Minha comida

Eu tenho sonhos imensos
Desejos que nunca acabam
Vontades que nunca passam
A todo e qualquer momento

Se eu invento?
Não preciso e nem tento

A culpa é toda tua
Que o tempo todo desfilas nua
Na lascívia inexorável do meu pensamento

És da minha alma alimento
E eu te devoro
A todo e qualquer momento.