para mim.

– Qual a altura dele?

– 1,92 ou 1,93. Algo assim.

– E agora você dá para um cara com a mesma altura que você? – perguntei sem fazer ideia de qual seria a resposta dela.

– Mesma altura coisa nenhuma! Tecnicamente, eu sou 2 cm mais alta que você. Se eu colocar um salto então… E sim, eu dou para você. Dou com vontade. E altura não é tudo, bobinho, até porque não te chamo para trocar as lâmpadas da minha casa…

Creio que não preciso mencionar o quanto me senti poderoso após ouvi-la. “Eu realmente devo ter os meus paranauês”, pensei.

Chegamos até o prédio dela. O porteiro já sabia o meu nome. Entregou uma encomenda que a aguardava e abriu a porta do elevador. Ela pediu para eu apertar o botão do andar, pois estava com as mãos ocupadas carregando a tal encomenda. Meti as mãos entre as suas pernas e perguntei: “Esse?” Ela deu uma risada e apontou com o rosto para uma câmera dentro do elevador. Eu acenei para a câmera. Pura palhaçada! Rimos juntos. O sorriso dela era aberto, franco, e eu obviamente me ofereci para carregar a encomenda. Cavalheirismo sempre.

– Quer água de coco? – ela me perguntou já se servindo.

– Quero uma cerveja. Tem?

Ela me ofereceu uma Heineken e eu comecei a falar sobre o poder da cerveja na recuperação pós treino, e que os jogadores do Bayern de Munique eram obrigados a beber todos os dias. Pequenas quantidades, claro.

– Deixa eu ver se eu entendi… Você anda, anda, anda e depois toma cerveja para sua plena recuperação pós treino? Você é muito cara de pau!

– Mas é científico! – eu exclamei em minha defesa, fingindo estar indignado.

– E quem disse que seu treino acabou? Pro banho! Agora!

Matei a cerveja em um gole só. Fomos para o banheiro. E lá ficamos por um bom tempo… Realmente, o meu treino não tinha acabado. No final, eu estava exausto. Ela me olhava e ria… “Agora sim, pode tomar quantas cervejas você quiser, cara de pau! Até eu vou beber! Estou precisando me recuperar!”

E lá fomos para a sala. Lynyrd Skynyrd no Spotify. Quem é de Niterói sabe que é quase obrigatório ouvir as músicas da banda. Ela resolveu me acompanhar na cerveja. Cerveja com a tal encomenda que tinham deixado para ela na portaria: uma espécie de cesta de frios que iam do presunto de parma ao queijo brie, passando por torradas, geleias e um mix de nuts. Tive outro flashback. Esse mais prazeroso, que me roubou um sorriso interno. Lembranças, memórias e histórias. Havia um dantesco acervo delas dentro de mim e novas eram criadas a todo instante. Eu estava vivo, mais vivo do que nunca.

Conversa vai, conversa vem, e tive que tocar novamente no assunto.

– Dadas as devidas vênias, a doutora deveria saber que a cerveja é mencionada até mesmo no Código de Hamurabi…

– Devo ter faltado a essa aula. Provavelmente, estava tomando cerveja com o pessoal da faculdade – e começou a rir sem parar. Ela estava começando a ficar alta e eu apenas no início de minha “recuperação pós treino”.

No total, foram umas 15 latinhas de cerveja. Ela desabou no sofá com a cabeça no meu colo e o cafuné a fez dormir. Nem parecia aquela mulher brava que se mostrava nos tribunais da vida. Ela era única e ao mesmo tempo como outra qualquer, querendo ser tratada como uma mulher de verdade. Apenas isso. E sim, eu sabia que a minha cara de pau ajudava muito nesse processo. Não era algo pensando ou raciocinado, que fique claro. É o meu mais puro instinto.

Depois de um certo tempo, me levantei para ir embora. Ela nem se mexeu. Já estava me preparando para ir em silêncio, quando ela disse:

– Vai embora sem se despedir?

Fui no quarto e peguei um travesseiro e uma coberta para ela. O ar condicionado estava implacável. Depois de um beijo, disse bem baixinho no ouvido dela:

– Se me arrumar uma escada, eu troco até as lâmpadas, tá?

