Flashbacks

O tempo quente de mais uma tarde escaldante em Niterói tornava quase impossível uma caminhada no fim de tarde. O suor ardia os olhos. As lentes dos óculos embaçavam. A respiração ofegante do passo acelerado era sufocada por uma máscara. E para piorar, as pessoas não conseguiam andar em linha reta, pois as bicicletas, cachorros e corredores estavam sempre na iminência de causar um acidente. Caos no calçadão da Praia de Icaraí. Puro caos.

Eu a vi de longe conversando com um homem alto, queimado de praia. Resolvi frear meu passo. Eu não sabia quem era e não queria ser invasivo.

– Vem cá, Fabio! Deixa eu te apresentar… Esse é o Guilherme. Guilherme, esse é o Fabio.

Pensei em estender as mãos para um cumprimento, mas isso não seria aceitável em tempos de pandemia. Com a máscara no rosto, sequer conseguia sorrir para dizer algo do tipo “prazer em te conhecer”. Tive que apelar para o “Fala, Guilherme! Beleza?” Ele respondeu de maneira educada e alegre, me convidando para jogar uma partida de tênis de praia. Eu falei que já tinha jogado tênis tradicional e disse que minha filha já tinha pensado em fazer aulas na praia, mas declinei educadamente o convite. “Quem sabe outro dia?”, ele disse. Para minha surpresa, ele chamou um professor (sim, há aulas de tênis de praia na Praia Icaraí) que me entregou um cartão oferecendo suas aulas. Quando ficou sabendo do interesse da minha filha, disse até que ela poderia fazer aulas de cortesia por conta de eu ser “amigo do Guilherme”. Não entendi nada, mas agradeci pela gentileza. Coisa difícil nos tempos de hoje.

Era visível que ela tinha bastante intimidade com o Guilherme. Isso não me incomodava de forma alguma, mas percebi que eles estavam falando sobre um assunto sério. Preferi prestar atenção em um jogo de tênis de praia que estava em andamento. Não tinha nenhum bobo jogando. O nível era bem alto por sinal. Era visível que jogavam com frequência.

Após alguns instantes, ela se despediu do Guilherme e eu acenei. Mais uma vez, ele me convidou para aparecer lá outro dia e apontou para a minha pele: “Você está precisando de Vitamina D!” Soltei uma risada e fomos caminhando. Ele tinha razão. Eu estava precisando de uma cor.

– Gente boa esse cara… Quem é o seu amigo? – perguntei de maneira inocente.

– É meu ex-marido. E sim, ele é muito gente boa.

Fiquei em silêncio. Passou um flashback pela minha cabeça sobre o meu divórcio. Ela não se deu conta, mas eu a invejei por alguns instantes. No fundo, queria que meu casamento tivesse terminado assim, mas sei que não há regras quando o assunto é uma separação. Há pessoas mais maduras, outras menos maduras e… FODA-SE. Eu estava feliz do jeito que eu estava e isso bastava para mim.

– Qual a altura dele?

– 1,92 ou 1,93. Algo assim.

– E agora você dá para um cara com a mesma altura que você? – perguntei sem fazer ideia de qual seria a resposta dela.

– Mesma altura coisa nenhuma! Tecnicamente, eu sou 2 cm mais alta que você. Se eu colocar um salto então… E sim, eu dou para você. Dou com vontade. E altura não é tudo, bobinho, até porque não te chamo para trocar as lâmpadas da minha casa…

Creio que não preciso mencionar o quanto me senti poderoso após ouvi-la. “Eu realmente devo ter os meus paranauês”, pensei.

Chegamos até o prédio dela. O porteiro já sabia o meu nome. Entregou uma encomenda que a aguardava e abriu a porta do elevador. Ela pediu para eu apertar o botão do andar, pois estava com as mãos ocupadas carregando a tal encomenda. Meti as mãos entre as suas pernas e perguntei: “Esse?” Ela deu uma risada e apontou com o rosto para uma câmera dentro do elevador. Eu acenei para a câmera. Pura palhaçada! Rimos juntos. O sorriso dela era aberto, franco, e eu obviamente me ofereci para carregar a encomenda. Cavalheirismo sempre.

– Quer água de coco? – ela me perguntou já se servindo.

– Quero uma cerveja. Tem?

Ela me ofereceu uma Heineken e eu comecei a falar sobre o poder da cerveja na recuperação pós treino, e que os jogadores do Bayern de Munique eram obrigados a beber todos os dias. Pequenas quantidades, claro.

– Deixa eu ver se eu entendi… Você anda, anda, anda e depois toma cerveja para sua plena recuperação pós treino? Você é muito cara de pau!

– Mas é científico! – eu exclamei em minha defesa, fingindo estar indignado.

– E quem disse que seu treino acabou? Pro banho! Agora!

