Creche Aquarela Berçário – Luto

Não sei o que dizer de um “ser humano” que invade uma creche e mata duas adultas e três crianças. Dezoito anos e cinco homicídios nas costas… Vítima da sociedade ou um psicopata que nem merecia estar vivo?

https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2021/05/homem-mata-ao-menos-5-pessoas-em-ataque-a-escola-infantil-no-oeste-de-sc.shtml

Pelo que sei, a professora morreu como uma heroína tentando evitar que outras crianças fossem mortas. Diante de tamanha covardia, a grande verdade é que não havia muito o que pudesse ser feito. Um ato bárbaro, sem perdão. Nunca a violência será uma resposta. NUNCA!

Que Deus receba todas essas almas de braços abertos. Luto.

Paulo Gustavo – Luto

“Amar é ação. Amar é arte.” – Paulo Gustavo

Meu conterrâneo… O final do primeiro filme foi no Campo de São Bento. Você ia na padaria que eu tanto amo. Você estudou no mesmo colégio que eu. Dona Hermínia mora pertinho aqui de casa! Quem te deixou ir assim? Como assim? Por quê?

Um abraço fraterno para o seu companheiro e para a sua família. Você era alegria e a alegria nunca morre. Obrigado por tudo! Mesmo assim, tá doendo, cara… Tá doendo.

Minha filha: “Grande parte das pessoas que está lamentando a morte do Paulo Gustavo sai com os amigos e vai para festas clandestinas, matando pessoas que nunca aparecerão na TV.”

Eu: “Se você acha que o Paulo Gustavo merecia morrer “por não ter encontrado Jesus”, a única coisa que você me diz é que você muito menos.”

Alice

Eram umas 4 horas da manhã. Eu tinha acabado de deixar a Alice na casa dos parentes. A nossa noite tinha sido para lá de especial. Eu estava feliz e ela também. O ano era 1995.

Eu estava voltando do Rio para Niterói dirigindo. Sempre gostei de dirigir na Ponte durante a noite. Não lembro qual rádio eu estava ouvindo, mas me lembro bem da música: “See you on the other side”, do Ozzy Osbourne. Até achei estranho ouvir a tal música na rádio, mas achei que era um presente de Deus ou algo assim. Apenas a senti e continuei a admirar a paisagem. Eu dirigia devagar. Eu queria que aquilo tudo que eu estava sentindo durasse para sempre.

A Alice morava em Goiânia/GO. Vinha para o Rio de 15 em 15 dias com os pais. Eles não sabiam que a gente se encontrava. Ela dizia que saía com as amigas, mas lá estava eu religiosamente buscando-a. Carro emprestado por um amigo. Eu mal tinha dinheiro para a gasolina, mas dava meu jeito digitando textos, programando… Eu fazia um pouco de tudo para poder comer uma pizza com a Alice, tomar um sorvete e coisas do tipo. Acima de tudo, eu gostava muito da companhia dela e achava o seu sotaque delicioso, envolvente, diferente.

Eu não tinha celular e nem ela. Ela tinha o número da minha casa e eu tinha o número da casa dela. Apesar disso, eu nunca tinha ligado para a sua casa. Afinal de contas, os pais não sabiam e era algo que eu respeitava. Era sempre a Alice que me ligava (e tenho certeza que os pais dela deveriam se tocar das fortunas gastas com o DDD).

Quando chegava de volta em Goiânia, a Alice me ligava. Algumas vezes era só para dizer que tinha chegado bem. Coisa de minutos. E naquela segunda-feira, ela não me ligou. Somos “criaturas de hábitos” e aquilo me deixou de orelhas em pé. Preferi ignorar. Me ligaria mais tarde. Certeza.

A segunda-feira foi embora sem nenhum telefonema. Tive dificuldades para dormir e ao mesmo tempo a certeza de que ela me ligaria no dia seguinte. E ela não ligou. Cheguei até a testar o meu telefone para ver se estava funcionando e de fato estava. Pensei em ligar para a casa dela e me lembrei de seus pais. Lembrei do nosso beijo de despedida e tive a certeza de que não havia nada de errado entre nós. Havia de fato algo de errado, só que eu não sabia o que era.

Não dormi de terça para quarta-feira. Antes do meio dia da quarta, resolvi ligar para a casa dela. Pensei nos pais e resolvi ligar mesmo assim. Sei lá… Eu diria que era um amigo ou algo do tipo.

– Bom dia! Eu poderia falar com a Alice, por favor?

Uma voz masculina me respondeu.

– É o Fábio quem está falando?

Eu estremeci. Não sabia o que dizer ao certo.

– Sim, sou eu. É o pai dela quem está falando?