Ela me deu um beijo sôfrego seguido de uma risada silenciosa, mas que dizia tudo. Tudo. Dessa vez, não esperou nem eu chegar em casa. Simplesmente dormiu e eu simplesmente dormi também. O treino foi realmente exaustivo.

Iluminados

Tudo era feito de luz
E nossos caminhos tão iluminados
Que de olhos fechados conseguíamos ver

Não eram as luzes da cidade
Eram as luzes da felicidade
E todos os outros conseguiam perceber

Nos viram
Nos vimos
Fomos marcados
Iluminados:
Só nos basta ser.

A música que eu não consigo ouvir até o final

Sim, faz 15 anos. Eu estava no meio de uma aula quando fui informado que meu pai havia falecido. Eu ajoelhei pela primeira vez na minha vida não por clemência a Deus, mas por pura e completa falta de força. Acho que meu coração parou naquele dia, ainda que por um mísero segundo.

Meu pai era tão importante (para mim) que foi sepultado em um feriado. Ainda me lembro de estar no meio do parque em Pelotas, na semana da Farroupilha, quando um garçom veio me perguntar se eu era dali, se estava me divertindo. E eu disse: “Vim sepultar o meu pai.” O garçom chorou, eu chorei, quem ouviu chorou. Era triste. É triste. Era um adeus terreno.

Associei a morte de meu pai a uma música, composta por um baterista (Mike Portnoy) por conta da morte de seu pai. Eu não consigo ouvi-la até o final. Só trechos e mesmo assim me emociono.

Não choro pelo luto. Choro pela saudade mesmo. Um dia a gente se encontra, meu velho! Certeza!

Dona Maria, a iludida

Vamos supor que um produto custe USD 1 (1 dólar americano) no mercado internacional. É uma commodity qualquer. O produtor dessa commodity olha para o mercado interno, ou seja, para o Brasil, e percebe que pode vender o produto por R$3,00. Tudo bem. Afinal de contas, 1 dólar está valendo R$3,00. Para o produtor, é absolutamente indiferente vender no Brasil ou para o exterior.

Entretanto, por algum motivo, o dólar sobe para R$5,00. A cotação internacional do produto, entretanto, permanece a mesma: 1 dólar. E o produtor pensa: “Poxa, se eu vender o meu produto no mercado externo, vou ganhar R$5,00 ao invés de R$3,00. Vale muito mais a pena, até porque as peças de reposição para a máquina que fabrica esse produto também ficaram mais caras, pois elas são importadas. Vou exportar minha produção.”

Enquanto isso, o dono de um mercado qualquer no Brasil precisa fazer um pedido do tal produto. Liga para o produtor e pergunta o preço. O produtor diz que agora o preço é R$5,00, pois ele vai exportar toda a produção. O dono do mercado fica indignado, mas fica sem saída: precisa pagar R$5,00 no produto ou não ter o produto em seu mercado. Ele até liga para outro produtor para verificar se é um caso isolado, mas não: todos os produtores subiram seus preços.

Dona Maria, que sempre acompanhou os preços dos produtos (adora ir ao mercado), fica horrorizada quando se depara com a subida do preço do produto no mercado. Como ela não entende nada de Economia (e não tem obrigação de entender), ela lembra de uma mensagem que recebeu de uma tia do WhatsApp tia dizendo que “os donos de mercados precisam ser mais patriotas”. Ela faz um escândalo no mercado. Diz que é um absurdo. Chama o dono do mercado de ladrão. Diz que nunca mais vai por os pés naquela espelunca e vai embora animada, certa de ter cumprido o seu dever cívico. Lembrou até dos tempos em que fazia o mesmo enquanto “Fiscal do Sarney”, mas preferiu ignorar a lembrança. “Outros tempos… Nada a ver…”, pensou.

Vai em outro mercado em seguida. Ela quer comprar barato. Ela não é otária. E no outro mercado, para sua surpresa, o preço também subiu. Ela chega a conclusão que todos os donos de mercado são todos ladrões. Sem saída, compra o produto pelo preço novo. É um produto essencial.