Matei a cerveja em um gole só. Fomos para o banheiro. E lá ficamos por um bom tempo… Realmente, o meu treino não tinha acabado. No final, eu estava exausto. Ela me olhava e ria… “Agora sim, pode tomar quantas cervejas você quiser, cara de pau! Até eu vou beber! Estou precisando me recuperar!”

E lá fomos para a sala. Lynyrd Skynyrd no Spotify. Quem é de Niterói sabe que é quase obrigatório ouvir as músicas da banda. Ela resolveu me acompanhar na cerveja. Cerveja com a tal encomenda que tinham deixado para ela na portaria: uma espécie de cesta de frios que iam do presunto de parma ao queijo brie, passando por torradas, geleias e um mix de nuts. Tive outro flashback. Esse mais prazeroso, que me roubou um sorriso interno. Lembranças, memórias e histórias. Havia um dantesco acervo delas dentro de mim e novas eram criadas a todo instante. Eu estava vivo, mais vivo do que nunca.

Conversa vai, conversa vem, e tive que tocar novamente no assunto.

– Dadas as devidas vênias, a doutora deveria saber que a cerveja é mencionada até mesmo no Código de Hamurabi…

– Devo ter faltado a essa aula. Provavelmente, estava tomando cerveja com o pessoal da faculdade – e começou a rir sem parar. Ela estava começando a ficar alta e eu apenas no início de minha “recuperação pós treino”.

No total, foram umas 15 latinhas de cerveja. Ela desabou no sofá com a cabeça no meu colo e o cafuné a fez dormir. Nem parecia aquela mulher brava que se mostrava nos tribunais da vida. Ela era única e ao mesmo tempo como outra qualquer, querendo ser tratada como uma mulher de verdade. Apenas isso. E sim, eu sabia que a minha cara de pau ajudava muito nesse processo. Não era algo pensando ou raciocinado, que fique claro. É o meu mais puro instinto.

Depois de um certo tempo, me levantei para ir embora. Ela nem se mexeu. Já estava me preparando para ir em silêncio, quando ela disse:

– Vai embora sem se despedir?

Fui no quarto e peguei um travesseiro e uma coberta para ela. O ar condicionado estava implacável. Depois de um beijo, disse bem baixinho no ouvido dela:

– Se me arrumar uma escada, eu troco até as lâmpadas, tá?

Ela me deu um beijo sôfrego seguido de uma risada silenciosa, mas que dizia tudo. Tudo. Dessa vez, não esperou nem eu chegar em casa. Simplesmente dormiu e eu simplesmente dormi também. O treino foi realmente exaustivo.

Dona Maria, a iludida

Vamos supor que um produto custe USD 1 (1 dólar americano) no mercado internacional. É uma commodity qualquer. O produtor dessa commodity olha para o mercado interno, ou seja, para o Brasil, e percebe que pode vender o produto por R$3,00. Tudo bem. Afinal de contas, 1 dólar está valendo R$3,00. Para o produtor, é absolutamente indiferente vender no Brasil ou para o exterior.

Entretanto, por algum motivo, o dólar sobe para R$5,00. A cotação internacional do produto, entretanto, permanece a mesma: 1 dólar. E o produtor pensa: “Poxa, se eu vender o meu produto no mercado externo, vou ganhar R$5,00 ao invés de R$3,00. Vale muito mais a pena, até porque as peças de reposição para a máquina que fabrica esse produto também ficaram mais caras, pois elas são importadas. Vou exportar minha produção.”

Enquanto isso, o dono de um mercado qualquer no Brasil precisa fazer um pedido do tal produto. Liga para o produtor e pergunta o preço. O produtor diz que agora o preço é R$5,00, pois ele vai exportar toda a produção. O dono do mercado fica indignado, mas fica sem saída: precisa pagar R$5,00 no produto ou não ter o produto em seu mercado. Ele até liga para outro produtor para verificar se é um caso isolado, mas não: todos os produtores subiram seus preços.

Dona Maria, que sempre acompanhou os preços dos produtos (adora ir ao mercado), fica horrorizada quando se depara com a subida do preço do produto no mercado. Como ela não entende nada de Economia (e não tem obrigação de entender), ela lembra de uma mensagem que recebeu de uma tia do WhatsApp tia dizendo que “os donos de mercados precisam ser mais patriotas”. Ela faz um escândalo no mercado. Diz que é um absurdo. Chama o dono do mercado de ladrão. Diz que nunca mais vai por os pés naquela espelunca e vai embora animada, certa de ter cumprido o seu dever cívico. Lembrou até dos tempos em que fazia o mesmo enquanto “Fiscal do Sarney”, mas preferiu ignorar a lembrança. “Outros tempos… Nada a ver…”, pensou.

