Todo santo dia

Também eu sei falar de coisas tristes,

De tudo de ruim que me aconteceu,

Das dores que me perseguiram inclementes,

Das saudades absurdas que me gelaram o peito,

Das vozes que, delirante, fingi que ouvi,

Das noites em claro e da sensação de quase morte,

Dos fins de tarde que pareciam o fim do mundo,

Do Apocalipse que comia e regurgitava minhas vísceras.

Ninguém por perto.

Medo diserto.

Respirar funesto.

Desenredo decerto.

Até que me dei conta

De que nunca me eximi,

Ou mesmo tentei fugir,

Das catástrofes que a mim –

E em mim –

Cabiam:

Tentar esquecer

Era, pois, a forma mais dissimulada

De me lembrar,

Todo santo dia,

De tudo que ainda me habitava

E de tudo que já me foi tudo um dia.

Crescendo…

Ninguém jamais perdeu algo na vida por ser honesto, sincero, verdadeiro, grato, compreensivo, carinhoso, amoroso, bondoso, cuidadoso e, acima de tudo, gentil.

Muitas pessoas alegam que perderam tempo sendo assim com pessoas que não mereciam, mas eu pergunto: qual é o mérito de ser somente assim com quem também é assim com você?

A vida é uma escola e somos eternos alunos. Cada vez que somos gentis, por exemplo, mais gentis nos tornamos. Praticar o bem nos torna melhores do que já somos. Sempre.

O mundo dos outros pode não espelhar aquilo que somos ou fazemos, mas o universo… Este sim é o nosso grande espelho, e dele receberemos exatamente tudo aquilo que nele projetamos.

Nunca se decepcione. Mais a frente, a vida mostrará de forma inequívoca que tudo sempre valeu a pena. Viver vale a pena. Ser de verdade vale a pena. Sempre. 🙂

Obrigado por ter despedaçado o meu coração – Fábio Teruel

Está com o coração doendo? Veja esse vídeo.

Felicidade é uma escolha

Imagine-se em um salão cheio de portas. Algumas abertas e outras fechadas. As fechadas você tenta abrir e não consegue. Estão trancadas. As abertas, cada uma delas leva a um lugar ou a uma situação diferente da sua vida. Levam a seu passado.

Sem saber o que fazer, você olha na parede do salão e percebe que há algumas instruções em um quadro:

“As portas abertas são o seu passado. Não a totalidade do seu passado, mas assuntos que ficaram pendentes na sua vida, muito embora você tenha feito todo o esforço possível para resolvê-los.

As portas fechadas são o seu futuro e novas realidades que o universo está disposto a lhe oferecer.

Observação: é preciso fechar as portas do passado para que as portas do futuro se abram. Não há uma relação direta entre a quantidade de portas fechadas no passado com as que se abrirão no futuro.”

Você se senta no meio do salão, sem saber o que fazer. Revisita as portas abertas. Há uma mistura de apego com saudade em algumas portas. Em outras, pura frustração.

Decide, então, começar por estas. Lembra-se de situações frustrantes, da sua responsabilidade sobre elas e das variáveis que não podia controlar. Tira destas situações lições, e vai fechando as suas respectivas portas, uma a uma. Você nota, inclusive, que uma porta aberta, depois de fechada, não pode ser mais aberta.

Ainda sem entender muito bem o que está acontecendo, você tenta abrir as portas do futuro. Nenhuma delas se abriu. Desconfiado, você volta até o quadro com as instruções e as relê, percebendo que está seguindo a risca o processo.

As portas que misturam apego e saudade são mais difíceis de serem fechadas. Por mais que você as olhe, sente-se impotente e pensa:

“Nossa… Há tantas coisas boas ali naquelas portas… Não sei se consigo fecha-las. Nesta aqui, por exemplo. Amei tanto… Fui tão feliz… Mas ao mesmo tempo, nada de bom acontece nesta porta há muito tempo. O que me faz mante-la aberta é a pena de que não tenha dado tudo certo como eu planejei e o medo de que nada parecido volte a acontecer comigo.”

E assim você se sente diante de todos as portas do passado que permanecem abertas. Tenta abrir as portas do futuro, até para ver se alguma das portas poderia substituir alguma do passado, mas as portas continuam trancadas.

Você volta ao quadro para reler novamente as instruções, mas percebe que elas mudaram. No quadro está apenas uma frase:

“Tenha fé no futuro.”

Sem saber o que fazer, você para diante de cada uma das portas abertas do seu passado e começa a fecha-las. Não todas. As mais fáceis, talvez. Sente um aperto no peito e lágrimas escorrem pelo seu rosto enquanto faz isso. Instintivamente, você tenta reabrir algumas delas, mas elas não se abrem mais. Estão trancadas.

Você sente um misto de desespero, desconfiança, e se sente um idiota por ter confiado em um quadro que muda aleatoriamente o texto que nele está escrito. Sua alma enche-se de medo. Seu coração dispara. Você sente-se enganado.

