Fica

Não lembro do último toque,
Nem das últimas palavras,
E nem mesmo das datas.
Só lembro das semanas acinzentadas
Que surgiram
E do coração em carne viva
Querendo sair pela boca.

Eu pensei muito no que dizer,
No que confessar
E no que esconder.
Eu pensei muito
E não cheguei à conclusão alguma.

Emudeci.

E hoje mesmo pensei no que diria
Se te visse pela rua,
Se nossos olhares se cruzassem
E nossas almas se flagrassem nuas,
E uma única palavra eu pudesse dizer:

Fica.

E essa palavra diria por mim
Absolutamente tudo.

Rear view of lonely man looking with hope at horizon with sunlight during sunset with effect of light at the end of tunnel

Vacinado, seu babaca!

Estou vacinado. Não tem foto. Tem é vacina no braço. Tem é um ser humano que se virar jacaré, vai comer o cu de quem já deveria/poderia ter se vacinado e ainda não se vacinou porque é um completo babaca.

Não, não tem essa de não acreditar na vacina. A vacina sempre foi a única saída. Sempre. Foda-se a marca, o nome. E está aqui, no meu braço. Está aqui não só por mim, mas para todos nós.

Entendeu isso, babaca? Eu tomei a vacina e saí do posto de saúde sabendo que contribuí não apenas para a minha saúde e da minha família, mas também para a sua, babaca. Eu me preocupo com você e você não se preocupa comigo. Eis a nossa diferença.

A máscara continua. O álcool em gel continua. O distanciamento social continua. Só mudou uma única coisa: hoje, eu posso chamar com mais força ainda todos os babacas negacionistas desse mundo de babacas.

Não tem esse de “economia a gente deixa para depois”. Sem saúde, babaca, não tem economia. Não tem nada. Caiu no conto do Bolsonaro, né? É típico de um babaca cair no conto de outro babaca.

Quer se redimir? Abandone a sua seita e passe a se comportar como um ser humano digno. Pare de acreditar em cloroquina e ozônio no cu. Saia da bolha. Venha para o lado do bem.

Fique com Deus, babaca! Ainda há tempo. Apenas deixe de ser babaca!

VIVA A CIÊNCIA! VIVA A VIDA!

Todo final é triste

Os copos e os pratos ficaram sobre a mesa, porque voltaríamos para terminar o jantar. Nunca mais voltamos.

A comida, agora fria e fedorenta, terá como destino o lixo. Um desperdício diante da fome do mundo, da nossa fome em particular.

Os finais são sempre tristes. Final feliz talvez seja só a morte, porque este acaba de uma vez com toda e qualquer possibilidade de se conviver com outros finais tristes.

Mas ainda assim a morte é um final triste, porque mesmo a vida mais triste de todas, está permeada de momentos que são felizes. Incríveis. Inesquecíveis.

E talvez o amor seja justamente o espaço entre um final triste e outro. O lugar onde a comida ainda está quente e o vinho ainda não virou vinagre. Tudo no ponto e na temperatura certa. Mesa posta e exposta.

E hoje, quando lembro do nosso final triste, lembro dos momentos de amor que foram felizes. Não foram poucos. Eles eram e existem, e insistem em fazer graça, em me fazer sorrir, ainda que seja um sorriso triste.

E vou seguindo em frente, sendo feliz aqui e ali, torcendo para nunca mais ter que viver um final triste, muito embora eu saiba que essa é uma possibilidade que não existe.

Quando o amor vacila – por Antonio Bivar

Eu sei que atrás deste universo de aparências,
Das diferenças todas,
A esperança é preservada.

Nas xícaras sujas de ontem
O café de cada manhã é servido.
Mas existe uma palavra que não suporto ouvir,
E dela não me conformo.

Eu acredito em tudo,
Mas eu quero você agora.

Eu te amo pelas tuas faltas,
Pelo teu corpo marcado,
Pelas tuas cicatrizes,
Pelas tuas loucuras todas, minha vida.

Eu amo as tuas mãos,
Mesmo que por causa delas
Eu não saiba o que fazer das minhas.

Amo teu jogo triste.

As tuas roupas sujas
é aqui em casa que eu lavo.

Eu amo a tua alegria.

Mesmo fora de si,
Eu te amo pela tua essência.
Até pelo que você poderia ter sido,
Se a maré das circunstâncias
Não tivesse te banhado
Nas águas do equívoco.

Eu te amo nas horas infernais
E na vida sem tempo, quando,
Sozinha, bordo mais uma toalha
De fim de semana.

Eu te amo pelas crianças e futuras rugas.

Eu te amo pelas tuas ilusões perdidas
E pelos teus sonhos inúteis.

Amo teu sistema de vida e morte.

Eu te amo pelo que se repete
E que nunca é igual.

Eu te amo pelas tuas entradas,
Saídas e bandeiras.

Eu te amo desde os teus pés
Até o que te escapa.

Eu te amo de alma para alma.
E mais que as palavras,
Ainda que seja através delas
Que eu me defenda,
Quando digo que te amo
Mais que o silêncio dos momentos difíceis,
Quando o próprio amor
Vacila.

Antonio Bivar
Extraído do Programa de Espetáculo do Drama – Luz da Noite – 1973

No tempo certo

Eu cheguei tarde demais até você, porque a vida estava me forjando, me moldando, aparando minhas arestas, tirando faíscas de mim. Demorou um tempo, mas tinha que ser assim. Eu não estava pronto. Agora, sinto que estou.

Eu cheguei tarde demais até você, porque eu tive que aprender como é viver em um mundo de promessas que nunca são cumpridas. Eu estava aprendendo como não se deve fazer e como se sente quem vê morrer as suas expectativas com mentiras à queima-roupa. Precisava aprender para jamais repetir isso.