Vai em outro mercado em seguida. Ela quer comprar barato. Ela não é otária. E no outro mercado, para sua surpresa, o preço também subiu. Ela chega a conclusão que todos os donos de mercado são todos ladrões. Sem saída, compra o produto pelo preço novo. É um produto essencial.

Furiosa, ela não não se contém. Conta para as amigas que a culpa é dos que disseram que era para deixar a economia para depois. Ela mesma ficou em casa se borrando de medo da doença, pois perdeu um primo para a COVID-19 (ela chora todos os dias quando lembra do quão jovem ele era – maldita doença!). Mas isso não interessa! Ela conversa com um dos sobrinhos que diz que o mal do Brasil são os comunistas e o vírus chinês. O irmão diz que é tudo culpa dos governadores e prefeitos. Falam mal do Mandetta, do Drauzio Varella, da China… Mais uma vez xingam os donos dos mercados. Vendidos! Comunistas! Aproveitadores!

E enquanto isso, na China, que pagou 1 dólar pelo produto, está tudo bem. O produtor brasileiro está feliz porque recebeu mais pelo seu produto. Dona Maria não consegue comprar mais a mesma quantidade do produtos que conseguia antes. A aposentadoria dela não foi reajustada. Só os preços dos produtos que subiram. “Esses donos de mercado são todos uns vagabundos! Eles me pagam!”

Clichê

– Ah! Deixa disso… Ainda nem chegamos na metade…

– Você é doido, menino! Já fomos e voltamos esse calçadão duas vezes!

Ser chamado de menino na minha idade é um privilégio. E sim, eu sou viciado em andar. Há dias em que ando 20 Km. Fone de ouvido, músicas escolhidas a dedo no Spotify (do clássico ao metal), e caminhadas que parecem não ter fim. O visual da praia, o sol, o suor, a brisa do mar e até mesmo o cansaço me ajudam a pensar sobre a vida, refletir sobre o passado, encontrar a melhor maneira de viver o presente e planejar o futuro. É sem dúvida alguma um dos maiores prazeres cotidianos.

Deixamos o calçadão e fomos até a casa dela. Antes de subir, pedi ao porteiro a mochila que eu tinha deixado na portaria. “Vim preparado” – afirmei cinicamente. “Cara de pau” – foi a resposta que ela me deu enquanto encarava o porteiro, que fingia que não estava entendendo nada. Confesso que, no fundo eu me sentia orgulhoso de ser chamado de cara de pau. Nas circunstâncias, parecia que a minha cara de pau era realmente muito bem vinda. Era a faísca, talvez a pimenta, que só incendiava ainda mais os nossos encontros despretensiosos e nem por isso menos sôfregos.

Mas ela também tinha as suas armas. Nas audiências, comparecia sempre impecavelmente vestida. Unhas bem feitas com tonalidade discreta, óculos daqueles que parecem não ter armação, maquiagem na medida certa e com o cabelo preso em uma espécie de coque complexo. Cheguei a perguntar o porquê do cabelo preso nas audiências e ela me respondeu de uma maneira que nunca esqueci. Tirou os óculos, soltou o cabelo, olhou no fundo dos meus olhos e disse: “Nos tribunais da vida, aprendi que ser discreta é algo bem vantajoso. No mundo machista em que vivemos, antes de ser mulher, preciso ser uma advogada.” Não a culpo. Ela realmente é daquelas que passa e faz pescoços virarem, ainda mais com os cabelos soltos.

Ela foi tomar banho e eu fui para a varanda ver a rua. Com um copo d’água nas mãos, fiquei admirando o vai e vem das pessoas e dos carros até que, mais uma vez, ela me deu um susto. Era a sua especialidade.

– Vai tomar banho, vai… Há coisas melhores para você ver aqui dentro de casa…

Saí correndo para o chuveiro. Tomei um banho caprichado. Eu sabia o que me esperava. Uma mulher linda e cheirosa, enrolada em uma toalha, me apressando para tomar banho? Certeza não era para vermos uma filme.

– Gosta de morangos?

Foi a pergunta que ouvi ao sair do banho. Eu disse que sim balançando a cabeça, atônito diante do que eu estava presenciando. Ela estava nua, sentada na beirada da cama, comendo morangos. As frutas passeavam pelo seu corpo e terminavam na sua boca. A minha garganta ficou seca. Eu fiquei paralisado e resolvi observar a cena por mais alguns instantes, enquanto as frutas eram literalmente vítimas de abuso: mordidas, lambidas, beijos, chupadas, e passadas com uma sensualidade absurda pelo seu corpo e por entre suas pernas escancaradas. Ela estava toda melada e eu tinha certeza de que os morangos não eram os únicos responsáveis por aquela situação, sobretudo por conta dos seus gemidos e da sua pele completamente arrepiada. O corpo dela brilhava refletindo a meia luz do abajur.

