Procuro pessoas incríveis!

Eu não me canso de olhar esta imagem. Eu me sinto representado nestas palavras de forma absoluta!

Eu gosto de conhecer pessoas interessantes e cheias da histórias para contar. Pessoas que passaram por grandes adversidades e retomaram as suas vidas. Pessoas que estão passando por grandes adversidades e que eu possa eventualmente ajudar. Pessoas que podem me fazer crescer e superar minhas adversidades também, e que muitas vezes nem sabem o quanto são especiais!

Há tanta gente incrível, tanta gente maravilhosa andando por aí sem se dar conta da potência que nelas existe! O que eu quero para a minha vida é isso: é a chance de, no meio do nada, de maneira completamente inesperada, ter a chance de me encontrar com esse monte de gente ímpar, genuína, sem igual. Gente que me faz esquecer do relógio…

Eu vivo por estes encontros de alma com alma. A vida, pelo menos para mim, é exatamente isso. 🙂

Pernas

Sim, eu sinto ciúmes
Das tuas pernas
E da dança que promoves
Quando te deslocas
E a mim sufocas
Com teu caminhar.

É impossível vê-las
E não sentir ciúmes,
Porque que ainda que
Teu coração seja meu –
Ainda que por ora –
Tuas pernas,
A beleza e a leveza delas –
E da tua alma –
Fazem o mundo suspirar.

Não mais és

És o sonho que mais foi sonhado,
És o desejo que mais foi desejado,
És a loucura, a sanidade, a realidade, o devaneio,
És tudo que eu nao sabia que me faltava ou sobrava,
És tudo que eu sequer sabia que existia,
És o fim, o princípio e o meio.

Mas hoje,
Quando toca-me a pele o sol, a chuva, a brisa e o vento,
Quando chega as minhas narinas o aroma inebriante de um café,
Quando degusto o vinho maturado na mais incandescente saudade,
Quando ouço a música que me faz arrepiar a pele da alma,
Quando vejo-te mais perto, de perto, por perto…

Não posso mais dizer que és
E disso não me lamento:

Ouço o universo dizer que somos.

Alma limpa

Havia algo de despretencioso
No silêncio dos meus lábios
Nas batidas compassadas
No meu coração

Havia algo de belo
Na ausência das rimas
Na calmaria dos gestos
Nos meus pés no chão

Havia algo de precioso
Nas páginas dos livros
Nos filmes introspectivos
Na profunda reflexão

Havia algo de singelo
Nas brisa suave
Nos sonhos risonhos
No incondicional perdão

Havia algo
De novo
De novo
Eu havia.

Sonho muito

Sonho muito
No intuito
De que algo fortuito
Faça-me estremecer

Sonho muito
E ainda assim
A realidade nua e crua
Faz-me ser

Sonho muito
Com o essencial
O carinho e o abraço
Que fazem tremer

Sonho muito
Porque parece injusto
Ter a alma vazia
Querer e não ter

Sonho muito
Sonho com o sonho
Com um mundo risonho
Feito sol ao alvorecer

Sonho muito
Porque sonhar
É viver
E quem não sonha
É só mais um vulto
Que já se deixou morrer.

Cego-te

Despi-me do sonho
Vesti-me da verdade:
No que é invisível aos olhos
Teu gosto
Teu rosto
Os excessos do meu corpo
Corredeiras que jorrro –
Que pedes
E que encaras –
Morro
Esfrego
Puro gozo
E nos teus olhos
Acidentados de alma sanitária
Realizo-me
E nem disfarço.