Eu cheguei tarde demais até você, porque eu tive que entender que a beleza que vem de dentro é muito mais importante do que a de fora. Que o tempo que castiga o corpo é o mesmo tempo que matura e floresce a alma. Que a inteligência e a fluência verbal são qualidades inebriantes. Que a integridade e a leveza da essência são afrodisíacas. Eu precisava ter isso muito claro, transparente dentro de mim. E assim foi.

Eu cheguei tarde demais até você, porque eu estava aprendendo que sexo sem amor e sem intimidade não faz sentido, e que preliminares são as conversas do dia a dia, o companheirismo, o afago, a cumplicidade, o carinho, a presençae que o resultado disso tudo é o tesão, é o sexo. Hoje, eu sei e sinto que precisa ser assim.

Eu cheguei tarde demais até você, porque eu precisava entender que lealdade é condição sine qua non para um relacionamento dar certo. Que a traição, ainda que não descoberta, é o fim de um relacionamento, e que ama de verdade é absolutamente incapaz de trair.

Eu cheguei tarde demais até você, porque eu precisava viver cheio de dinheiro no bolso, perder quase tudo e reconstruir minha vida do zero, para então dar valor ao que de fato importa. Eu precisei perder o que não tinha valor algum para dar valor ao que realmente tem. Sim, estou falando do amor. Dinheiro é meio e não fim.

Eu cheguei tarde demais até você, porque eu precisava entender o que é o amor. O que é amar e ser amado. O quão sublime e verdadeiro é amar por atos muito mais do que por palavras. O que é amar pelo prazer de amar, e amar na certeza de que o amor pode e deve ser infinito na medida em que permaneça recíproco, alimentado por ambos dia após dia.

Eu cheguei tarde demais até você e tudo que eu tenho para oferecer são promessas repetidas, bordões e clichês, que já foram ditos por outros antes de mim.

Eu cheguei tarde demais até você, mas eu cheguei. Perceba minha chegada com todos os seus sentidos. Me sinta! Eu demorei, porque apesar de eu esfar me preparando para você, de alguma forma, você também estava se preparando para mim.

Eu não cheguei tarde e nem você. Tenha certeza disso.

Dia dos Namorados – 2021

Essa semana, conversei com uma amiga sobre o relacionamento dela com o namorado. Ele está apaixonadíssima, mas cheia de medos, que se traduzem em milhares de “e se…”.

Vejam que curioso. Uma mulher lindíssima (por dentro e por fora), namorando um cara que visivelmente gosta dela, e ela cheia de receios por conta do que aconteceu em relacionamentos anteriores.

Sim, a referência dela é o que aconteceu com ela em outros relacionamentos. Por isso, vive cheia de dúvidas, muito embora esteja vivendo o melhor momento da sua vida amorosa.

O meu conselho foi simples: ou pisa no freio de uma vez, ou pisa no acelerador até o fundo. Não acredito que um relacionamento possa dar certo em marcha lenta. Não mesmo. Ela entendeu o que eu disse e me parece que vai pisar no acelerador. Eu fiquei feliz com isso. Ela merece. Aliás, todo mundo merece um grande amor, daqueles imensos e inesquecíveis!

Então, no dia de hoje, quero convidar aos que se amam para pisarem no acelerador com vontade! Pode não dar certo? É claro que pode. Mas e se der certo? E se for para dar certo? Vale o risco. Podem estar certos disso. O amor agradece.

Feliz Dia dos Namorados para todos, inclusive os solteiros. Sim… Inclusive para os solteiros. Pise no acelerador da sua solteirice. Numa dessas, quem sabe? 🙂

Liberdade

Liberdade não é dançar como se ninguém estivesse vendo
Mas dançar, do seu jeito, da sua maneira, com todo mundo assistindo

Liberdade não é dinheiro no bolso, restaurantes caros
Mas o direito de optar pelo churrasquinho na esquina rodeado de amigos fiéis, verdadeiros

Liberdade não é viajar quando quiser para Paris, Londres
Mas viver todos os momentos da vida cotidiana como se fossem uma viagem

Liberdade não é ter um carro caro
Mas poder ir para onde quiser, ainda que seja a pé

Liberdade não é fazer planos
Mas viver em toda a sua plenitude tudo que foi planejado

Liberdade não é esperar o momento certo para realizar o sonho
Mas se atirar de cabeça na certeza de que tudo é possivel

Liberdade não é ter a certeza de que tudo vai dar certo
Mas a capacidade de rir e aprender se algo der errado

Liberdade não é ter controle sobre tudo
Mas saber que só se pode controlar a si mesmo

Liberdade não é sobre ser aceito
Mas sobre se aceitar e ter orgulho do que se é

Liberdade não é poder “deixar para amanhã”
Mas viver o hoje como se fosse o último dia

Liberdade não é se livrar apenas de grilhões físicos
Mas sim de toda e qualquer âncora ou amarra mental

Liberdade não é poder falar o que se quer
Mas viver e sentir tudo que se pensa

Liberdade não é não ter medos ou receios
Mas a força que faz com que se vá adiante mesmo que pareça dificil

Liberdade não é ser solteiro ou casado
Mas é sobre dar voz e viver o que vem do coração

Liberdade não é ter a chave de casa
Mas é entregar a chave do seu coração na mão de alguém

E por fim, liberdade não é a percepção dos outros sobre a sua vida
Mas a capacidade de viver sua vida sem se importar com a percepção dos outros

Todos os dias
Eu escolho ser livre
Porque a liberdade não é algo que me deram
Mas sim o que eu me dei quando decidi ser feliz.