– Vai ficar só vendo?

Eu não respondi. Ela estava gostando do que estava fazendo. Ela estava se exibindo. Sim, era um show privê. Meu. Só meu. Todo meu.

– Agora, você vai ter que vir até aqui… Acabei de perder um morango…

Suas mãos entre as suas cochas indicavam com clareza por onde eu deveria começar a busca. Tive que intervir. Fui obrigado.

Acho que nunca comi tantos morangos na minha vida. Os lençóis manchados, tudo revirado… Havia morangos no meu cabelo, no dela também… Enfim, outro banho se fez necessário. Água morna, novos gostos, novos cheiros… Começamos tudo de novo. Ela era imparável e isso me tornava impossível.

O espumante rosé que eu levei (eu disse que tinha ido preparado) fez aqueles momentos para lá de especiais parecerem clichê. Eu não me importava. Ela também não. Lembramos do filme “Nove e Meia Semanas de Amor”, com a Kim Basinger e o Mickey Rourke, e caímos na gargalhada. Não era muito difícil rir ao lado dela.

Ainda assim, fiquei com fome. Os morangos não foram suficientes. Pensamos em pedir algo, mas acabei lembrando que as vans que vendem lanches haviam voltado a funcionar naquela semana depois da liberação da Prefeitura. Ficaram 5 meses impedidas de trabalhar. Eu entendia os motivos da proibição, mas nem por isso deixava de ser algo trágico.

– Bora comer um cachorro quente podrão? – sugeri, eufórico.

E lá fomos nós. Salsicha, milho, ervilha, uva passa, azeitona verde, ovo de codorna, maionese, mostarda, ketchup, batata palha e queijo ralado. Cada cachorro quente era literalmente uma bomba calórica absurdamente gostosa! Quando terminamos, demos uma volta no quarteirão para fazer a digestão e voltamos para a casa dela.

– Amanhã eu acordo cedo. Você fica? – disse ela com os olhos pregados, visivelmente cansada.

– Já passamos dessa fase, né? Sei que você quer dormir… Vou para casa terminar de ver uma série no Netflix. Se eu aguentar, claro… Você acabou comigo – ao ouvir isso, a sua fisionomia mudou: debochada, sorridente e vitoriosa, e assim disse tudo que precisava ser dito.

Ela me deu um beijo e esperou eu entrar no elevador. Aguardou eu chegar em casa e mandar uma mensagem dizendo que tinha chegado bem. Dormiu logo em seguida. E eu fui escrever… Melhor assim para não deixar de registrar nenhum detalhe.

Lagunitas

O sábado chegou leve depois de uma noite muito bem dormida: quase 12 horas de sono sem nenhum pit stop. Há tempos um sábado não chegava com um compromisso para a noite. E não, não era uma festa infantil como de costume. Era um encontro para o qual eu havia sido convidado. Algo pessoal e intransferível. Eu já estava desacostumado e só de pensar nisso eu sorria… Meu coração acelerava!

Mandei uma mensagem para ela pelo Telegram dando bom dia. Perguntei se eu deveria levar algo para o nosso encontro à noite e a resposta foi firme: “Não. Você é meu convidado. Você vem, né?” Tudo que fui capaz de dizer foi um “Óbvio!”, que foi respondido com um emoji de sorriso. Eu consegui vê-la sorrindo do outro lado da tela. Eu também sorri.

Por algum motivo, ainda assim eu sentia que tinha que levar alguma coisa para o nosso encontro. Eu não sabia exatamente o quê. Perto da casa dela, havia um quiosque que vendia flores. Comprei um buquê bem colorido de flores do campo. Gosto de rosas, mas me pareciam muito formais para o momento. Eu queria algo bem informal e flores do campo sempre me passaram essa sensação. Eu precisava compartilhar a minha alegria.

19:55. Eu estava cinco minutos adiantado. Puxei conversa com o porteiro. Dei boa noite para um casal de idosos, e exatamente às 20:00 pedi para que minha presença fosse anunciada. Ele sorriu e disse para eu subir. Não dava mais para fugir, pensei eu, e também pensei que tudo que eu não queria era fugir. Eu sentia frio na barriga. Estava parecendo um adolescente. Mais um motivo para me fazer sorrir.

Não precisei tocar a campainha. A porta já estava entreaberta. Eu ofereci as flores a ela, ou melhor, pedi para segura-las porque eu tinha que tirar os sapatos, tirar a máscara, passar álcool em gel… Coisas da pandemia.

– São para você – disse eu enquanto entrava só de meias sala adentro para abraça-la. Abraço daqueles de urso, sem pressa. Sem nenhuma pressa. Tempo suficiente para o perfume dela ficar em mim. Nada doce. No ponto. Na medida. Aliás, ela é toda na medida, mas ninguém precisa saber disso. Só eu.