Silêncio do outro lado da linha. Ouvi um suspiro profundo.

– Sim, Fábio. Sou eu… Ela me falou de vocês durante o voo de volta para Goiânia.

– Olha… O senhor me desculpe… Eu queria contar, mas ela achou melhor deixar para depois…

Novo silêncio, até que a voz embargada de um homem me respondeu.

– Ela faleceu, Fábio. Morreu em um acidente de carro terrível enquanto ia para a faculdade.

Eu explodi em lágrimas. Não era possível! Será que eu tinha ligado para o número errado? Será que estávamos falando da mesma Alice?

– Eu ia te ligar para dar a notícia, mas imagino que saiba o quanto está sendo difícil para nós lidar com isso tudo…

Eu não conseguia dizer nada. Só chorava… E ele complementou.

– Ela tinha dito que queria se mudar para o Rio… Que queria continuar os estudos aí… Ela me disse que estava apaixonada… E era por você, Fábio. E eu não te conheço, rapaz… Mas saiba que ela se foi assim, com você no coração…

Não lembro do que falamos depois disso. Nada. Nem uma palavra. Sei que desliguei o telefone e fui para a rua. Enchi a cara. Nem sei como cheguei em casa. Só sabia que a Alice tinha ido embora.

E então me lembrei da música e a música se tornou uma prece. E a Alice sabe, onde quer que ela esteja, que mais de 25 anos depois não há uma única vez em que eu ouça essa música sem lembrar dela, sem lembrar de nós, e novamente explodir em lágrimas.

Não sei se daria certo. Éramos muito jovens, mas também era fato que estávamos apaixonados. E foi com a Alice que eu aprendi que tudo que importa é o hoje, porque o amanhã de fato pode não existir.

Dedico essa música a ela e peço a quem me lê: ame como se fosse o último dia, porque de fato pode ser.

I will see you on the other side, Alice.

The Outstanding Blogger Award 2021 – Continuação

Fui indicado para o prêmio pelo blog Mágica Mistura (link para o post). Então, eu indiquei a Francielle Santos para o prêmio, que por sua vez indicou o Guilherme Angra, que me indicou de volta. Portanto, antes de mais nada quero agradecer ao Guilherme. Muito obrigado pela indicação e pelo reconhecimento do meu trabalho! Só que como já indiquei 10 pessoas anteriormente, vou apenas responder as perguntas dele. Parece-me justo.

1 – Qual o livro que lhe mudou a perspectiva de vida?

Em nível pessoal, O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry. É um livro que levo sempre em meu coração. Já em nível acadêmico, As paixões e os interesses: Argumentos políticos a favor do capitalismo, de Albert O. Hirschman, que consolidou em mim as ideias do pai do liberalismo econômico, Adam Smith. Até leio alguns livros de ficção e mesmo de poesias, mas acabo sempre me voltando para livros mais focados em Ciência Política e Economia.

2 – Por que você escreve?

Eu já devo ter respondido essa pergunta de várias formas diferentes em períodos diversos da minha vida. Hoje (pode ser que amanhã mude), escrevo para organizar os meus pensamentos. Depois que escrevo, muitas vezes não me reconheço e nesse processo acabo descobrindo um pouco mais de mim. A escrita também me liberta e é uma forma de dissipar ou ressignificar sentimentos muitas vezes conflitantes, que vão do amor ao ódio, passando por expectativas destruídas e mensagens de esperança.

3 – Qual o propósito da sua existência?

Ajudar ao próximo sempre que for possível e fazer os outros pensarem. Vejo muita preguiça de pensar nas pessoas, o que se reflete na terceirização do pensar. As pessoas leem o resumo do resumo do resumo e se consideram especialistas em um determinado assunto por conta disso. Obviamente, um efeito extremamente nocivo da Era da Informação (ou seria da desinformação?). Quando digo que não gosto do marxismo, por exemplo, me dei ao trabalho de ler O Capital. Não é possível concordar ou discordar de nada baseado no achismo de terceiros. Não tolero pensamentos enlatados. É uma mensagem que sempre tento levar adiante, algo extremamente difícil em um país onde todos se consideram especialistas em tudo.

4 – Três coisas que você precisa fazer antes de morrer:

Cuidar, educar e ver a minha filha crescer (ela é a pessoa mais importante que existe em meu mundo), assistir a um show do Nightwish com a Floor Jansen nos vocais, e voltar a tocar violão/guitarra em alto nível como já fiz no passado.

5 – Quando você se analisa a sua história até aqui, o que mais lhe comove?

Descobrir que eu eventualmente caio, mas que eu sempre me levanto. Eu sou muito mais forte do que eu me imaginava ser.

