Parque da Cidade – Niterói/RJ

Uma subida extenuante (pode ser feita de carro, mas perde e graça) para alcançar esse paraíso com temperatura de 18⁰ C (versus 24⁰ C na beira da praia) e uma vista absolutamente maravilhosa, que seria de 360⁰ não fossem as árvores (e que as árvores continuem por lá).

Mais do que recomendo a visita, quer seja para pular de asa delta/parapente, fazer exercícios/trilhas, tomar uma cerveja, comer no bistrô, passear com as crianças… Enfim… Curtir a vida. É simplesmente sensacional! 🙂

De quebra, fui novamente na Praia de Camboinhas e Deus me deu esses presente: uma coruja fazendo pose para foto!

Foi ou não foi um sábado mais do que abençoado? Obrigado, Deus!!! 🥰🥰🥰

Vacinado, seu babaca!

Estou vacinado. Não tem foto. Tem é vacina no braço. Tem é um ser humano que se virar jacaré, vai comer o cu de quem já deveria/poderia ter se vacinado e ainda não se vacinou porque é um completo babaca.

Não, não tem essa de não acreditar na vacina. A vacina sempre foi a única saída. Sempre. Foda-se a marca, o nome. E está aqui, no meu braço. Está aqui não só por mim, mas para todos nós.

Entendeu isso, babaca? Eu tomei a vacina e saí do posto de saúde sabendo que contribuí não apenas para a minha saúde e da minha família, mas também para a sua, babaca. Eu me preocupo com você e você não se preocupa comigo. Eis a nossa diferença.

A máscara continua. O álcool em gel continua. O distanciamento social continua. Só mudou uma única coisa: hoje, eu posso chamar com mais força ainda todos os babacas negacionistas desse mundo de babacas.

Não tem esse de “economia a gente deixa para depois”. Sem saúde, babaca, não tem economia. Não tem nada. Caiu no conto do Bolsonaro, né? É típico de um babaca cair no conto de outro babaca.

Quer se redimir? Abandone a sua seita e passe a se comportar como um ser humano digno. Pare de acreditar em cloroquina e ozônio no cu. Saia da bolha. Venha para o lado do bem.

Fique com Deus, babaca! Ainda há tempo. Apenas deixe de ser babaca!

VIVA A CIÊNCIA! VIVA A VIDA!

Todo final é triste

Os copos e os pratos ficaram sobre a mesa, porque voltaríamos para terminar o jantar. Nunca mais voltamos.

A comida, agora fria e fedorenta, terá como destino o lixo. Um desperdício diante da fome do mundo, da nossa fome em particular.

Os finais são sempre tristes. Final feliz talvez seja só a morte, porque este acaba de uma vez com toda e qualquer possibilidade de se conviver com outros finais tristes.

Mas ainda assim a morte é um final triste, porque mesmo a vida mais triste de todas, está permeada de momentos que são felizes. Incríveis. Inesquecíveis.

E talvez o amor seja justamente o espaço entre um final triste e outro. O lugar onde a comida ainda está quente e o vinho ainda não virou vinagre. Tudo no ponto e na temperatura certa. Mesa posta e exposta.

E hoje, quando lembro do nosso final triste, lembro dos momentos de amor que foram felizes. Não foram poucos. Eles eram e existem, e insistem em fazer graça, em me fazer sorrir, ainda que seja um sorriso triste.

E vou seguindo em frente, sendo feliz aqui e ali, torcendo para nunca mais ter que viver um final triste, muito embora eu saiba que essa é uma possibilidade que não existe.

Praia de Camboinhas

Fica em Niterói, cidade do Estado do Rio de Janeiro, terra onde eu nasci. Leva esse nome por conta de um navio cargueiro que encalhou na praia. Maiores detalhes aqui.

Mas nem é esse o motivo desse post. Há tempos que eu não ia nessa praia, e no final de semana passado tive a chance de matar as saudades. Foi um reencontro, digamos assim. Deus me brindou com um dia lindo, que foi registrado em uma fotografia que mais parece uma pintura.

Ao fundo, o Pão de Açúcar e o Cristo Redentor vistos de fora da Baía de Guanabara, de um ângulo pouco conhecido pelos cariocas (tecnicamente, niteroienses não são cariocas – são fluminenses). Aliás, dizem que a melhor coisa de Niterói é a vista para a cidade do Rio de Janeiro. Eu não concordo, mas também não discordo… Há como discordar vendo essa fotografia?

Era só isso mesmo. E na vitrola, não poderia ser outra música…