A cozinha era do tipo americana, e me sentei em um banco que me fazia sentir em um bar (saudades disso!!!). Ela preparava algo para comermos enquanto falávamos sobre a nossa semana. Antes que eu me desse conta, ela me ofereceu um copo de cerveja. Um copo apropriado para uma IPA. E o cheiro também também era de uma IPA. A temperatura perfeita. Como assim?

– Esqueceu que estou no seu Instagram? Lagunitas! – disse ela enquanto me mostrava a garrafa meio que fazendo pose de modelo. Eu decidi parar de sorrir de vez em quando e ficar só em um sorriso contínuo. Eu também estava recebendo flores naquele momento. Certeza.

– Mas vem cá… Esse encontro não era para ser sem álcool? Pelo menos foi essa a impressão que eu fiquei… – perguntei.

– Deixa de ser bobo, vai… O problema era a Tequila. Hoje, você vai de cerveja e eu vou de vinho. Assim, não vamos poder culpar a bebida por qualquer coisa que aconteça… – disse ela com a cara mais cínica do mundo.

Não me aguentei. Levantei rapidamente e a segurei pela cintura. A beijei com fúria. Ela merecia. Eu também. Ela tentou dizer algo. Eu a calei com beijos e a fui conduzindo até o sofá.

– Mas eu ainda não terminei a tábua de frios… – disse ela, com a respiração ofegante.

– E por que não podemos começar pela sobremesa? – retruquei.

E ela se entregou por completo. Eu também. Viramos um só de todos os jeitos e formas. De vários jeitos e formas. O perfume dela virou o meu perfume. O meu perfume virou o perfume dela. As roupas ficaram pelo chão. Os nossos desejos no corpo um do outro. Incrível. Inesquecível. Maduro. Safado. Quente. Suado. Sem pressa.

– E a tal tábua de frios? Bateu uma fome… – perguntei depois de um tempo. Eu tinha perdido a noção do tempo, inclusive.

– Fique aqui… Deixa que eu vou buscar. – ela me disse com os olhos brilhando, absolutamente radiante. A silhueta de seu corpo nu caminhando até a cozinha era deslumbrante. Simplesmente deliciosa.

– Você está me acostumando mal, sabia?

– Estou conseguindo atingir o meu objetivo, então! – disse ela em tom provocador.

Mais uma cerveja, mais uma taça de vinho. A conversa corria leve e solta. Piadas provocantes e pausas… Longas pausas onde as bocas se ocupavam com assuntos mais carnais e de forma alguma menos importantes. Era uma troca intensa de palavras, fluidos, energia, vida. Tudo muito real e intenso. Todos os sentidos mais do que aguçados.

Só depois de muito tempo me dei conta que havia uma playlist tocando. Anos 1980. The Smiths, The Police, The Cure, The Cult, Aerosmith, Bon Jovi. Tudo de bom. Tudo muito, muito bom. Cheguei a pensar que havia algo errado de tão perfeito que tudo estava, mas de dentro de mim surgiu uma voz muito contundente que acabou com todas as minhas dúvidas: “eu mereço”. E é verdade. Eu reconheço. Eu mereço.

Ela adormeceu nos meus braços e então dei-me conta de que já era Dias dos Pais. Peguei o telefone para enviar uma mensagem para a minha filha dizendo que eu chegaria mais tarde, mas ela interveio.

– Fica? – disse ela com um olhar irrecusável.

E eu fiquei (que sofrimento ficar!). Avisei a minha filha que chegaria pela manhã. Respondi a um inquérito antes de desligar o telefone (a relação da minha filha comigo é algo maravilhoso!), que terminou com um emocionante “Feliz Dia dos Pais!”

O dia começou como a noite terminou. Creio que não preciso entrar em detalhes. Ganhei uma escova de dentes e uma toalha. Tomamos café juntos. Ela foi visitar os pais. Eu fui me encontrar com a minha filha. Por volta das 16h00, uma mensagem no meu Telegram: “Feliz Dia dos Pais! Final de semana que vem tem mais!”. Nos falamos por 5 minutos ao telefone. Eu liguei. Ela precisava saber o quanto estava me fazendo feliz.

Dá para ser melhor do que isso? Não sei. Farei de tudo para descobrir. Prometo. Prometo para mim mesmo.

Tequila

Nós olhávamos o pôr do sol da marina. Nas mãos, uma garrafa de Tequila daquelas que são vendidas a preço de ouro, muito embora sejam de prata (sem trocadilhos). Na minha cabeça, o momento pedia nada menos que uma añejo. Paciência.

“Vamos ver que aguenta mais shots?”, com direito à mãos cheias de amendoim e água entre um shot e outro, claro. Combinado.