6 – Quem é o seu maior mentor?

Jesus Cristo e não necessariamente apenas por questões religiosas. Para mim, um exemplo a ser seguido e que ainda estou muito distante de alcançar. Jesus Cristo para mim foi o homem mais sábio que já pisou na Terra.

7 – Qual a frase que você escolherá para a sua lápide?

Aqui jaz alguém que nunca se acovardou diante dos desafios da vida.

Seguindo em frente

Uma coisa que eu aprendi é que para cada pergunta que já fiz sobre a minha vida, antes mesmo da pergunta ter sido formulada, já havia uma resposta. E a resposta estava ali, bem na minha frente, apenas esperando a pergunta correta ou mesmo adequada para emergir.

E pensando sobre isso, me dei conta que já tive medo de fazer certas perguntas por ter medo de me deparar com as suas respostas. Sim, essas mesmas respostas que eu dizia que procurava. A questão é que de fato as dúvidas não existiam. O que existia era um mecanismo de defesa, pois ao não fazer as perguntas eu podia dizer que desconhecia ou mesmo que não sabia das respostas.

Quanta tolice! Quanta imaturidade! Quanto tempo perdido em questionamentos intermináveis, até mesmo quando o óbvio insistia em se fazer presente. Quanta energia desperdiçada! Quantos “socos na parede” apenas para perceber que a parede não se importava com meus socos e permanecia completamente indiferente à dor em minhas mãos, à dor em minha alma, em meu coração. Minha dor e de mais ninguém.

Admitir que eu não sabia lidar com algumas respostas (i.e. a verdade) foi um dos processos mais dolorosos que já tive que enfrentar na minha vida. E até para isso já existia uma resposta:

“Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” – João 8:32

E assim, percebi que talvez eu não quisesse me libertar. Talvez eu apenas quisesse que as coisas não fossem como elas realmente eram. Talvez a esperança de que algo mudasse fosse grande e forte o suficiente para me fazer pensar em esperar até que a resposta mudasse. E muitas vezes eu fiquei esperando, esperando, esperando…

Seria, então, a esperança algo ruim? A esperança paralisante é. Algumas vezes, tudo que precisamos fazer é olhar para Deus e dizer: “Toma! Isso é grande demais para eu resolver!” E assim seguir em frente, na certeza de que as coisas serão como tiverem que ser. O que seria a fé senão isso?

Ainda tenho medo de algumas respostas – que isso fique claro, mas também tenho esperança. Não necessariamente a esperança de que algumas respostas mudem, mas a esperança de que encontrarei em meu caminho meios que me façam ir adiante mesmo diante de respostas com as quais não sei lidar (ainda).

E que assim seja. Eu tenho fé e isso é tudo que eu realmente tenho.

Eu te perdoo

Eu te perdoo. Não é apenas porque quero, mas também porque preciso. Eu te perdoo mesmo sem que você tenha se dado conta do que fez. Mesmo sem que você queira ou ache que precise do meu perdão. Eu te perdoo para eu poder seguir em frente de cabeça erguida, com o coração leve, esbanjando sorrisos. Eu te perdoo para eu poder voltar a ser quem eu era: um homem cheio de fé nas pessoas, na vida, em Deus. Eu te perdoo porque foi assim que aprendi com a minha família. Eu te perdoo porque eu sei e posso te perdoar. Eu te perdoo porque sei que é isso que Deus espera de mim. Eu te perdoo porque Deus me deu o dom do perdão.

Eu te perdoo! Seja feliz! Encontre paz! Que as bênçãos de Deus sejam abundantes na sua vida! E que Deus me perdoe por eu ter demorado algum tempo para oferecer o meu perdão. Foi difícil. Foi uma chance para eu evoluir enquanto pessoa, e de alguma maneira tenho que agradecer por isso. Sei que Deus não colocaria nada na minha vida sem motivo ou razão, e com o tempo sei que tudo fará sentido.

Eu te perdoo. Pode acontecer, vida! Eu estou pronto! Que Deus me abençoe! Eu sigo em paz. Eu sigo.

Crescendo…

Ninguém jamais perdeu algo na vida por ser honesto, sincero, verdadeiro, grato, compreensivo, carinhoso, amoroso, bondoso, cuidadoso e, acima de tudo, gentil.

Muitas pessoas alegam que perderam tempo sendo assim com pessoas que não mereciam, mas eu pergunto: qual é o mérito de ser somente assim com quem também é assim com você?

A vida é uma escola e somos eternos alunos. Cada vez que somos gentis, por exemplo, mais gentis nos tornamos. Praticar o bem nos torna melhores do que já somos. Sempre.