Furiosa, ela não não se contém. Conta para as amigas que a culpa é dos que disseram que era para deixar a economia para depois. Ela mesma ficou em casa se borrando de medo da doença, pois perdeu um primo para a COVID-19 (ela chora todos os dias quando lembra do quão jovem ele era – maldita doença!). Mas isso não interessa! Ela conversa com um dos sobrinhos que diz que o mal do Brasil são os comunistas e o vírus chinês. O irmão diz que é tudo culpa dos governadores e prefeitos. Falam mal do Mandetta, do Drauzio Varella, da China… Mais uma vez xingam os donos dos mercados. Vendidos! Comunistas! Aproveitadores!

E enquanto isso, na China, que pagou 1 dólar pelo produto, está tudo bem. O produtor brasileiro está feliz porque recebeu mais pelo seu produto. Dona Maria não consegue comprar mais a mesma quantidade do produtos que conseguia antes. A aposentadoria dela não foi reajustada. Só os preços dos produtos que subiram. “Esses donos de mercado são todos uns vagabundos! Eles me pagam!”

Análise: a priori vs a posteriori

O mundo seria melhor se as pessoas soubessem que a análise a priori e a posteriori são dois bichos completamente diferentes.

Exemplo prático

Análise a priori
Jogador de futebol, ao bater um escanteio, decide que o melhor é cruzar a bola no primeiro pau.

Analise a posteriori
O mesmo jogador, revendo o replay várias vezes por diversas câmeras, se dá conta que melhor teria sido cruzar a bola no segundo pau, pois havia um jogador completamente desmarcado.

A análise a posteriori vai mostrar erros, acertos e consequências de uma determinada decisão após a passagem do tempo. Tende a ser precisa, cirúrgica. A análise a priori para a tomada de decisões, ao contrário, toma como base as melhores informações disponíveis até momento que antecede a decisão. Dada a sua natureza, é por definição incerta e com consequências imprevisíveis, tanto no sentido positivo como no negativo. É uma espécie de aposta.

Para simplificar ao extremo: a diferença entre as duas é o tempo. Usando o exemplo, o jogador não vai poder voltar no tempo, mas é bem possivel que tire dessa análise importante lição para o futuro.

Right Next Door (Because Of Me) – Robert Cray

Quer ouvir uma Fender Stratocaster cantar limpo, ainda por cima através de um amplificador Fender? Não consigo me lembrar de exemplo melhor. Som único, inconfundível.

Robert Cray é um monstro sagrado do Blues. Essa música é de 1986, e eu me lembro como se fosse hoje do LP que ouvi na casa de um amigo que tocava guitarra comigo (sim, naquela época as pessoas se juntavam para ouvir música com os amigos). Inesquecível. Como disse Eric Clapton sobre o Robert Cray: “He’s got the whole package”.

Divirtam-se. 🙂

Clichê

– Ah! Deixa disso… Ainda nem chegamos na metade…

– Você é doido, menino! Já fomos e voltamos esse calçadão duas vezes!

Ser chamado de menino na minha idade é um privilégio. E sim, eu sou viciado em andar. Há dias em que ando 20 Km. Fone de ouvido, músicas escolhidas a dedo no Spotify (do clássico ao metal), e caminhadas que parecem não ter fim. O visual da praia, o sol, o suor, a brisa do mar e até mesmo o cansaço me ajudam a pensar sobre a vida, refletir sobre o passado, encontrar a melhor maneira de viver o presente e planejar o futuro. É sem dúvida alguma um dos maiores prazeres cotidianos.

Deixamos o calçadão e fomos até a casa dela. Antes de subir, pedi ao porteiro a mochila que eu tinha deixado na portaria. “Vim preparado” – afirmei cinicamente. “Cara de pau” – foi a resposta que ela me deu enquanto encarava o porteiro, que fingia que não estava entendendo nada. Confesso que, no fundo eu me sentia orgulhoso de ser chamado de cara de pau. Nas circunstâncias, parecia que a minha cara de pau era realmente muito bem vinda. Era a faísca, talvez a pimenta, que só incendiava ainda mais os nossos encontros despretensiosos e nem por isso menos sôfregos.

Mas ela também tinha as suas armas. Nas audiências, comparecia sempre impecavelmente vestida. Unhas bem feitas com tonalidade discreta, óculos daqueles que parecem não ter armação, maquiagem na medida certa e com o cabelo preso em uma espécie de coque complexo. Cheguei a perguntar o porquê do cabelo preso nas audiências e ela me respondeu de uma maneira que nunca esqueci. Tirou os óculos, soltou o cabelo, olhou no fundo dos meus olhos e disse: “Nos tribunais da vida, aprendi que ser discreta é algo bem vantajoso. No mundo machista em que vivemos, antes de ser mulher, preciso ser uma advogada.” Não a culpo. Ela realmente é daquelas que passa e faz pescoços virarem, ainda mais com os cabelos soltos.