Chegamos até o terceiro shot falando da vida, de assuntos completamente aleatórios. O sol já havia se retirado. Havia alguns mosquitos, mas hey… Histórias reais não são perfeitas.

No terceiro shot, paramos. A minha responsabilidade era grande. Eu tinha que, no mínimo, empatar. Felizmente, ela disse que não sabia como a Tequila agia no corpo dela, e achou que estava tudo indo bem demais. Fácil demais. Fascinante demais. Eu só concordei. De fato eu estava sentindo o mesmo.

O vento fazia seu cabelo castanho abraçar sua face. Deixava-me hipnotizado de alguma forma. Eu simplesmente não conseguia parar de olhar, e ouvia atentamente cada palavra que ela dizia. Cada sílaba, cada vogal, cada consoante… Eu ouvia também a respiração dela, e o vento gelado no tímido inverno do Rio de Janeiro fez nossos corpos se aproximarem por instinto. Sobrevivência, achava eu. Eu estava enganado.

Sem perceber, eu estava a poucos centímetros da sua boca. Lábios carnudos, cheios de vida. Deles saíam palavras que me embebedavam, me hipnotizavam. E de repente me dei conta que meu corpo todo era só ouvidos. Ouvidos só dela. Querendo ou não eu era dela pelo menos naquele momento, muito embora não me desse conta disso.

E eu tentei roubar um beijo, muito embora não seja possível roubar aquilo que já era meu. E ela retribuiu. Os hálitos inflamáveis explodiram, até que sua mão direita segurou o meu queixo e ela me disse: “Se importa se continuarmos isso sem a Tequila?”

Eu concordei, claro. Pensei que havia avançado algum sinal vermelho, mas continuamos a conversar. Depois de algum tempo, cada um foi para a sua casa de Uber, e eu achei melhor não tocar no assunto, pelo menos não naquela noite. Melhor deixar para pensar nisso depois da Tequila ir embora do meu corpo.

No domingo, decidi fingir que nada havia acontecido. Eu lembrava do beijo, dos cabelos, dos lábios carnudos, de tudo, mas achei melhor afundar meus pensamentos e desejos em alguma série do Netflix. Qualquer uma. Melhor. Menos perigoso.

Na segunda-feira, ela me ligou e eu não atendi. O dia foi muito corrido. Sem perceber, meu telefone acabou ficando no modo silencioso, e tudo que me restou foi enviar uma mensagem via Telegram dizendo que eu não tinha me dado conta da ligação dela. A minha mensagem foi visualizada e ignorada com sucesso.

Hoje, terça feira pela manhã, o telefone tocou novamente. Era ela e eu estava em uma reunião de trabalho. Por instinto, coloquei o meu headset no mudo e atendi a ligação.

Ela não me disse oi. Só me disse o seguinte: “Sábado, na minha casa, sem Tequila?” Percebi, então, o tamanho do peso que eu carregava em minhas costas e disse um firme sim. Eu merecia o sim. Ela também. Voltei para a reunião de trabalho com frio na barriga. Radiante. Feliz.

Ainda é terca-feira. No sábado, não vai haver Tequila. Só ela. E no que depender de mim, vou tomar um porre disso. Nada melhor que se embebedar sem uma gota de álcool sequer.

Inquietude

Na segunda-feira, dia 15/04/2019, durante uma breve caminhada, as minhas velhas e queridas sandálias Havaianas soltaram as tiras. Foram 10 anos de um relacionamento intenso, vencido pelo cansaço. Ela descansou em paz.

Piadas deixadas de lado, me vi descalço, no meio de uma rua movimentada de minha cidade, e fiquei sem saber o que fazer. Até que me dei conta que havia sandálias bem perto de mim, penduradas em um mostruário na frente de uma farmácia.

Mesma cor, mesmo número, e segui em frente. Foi fácil. Eu tinha um cartão de crédito. Apenas mais um causo para ser contado, não fosse por um pequeno detalhe: eu não era o único sem sandálias naquela rua. Logo na saída da farmácia, havia um mendigo descalço. Não era eu, felizmente, mas isso me incomodou de uma forma que eu não consegui entender no momento.

Em casa, me dei conta do quanto foi fácil resolver a questão. Talvez menos que cinco minutos. E o mendigo? Resolveu a sua questão? Tinha consciência de que havia um problema para ser resolvido? Acostumou-se a viver sem uma solução? Por que eu tinha uma sandália e ele não?

Eu não consegui obter uma resposta minimamente satisfatória. Tentei pensar em todas as “possibilidades possíveis”, e me deparei com uma verdade aterradora: eu era um privilegiado. Eu tinha. O mendigo não tinha. E o mundo seguia em frente assim mesmo. Era assim.

