Procuro pessoas incríveis!

Eu não me canso de olhar esta imagem. Eu me sinto representado nestas palavras de forma absoluta!

Eu gosto de conhecer pessoas interessantes e cheias da histórias para contar. Pessoas que passaram por grandes adversidades e retomaram as suas vidas. Pessoas que estão passando por grandes adversidades e que eu possa eventualmente ajudar. Pessoas que podem me fazer crescer e superar minhas adversidades também, e que muitas vezes nem sabem o quanto são especiais!

Há tanta gente incrível, tanta gente maravilhosa andando por aí sem se dar conta da potência que nelas existe! O que eu quero para a minha vida é isso: é a chance de, no meio do nada, de maneira completamente inesperada, ter a chance de me encontrar com esse monte de gente ímpar, genuína, sem igual. Gente que me faz esquecer do relógio…

Eu vivo por estes encontros de alma com alma. A vida, pelo menos para mim, é exatamente isso. 🙂

Pernas

Sim, eu sinto ciúmes
Das tuas pernas
E da dança que promoves
Quando te deslocas
E a mim sufocas
Com teu caminhar.

É impossível vê-las
E não sentir ciúmes,
Porque que ainda que
Teu coração seja meu –
Ainda que por ora –
Tuas pernas,
A beleza e a leveza delas –
E da tua alma –
Fazem o mundo suspirar.

Alma limpa

Havia algo de despretencioso
No silêncio dos meus lábios
Nas batidas compassadas
No meu coração

Havia algo de belo
Na ausência das rimas
Na calmaria dos gestos
Nos meus pés no chão

Havia algo de precioso
Nas páginas dos livros
Nos filmes introspectivos
Na profunda reflexão

Havia algo de singelo
Nas brisa suave
Nos sonhos risonhos
No incondicional perdão

Havia algo
De novo
De novo
Eu havia.

Sonho muito

Sonho muito
No intuito
De que algo fortuito
Faça-me estremecer

Sonho muito
E ainda assim
A realidade nua e crua
Faz-me ser

Sonho muito
Com o essencial
O carinho e o abraço
Que fazem tremer

Sonho muito
Porque parece injusto
Ter a alma vazia
Querer e não ter

Sonho muito
Sonho com o sonho
Com um mundo risonho
Feito sol ao alvorecer

Sonho muito
Porque sonhar
É viver
E quem não sonha
É só mais um vulto
Que já se deixou morrer.

Cego-te

Despi-me do sonho
Vesti-me da verdade:
No que é invisível aos olhos
Teu gosto
Teu rosto
Os excessos do meu corpo
Corredeiras que jorrro –
Que pedes
E que encaras –
Morro
Esfrego
Puro gozo
E nos teus olhos
Acidentados de alma sanitária
Realizo-me
E nem disfarço.

Inquietude

Na segunda-feira, dia 15/04/2019, durante uma breve caminhada, as minhas velhas e queridas sandálias Havaianas soltaram as tiras. Foram 10 anos de um relacionamento intenso, vencido pelo cansaço. Ela descansou em paz.

Piadas deixadas de lado, me vi descalço, no meio de uma rua movimentada de minha cidade, e fiquei sem saber o que fazer. Até que me dei conta que havia sandálias bem perto de mim, penduradas em um mostruário na frente de uma farmácia.

Mesma cor, mesmo número, e segui em frente. Foi fácil. Eu tinha um cartão de crédito. Apenas mais um causo para ser contado, não fosse por um pequeno detalhe: eu não era o único sem sandálias naquela rua. Logo na saída da farmácia, havia um mendigo descalço. Não era eu, felizmente, mas isso me incomodou de uma forma que eu não consegui entender no momento.

Em casa, me dei conta do quanto foi fácil resolver a questão. Talvez menos que cinco minutos. E o mendigo? Resolveu a sua questão? Tinha consciência de que havia um problema para ser resolvido? Acostumou-se a viver sem uma solução? Por que eu tinha uma sandália e ele não?

Eu não consegui obter uma resposta minimamente satisfatória. Tentei pensar em todas as “possibilidades possíveis”, e me deparei com uma verdade aterradora: eu era um privilegiado. Eu tinha. O mendigo não tinha. E o mundo seguia em frente assim mesmo. Era assim.

E me senti devedor do mundo. E me lembrei que pago meus impostos, que também deveriam servir para combater a mendicância, a pobreza. E me lembrei das discussões religiosas e políticas sobre o assunto. Só que no meu coração não funciona na base do “eu já fiz a minha parte”. Há uma parte muito forte em mim que não se contenta em ver o errado, mesmo que eu tente fazer ou já tenha feito a minha parte. Eu sou um inconformado.

Dizem que a maturidade e a sabedoria vem com o tempo. Acredito, mas a minha inquietude só aumenta. É preciso fazer algo sobre isso. Não sobre a minha inquietude (eu a aceito como uma qualidade), mas sobre as mazelas do mundo, inclusive as minhas. A questão não é sentir culpa, mas como cidadão do mundo, é óbvio que carrego alguma.

Há um chamado dentro de mim para fazer coisas maiores do que já fiz e faço. Ainda estou tentando decifra-lo. Não quero calçar o mendigo. Quero mesmo é acabar com a mendicância. Sonho grande demais? E quem disse que tenho que sonhar pequeno?

Vou fazer a minha parte em pequenas doses. Em troca eu só quero uma coisa: nada. Para mim, ajudar os outros é algo egoísta. Ajudo porque me incomoda. Ajudo porque isso vicia. Amenizar a dor do outro ameniza as minhas dores também. É isso. Foi o que uma sandália arrebentada me ensinou.

Em frente, sempre. Mais inquieto ainda.

fernando_guifer_a_inquietude_da_alma_e_o_que_nos_permit_ld304g6