Ela foi tomar banho e eu fui para a varanda ver a rua. Com um copo d’água nas mãos, fiquei admirando o vai e vem das pessoas e dos carros até que, mais uma vez, ela me deu um susto. Era a sua especialidade.

– Vai tomar banho, vai… Há coisas melhores para você ver aqui dentro de casa…

Saí correndo para o chuveiro. Tomei um banho caprichado. Eu sabia o que me esperava. Uma mulher linda e cheirosa, enrolada em uma toalha, me apressando para tomar banho? Certeza não era para vermos uma filme.

– Gosta de morangos?

Foi a pergunta que ouvi ao sair do banho. Eu disse que sim balançando a cabeça, atônito diante do que eu estava presenciando. Ela estava nua, sentada na beirada da cama, comendo morangos. As frutas passeavam pelo seu corpo e terminavam na sua boca. A minha garganta ficou seca. Eu fiquei paralisado e resolvi observar a cena por mais alguns instantes, enquanto as frutas eram literalmente vítimas de abuso: mordidas, lambidas, beijos, chupadas, e passadas com uma sensualidade absurda pelo seu corpo e por entre suas pernas escancaradas. Ela estava toda melada e eu tinha certeza de que os morangos não eram os únicos responsáveis por aquela situação, sobretudo por conta dos seus gemidos e da sua pele completamente arrepiada. O corpo dela brilhava refletindo a meia luz do abajur.

– Vai ficar só vendo?

Eu não respondi. Ela estava gostando do que estava fazendo. Ela estava se exibindo. Sim, era um show privê. Meu. Só meu. Todo meu.

– Agora, você vai ter que vir até aqui… Acabei de perder um morango…

Suas mãos entre as suas cochas indicavam com clareza por onde eu deveria começar a busca. Tive que intervir. Fui obrigado.

Acho que nunca comi tantos morangos na minha vida. Os lençóis manchados, tudo revirado… Havia morangos no meu cabelo, no dela também… Enfim, outro banho se fez necessário. Água morna, novos gostos, novos cheiros… Começamos tudo de novo. Ela era imparável e isso me tornava impossível.

O espumante rosé que eu levei (eu disse que tinha ido preparado) fez aqueles momentos para lá de especiais parecerem clichê. Eu não me importava. Ela também não. Lembramos do filme “Nove e Meia Semanas de Amor”, com a Kim Basinger e o Mickey Rourke, e caímos na gargalhada. Não era muito difícil rir ao lado dela.

Ainda assim, fiquei com fome. Os morangos não foram suficientes. Pensamos em pedir algo, mas acabei lembrando que as vans que vendem lanches haviam voltado a funcionar naquela semana depois da liberação da Prefeitura. Ficaram 5 meses impedidas de trabalhar. Eu entendia os motivos da proibição, mas nem por isso deixava de ser algo trágico.

– Bora comer um cachorro quente podrão? – sugeri, eufórico.

E lá fomos nós. Salsicha, milho, ervilha, uva passa, azeitona verde, ovo de codorna, maionese, mostarda, ketchup, batata palha e queijo ralado. Cada cachorro quente era literalmente uma bomba calórica absurdamente gostosa! Quando terminamos, demos uma volta no quarteirão para fazer a digestão e voltamos para a casa dela.

– Amanhã eu acordo cedo. Você fica? – disse ela com os olhos pregados, visivelmente cansada.

– Já passamos dessa fase, né? Sei que você quer dormir… Vou para casa terminar de ver uma série no Netflix. Se eu aguentar, claro… Você acabou comigo – ao ouvir isso, a sua fisionomia mudou: debochada, sorridente e vitoriosa, e assim disse tudo que precisava ser dito.

Ela me deu um beijo e esperou eu entrar no elevador. Aguardou eu chegar em casa e mandar uma mensagem dizendo que tinha chegado bem. Dormiu logo em seguida. E eu fui escrever… Melhor assim para não deixar de registrar nenhum detalhe.