E me senti devedor do mundo. E me lembrei que pago meus impostos, que também deveriam servir para combater a mendicância, a pobreza. E me lembrei das discussões religiosas e políticas sobre o assunto. Só que no meu coração não funciona na base do “eu já fiz a minha parte”. Há uma parte muito forte em mim que não se contenta em ver o errado, mesmo que eu tente fazer ou já tenha feito a minha parte. Eu sou um inconformado.

Dizem que a maturidade e a sabedoria vem com o tempo. Acredito, mas a minha inquietude só aumenta. É preciso fazer algo sobre isso. Não sobre a minha inquietude (eu a aceito como uma qualidade), mas sobre as mazelas do mundo, inclusive as minhas. A questão não é sentir culpa, mas como cidadão do mundo, é óbvio que carrego alguma.

Há um chamado dentro de mim para fazer coisas maiores do que já fiz e faço. Ainda estou tentando decifra-lo. Não quero calçar o mendigo. Quero mesmo é acabar com a mendicância. Sonho grande demais? E quem disse que tenho que sonhar pequeno?

Vou fazer a minha parte em pequenas doses. Em troca eu só quero uma coisa: nada. Para mim, ajudar os outros é algo egoísta. Ajudo porque me incomoda. Ajudo porque isso vicia. Amenizar a dor do outro ameniza as minhas dores também. É isso. Foi o que uma sandália arrebentada me ensinou.

Em frente, sempre. Mais inquieto ainda.

fernando_guifer_a_inquietude_da_alma_e_o_que_nos_permit_ld304g6

Boletim de Notícias

Tramita na Câmara dos Deputados Projeto de Lei que torna obrigatória a reencarnação, para que Cabral e José Dirceu, por exemplo, possam pagar por todos os seus crimes. A estimativa é que os dois precisem reencarnar pelo menos 7 vezes para que suas penas possam ser cumpridas.

A tramitação é lenta, entretanto. Alguns alegam que a reencarnação já existe. Para estes, Lula seria a reencarnação de um jegue, fato que está sendo contestado pela SUIPA no STF. O relator do processo, Ministro Barroso, já se mostrou favorável à mudança do termo jegue para “animal de quatro patas, ruminante, e desprovido de qualquer tipo de inteligência”. Essa alteração conta com o apoio dos juristas Dr. Tomás Turbando e Dr. Cuca Beludo.

A bancada evangélica promete obstruir a pauta. Não se sabe se por questões dogmáticas ou para evitar que membros da igreja sejam obrigados a reencarnar para cumprir por todos seus delitos.

Já a bancada da bala, prefere enviar Cabral e José Dirceu logo para o além túmulo, desde que estes assinem um termo circunstanciado se comprometendo a se apresentar em uma eventual próxima vida, quer seja na forma animal, vegetal ou mineral.

A bancada LGBT, liderada por Jean Wyllys, quer que seja inserido no Projeto de Lei um dispositivo para que o sexo possa ser escolhido antes do processo reencarnatório, com possibilidade de revisão de gênero quando o reencarnado completar 7 anos.

Já a bancada da chupeta, seguindo as determinações de seus respectivos partidos, mostrou-se favorável à reencarnação. Informações obtidas com exclusividade pelo blog confirmam que o objetivo é garantir a continuidade dos mandatos parlamentares nas próximas encarnações. Ainda não há consenso se tal benefício se estenderia aos suplentes dos parlamentares.

Consultado como seria a tramitação do Projeto de Lei, o Presidente da Câmara dos Deputados, Deputado Rodrigo Maia, balbuciou algumas palavras, babou e adormeceu em posição fetal.

De Niterói, Fábio Ottolini

Próximo tópico: STF analisa se uso de Caixa 2 em dízimo ou oferenda configura crime.

boletim-noticias

Terça-feira é dia de promoção no Domino’s!

E lá fui eu pedir minhas pizzas. Pague um preço absurdo por uma e leve duas, de maneira que o preço fica justo. Pedi, disse que ia pagar com cartão, e fiquei esperando. Chegou antes do prazo previsto até. Mas não é esse o foco.

Niterói, a cidade sem prefeito, está sendo consumida pelos mosquitos. Aliás, ela é regida por mosquitos. Há mosquitos em todos os lugares. Vários deles são ninjas e alguns resistentes até mesmo a uma explosão nuclear. Lembro-me de um filme que retratava as baratas como as únicas sobreviventes de um holocausto nuclear. MENTIRA! Tenho certeza que seriam os mosquitos. E pior… Por conta da radiação, sofreriam algum tipo de mutação e seriam dantescos! Tenho certeza que no Nono Círculo do Inferno de Dante há muitos mosquitos, muito embora isso nunca tenha citado abertamente pelo autor.

