O bem aquece a vida

No Centro de Niterói/RJ, durante a década de 1970, meu avô saía de casa aflito todas as vezes que chovia e ventava muito forte. Ele saía com uma caixa de papelão nas mãos, e um dia me chamou para ir com ele (para o desespero da minha mãe, pois eu era muito novo).

Fomos em direção à casa que abrigava a prefeitura na época, que era completamente cercada por árvores enormes. Diante delas, vi meu avô se abaixando e recolhendo o que pareciam ser pequenos frutos das árvores. Não eram. Eram pequenos pardais desfalecidos por conta da tempestade.

Então, já com a caixa cheia dos pequenos pássaros, meu avô voltou para casa, cobriu a caixa com um cobertor e a colocou no forno, em temperatura bem baixa e com a porta aberta. Instantes depois, meu avô retirou a caixa do forno e eu comecei a ouvir inúmeros e intensos piados. Quando a chuva passou, meu avô retirou o cobertor de cima da caixa, bem perto da janela da cozinha, e dezenas de passarinhos fortes e aquecidos, voaram pela janela em direção ao infinito, em direção à vida.

Aprendi ali com meu avô, bem cedo, que mesmo sem que um pardal lembrasse do meu avô ou se mostrasse minimamente grato a ele, o prazer de ver os pardais voltarem a voar significava para ele absolutamente tudo. Ele praticava o bem e o bem era a sua própria recompensa. Era evidente nos seus olhos e no sorriso que esbanjava para si mesmo.

Que nossos corações e nossas atitudes sejam como a caixa, o cobertor e o forno do meu avô. E que possamos fazer o bem sem esperar nada de ninguém, na certeza de que ver o outro se levantar diante de uma dificuldade é um dos mais sublimes experiências que podemos ter na vida.

Saudades de ti, Afonso Fonseca, meu adorável e inesquecível avô. Obrigado por ter me ensinado tantas e tantas vezes o que verdadeiramente vale a pena na vida.

Merda de poema

Não me importei com as falas,
Muito embora eu as sentisse.
Mas as perversões em riste,
Eram em mim cilícios lancinantes.

Saí de cena,
Emudeci-me,
Resignei-me.

Tomei rumo,
Prumo,
Vodka,
Gin,
Whisky,
Cerveja.

Mas quando a alma é pequena –
Se é que existe –
Nada de fato vale a pena,
Nem mesmo uma merda de poema.

Dona das flores

Tu és dona das flores

Que trazes quando chegas

E que deixas quando vais.

És o jardim onde quero ser sepultado,

O cálice que faz-me vivo,

E tudo de melhor que tenho desfrutado.

Tu és a dona das flores,

Que rega-me sem pudores,

E até em teus espinhos

Não sangro: me curo.

Tu és a dona das flores,

Que explodem em uma miríade as cores

No meu coração, na minha alma,

Na terra que ofereço fecunda

Para nossos brotos ainda por nascer.

Procuro pessoas incríveis!

Eu não me canso de olhar esta imagem. Eu me sinto representado nestas palavras de forma absoluta!

Eu gosto de conhecer pessoas interessantes e cheias da histórias para contar. Pessoas que passaram por grandes adversidades e retomaram as suas vidas. Pessoas que estão passando por grandes adversidades e que eu possa eventualmente ajudar. Pessoas que podem me fazer crescer e superar minhas adversidades também, e que muitas vezes nem sabem o quanto são especiais!

Há tanta gente incrível, tanta gente maravilhosa andando por aí sem se dar conta da potência que nelas existe! O que eu quero para a minha vida é isso: é a chance de, no meio do nada, de maneira completamente inesperada, ter a chance de me encontrar com esse monte de gente ímpar, genuína, sem igual. Gente que me faz esquecer do relógio…

Eu vivo por estes encontros de alma com alma. A vida, pelo menos para mim, é exatamente isso. 🙂

Pernas

Sim, eu sinto ciúmes
Das tuas pernas
E da dança que promoves
Quando te deslocas
E a mim sufocas
Com teu caminhar.

É impossível vê-las
E não sentir ciúmes,
Porque que ainda que
Teu coração seja meu –
Ainda que por ora –
Tuas pernas,
A beleza e a leveza delas –
E da tua alma –
Fazem o mundo suspirar.

Alma limpa

Havia algo de despretencioso
No silêncio dos meus lábios
Nas batidas compassadas
No meu coração

Havia algo de belo
Na ausência das rimas
Na calmaria dos gestos
Nos meus pés no chão

Havia algo de precioso
Nas páginas dos livros
Nos filmes introspectivos
Na profunda reflexão

Havia algo de singelo
Nas brisa suave
Nos sonhos risonhos
No incondicional perdão

Havia algo
De novo
De novo
Eu havia.