O mundo dos outros pode não espelhar aquilo que somos ou fazemos, mas o universo… Esse sim é o nosso grande espelho, e dele receberemos exatamente tudo aquilo que nele projetamos.

Nunca se decepcione. Mais a frente, a vida mostrará de forma inequívoca que tudo sempre valeu a pena. Viver vale a pena. Ser de verdade vale a pena. Sempre. 🙂

Vim trazer verdades 15

Os fenômenos da fé só são vivenciados por aqueles que tem fé. Portanto, se você está esperando algum milagre acontecer na sua vida para convencê-lo de que deve ter fé, é muito improvável que isso aconteça. Caia na real! A fé está a sua disposição o tempo todo, assim como Deus também está. Será que não é isso que está faltando na sua vida?

Einstein e Deus

Quando Einstein particupava de conferências em várias universidades dos EUA, a pergunta recorrente que os alunos faziam era:

– Você acredita em Deus?
E ele sempre respondia:
– Eu acredito no Deus de Spinoza.

Quem não havia lido Spinoza, não entendia a resposta.

Baruch de Espinosa, nascido de Benedito de Espinosa, foi um dos grandes racionalistas e filósofos do século XVII dentro da chamada Filosofia Moderna, ao lado de René Descartes e Gottfried Leibniz.

Este é o Deus ou a natureza de Spinoza:

Deus teria dito:

“Pare de ficar rezando e batendo no peito! O que quero que faça é que saia pelo mundo e desfrute a vida. Quero que goze, cante, divirta-se e aproveite tudo o que fiz pra você.

Pare de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que você mesmo construiu e acredita ser a minha casa! Minha casa são as montanhas, os bosques, os rios, os lagos, as praias, onde vivo e expresso Amor por você.

Pare de me culpar pela sua vida miserável! Eu nunca disse que há algo mau em você, que é um pecador ou que sua sexualidade seja algo ruim. O sexo é um presente que lhe dei e com o qual você pode expressar amor, êxtase, alegria. Assim, não me culpe por tudo o que o fizeram crer.

Pare de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo! Se não pode me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar de seus amigos, nos olhos de seu filhinho, não me encontrará em nenhum livro.

Confie em mim e deixe de me dirigir pedidos! Você vai me dizer como fazer meu trabalho?

Pare de ter medo de mim! Eu não o julgo, nem o critico, nem me irrito, nem o incomodo, nem o castigo. Eu sou puro Amor.

Pare de me pedir perdão! Não há nada a perdoar. Se eu o fiz, eu é que o enchi de paixões, de limitações, de prazeres, de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio. Como posso culpá-lo se responde a algo que eu pus em você? Como posso castigá-lo por ser como é, se eu o fiz?

Crê que eu poderia criar um lugar para queimar todos os meus filhos que não se comportem bem, pelo resto da eternidade? Que Deus faria isso? Esqueça qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei, que são artimanhas para manipulá-lo, para controlá-lo, que só geram culpa em você!

Respeite seu próximo e não faça ao outro o que não queira para você! Preste atenção na sua vida, que seu estado de alerta seja seu guia!

Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho, nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso. Esta vida é só o que há aqui e agora, e só de que você precisa.

Eu o fiz absolutamente livre. Não há prêmios, nem castigos. Não há pecados, nem virtudes. Ninguém leva um placar. Ninguém leva um registro. Você é absolutamente livre para fazer da sua vida um céu ou um inferno.

Não lhe poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso lhe dar um conselho: Viva como se não o houvesse, como se esta fosse sua única oportunidade de aproveitar, de amar, de existir. Assim, se não houver nada, você terá usufruído da oportunidade que lhe dei.

E, se houver, tenha certeza de que não vou perguntar se você foi comportado ou não. Vou perguntar se você gostou, se se divertiu, do que mais gostou, o que aprendeu.

Pare de crer em mim! Crer é supor, adivinhar, imaginar. Eu não quero que você acredite em mim, quero que me sinta em você. Quero que me sinta em você quando beija sua amada, quando agasalha sua filhinha, quando acaricia seu cachorro, quando toma banho de mar.

Pare de louvar-me! Que tipo de Deus ególatra você acredita que eu seja? Aborrece-me que me louvem. Cansa-me que me agradeçam. Você se sente grato? Demonstre-o cuidando de você, da sua saúde, das suas relações, do mundo. Sente-se olhado, surpreendido? Expresse sua alegria! Esse é um jeito de me louvar.

Pare de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que o ensinaram sobre mim! A única certeza é que você está aqui, que está vivo e que este mundo está cheio de maravilhas.

Para que precisa de mais milagres? Para que tantas explicações? Não me procure fora. Não me achará. Procure-me dentro de você. É aí que estou, batendo em você.”