E eis que chega o entregador de pizza na porta de minha casa, sendo que eu sei que vários mosquitos sempre se aglomeram por ali para dar o bote naquele horário. Fiquei na dúvida se eu deveria abrir a porta ou não. De fato, por alguns momentos achei que deveria deixar o entregador ser devorado por aquelas feras para que elas, mais lentas, fossem menos letais após eu abrir a porta. Desisti da idéia e peguei uma raquete daquelas que eletrocutam insetos voadores. A fome falou mais alto.

Abri a porta já agitando a raquete. O entregador se assustou, claro. Era nítido nos olhos dele que eu era, no mínimo, muito doido. Vi-me assim nos olhos dele e não me importei. Ele me entregou a máquina para passar o cartão de crédito, e eu percebi que tinha que parar de agitar a raquete para pegar meu cartão e digitar a senha. QUE DESESPERO! Como eram petistas os tais mosquitos! Dei mole e um esquadrão entrou pela minha casa. Não digitei a senha e fui atrás deles. O entregador continuou esperando com a cara mais “WTF???” que eu já vi na vida. E para evitar vergonha maior, desisti dos mosquitos, digitei a senha, peguei as pizzas, me despedi do entregador e parti para o corredor. Querem sangue? Que assim seja!

Tranquei-me do lado de fora do apartamento com os mosquitos. Tirando o fato de eu não ser Jedi e os mosquitos não serem Storm Troopers, foi uma batalha digna de ser transmitida pela TV. Os mosquitos sendo dizimados pela minha raquete… Aquele cheiro de churrasco impregnando o ar. Mosquitos queimados lembram churrasco, falando nisso. De alguma forma, cada mosquito morto representava um espécie de troféu, ainda que levemos em consideração que mosquitos são infinitos. Não importa se você acredita ou não. Mosquitos são infinitos. Alguns, inclusive, ressuscitam. Nunca duvide disso.

E a pizza? Bom, a pizza estava boa. Mas e o tal do esquadrão que falei que invadiu a minha casa? Batalhei com eles comendo pizza. Tenho certeza de que não matei todos, mas alguns deles jamais poderão ter filhos. Aliás, a grande verdade é que as fêmeas que atacam, e acabei de chegar a conclusão que, na forma humana, elas são conhecidas como “feminazis”. E isso explica o porque de eu fugir delas sempre!

Da próxima vez, vou fazer essa cena toda antes do entregador chegar. Ele pode até não ter entendido o que aconteceu, mas fato é que sabendo desses mosquitos petistas na porta da minha casa, doidos por alguma espécie de pão com mortadela, não posso desistir sem lutar. Seria decretar o meu próprio fim.

mosquitos-aedes-aegypti-1449085758031_956x500

OlimPiadas

Cariocas e fluminenses, ainda que inconscientemente, se acostumaram com a rotina de medo vivida no Estado do Rio de Janeiro. O direito de ir e vir, até mesmo dos policiais e das forças de segurança em geral, não está garantido. Vamos e não sabemos se voltamos. Simplesmente arriscamos. Roleta russa.

E no meio disso tudo, as Olimpíadas. Ufanismo e demagogia puros. Forças Armadas nas ruas para garantir a segurança da população? Não! Para garantir a segurança dos turistas e das delegações internacionais.

Sinto-me como um cidadão de segunda classe em meu país. Meus governantes não estão preocupados com quem eu amo. Preocuparam-se apenas em superfaturar, roubar, subverter e mamar nas tetas fartas do estado de todas as formas possíveis. A morte de um brasileiro por conta da violência não é nem mais notícia de jornal! Aliás… O que faz o Beltrame na Secretaria de Segurança Pública depois de já ter demonstrado toda a sua incompetência inúmeras vezes? Creio que já são mais de 10 anos de um modelo falido e sem futuro! Por que insistir no que sabemos que não dá certo?

Tenho certeza de que o mundo não verá o Brasil dos brasileiros, mas sim o Brasil dos contos de fadas, de bundas perfeitas, de sexo e drogas abundantes. Será uma experiência inesquecível para todos eles. Putaria generalizada patrocinada pelo dinheiro público (NOSSO DINHEIRO!!!), enquanto a população sofre em todos os sentidos possíveis.

Para os nossos governantes, a população brasileira é um mal necessário. Nada além disso. E para os brasileiros, o legado olímpico será contas para pagar e talvez mais uns 2 ou 3 vírus para serem transmitidos pelos mosquitos. E os turistas estarão sambando, ainda que não saibam, em rios de sangue. Culpa deles? Claro que não! A culpa é inteiramente NOSSA!

Que Deus nos proteja! Só que caso não façamos a nossa parte, até mesmo o todo poderoso virará suas costas para nós.

index

Drama para a Geração Twitter

Festa Beijos Namoro Sexo Gravidez Casamento Nascimento Separação Reencontro Ciúme Assassinato Fuga Vingança Filho Suicídio #MelhorDrama2016

14105379