E depois de passar um longo período refletindo sobre o seu passado, uma semente de uma planta chamada “não tenho nada a perder” começa a brotar dentro do seu coração. E você volta diante das portas que ainda permanecem abertas e vai fechando-as uma a uma, até que se dá conta de que fechou todas.

Tenta abrir, então, as portas do futuro, mas elas permanecem fechadas. Revoltado, você volta até o quadro que agora diz apenas:

“O futuro é seu.”

E você ouve o barulho de muitas portas se destrancando. Todas as portas, tanto as do passado como as do futuro. Não pensa em reabrir as do passado, entretanto. Você já sabe o que há dentro delas. Tenta, então, abrir a primeira porta do futuro e adentra em uma sala cheia de outras portas, que por sua vez, conduzem à tantas outras portas. Nada muito interessante, e você resolve voltar para o salão.

Curioso, você vai abrindo todas as portas do futuro, uma a uma, e em cada uma delas há algo que você sempre desejou ou sempre quis. Algo que voce sempre achou essencial para a sua felicidade. Em uma delas, por exemplo, estava o parecia ser o emprego dos seus sonhos. Em outra, o possível amor da sua vida. Cada porta continha um aspecto importante e não menos relevante na sua totalidade, ao ponto de você não saber qual delas escolher.

Intrigado, você resolve voltar até a primeira porta que abriu. Afinal de contas, por que somente ela parecia não levar lugar algum? E para a sua surpresa, na porta estava escrito FELICIDADE. Você abre a porta e entra para ver se algo mudou, e se depara com o mesmo mundo em que vivia antes, mas com a certeza de que já não carrega dentro de si o peso e as dores do passado. O passado agora permanece dentro de você como memórias e histórias, que não mais doem ou assustam. E você olha para trás e se dá conta de que já não há mais porta alguma. Não há para onde voltar. E em um outdoor todo iluminado, bem a sua frente, um texto que você já conhecia:

“O futuro é seu.”

E então você começa a entender tudo e fala para si mesmo:

“O mundo não mudou, mas eu mudei. Estou pronto para o futuro. O futuro é meu.”

Tudo há de ficar bem

Tuas lágrimas não são motivo de vergonha. Tua dor merece todo o respeito do mundo. Teu receio do futuro é mais do que justificável. Teu medo de que tudo se repita é plausível. Tu estás ferida, machucada, com o coração apertado, e não há como fugir disso. Simplesmente não há.

Quanto mais resistires, pior será. Quanto mais evitares esta onda de sentimentos lancinantes, mais agudos eles se tornarão, e não irão embora enquanto não realizarem dentro de ti a proposta divina e universal da mudança.

Mudança necessária! Não estás vivendo tudo isto por acaso. É imperativo que acredites que a vida está a chamar-te para viver em um novo patamar, que não pode ser alcançado enquanto a dor, que ora age como implacável e rigoroso professor, atinja dentro de ti os seus objetivos.

Sê forte! Tem fé! Acredita na transformação necessária para que chegues ao teu destino. E quando lá chegares, não te esqueças das lições. Aprenda com teus erros e faça de tudo a teu alcance para que eles não se repitam.

É o que te desejo do fundo do meu coração, porque comigo foi exatamente assim. Só quando me entreguei para o que eu sentia e cheguei ao fundo do poço é que me dei conta de que o Deus que tira é o mesmo Deus que dá. Havia um propósito em minha aparente queda. E assim como no meu caso, Deus está trabalhando em tua vida. Tenha fé nisto.

Tu és uma obra de Deus e toda obra de Deus é perfeita. Repousa durante a noite, quando tudo parece ser 100 vezes pior do que realmente é, tendo a certeza disto. Deus é contigo hoje, agora e sempre.

Amém.

Cabelo verde

– Eu fiquei chateada porque a pessoa disse que eu sou um monstro! – disse a moça indignada.

– E se ela falasse que o teu cabelo é verde? – retrucou o seu amigo na tentativa de ajuda-la.

– Eu iria rir!

– Por quê?

– Porque meu cabelo não é verde!

– Então, por que você ficou chateada quando a pessoa disse que você é um monstro? Você também não é um monstro. Você sabe que você não é um monstro.

Quando uma pessoa mal intencionada questionar os seus valores e os seus princípios mais fundamentais, lembre-se sempre de quem você é. Esta é a única parte que verdadeiramente importa.

Não deixe que o outro deposite em você o lixo que é dele. Autoconhecimento é tudo!

* Texto adaptado/inspirado no trabalho do Dr. Gabor Maté.

Vim trazer verdades 47

Se eu pudesse dar um conselho para alguém, seja essa pessoa quem for, o conselho sempre seria o mesmo: conheça-se profundamente e ao extremo, em todos os detalhes.

Conheça as suas qualidades e os seus defeitos. Conheça como você opera, como você pensa, como você age. Saiba o que você faria e o que não faria. Saiba quais são os seus valores, quais são as suas crenças. Saiba o que você aceita e o que você não aceita. E, acima de tudo, saiba o que você é e também o que você não é.

Porque a vida vai te dar muita porrada. Vão jogar lixo na sua cara. Vão fazer acusações relacionadas à coisas que você sabe que jamais faria. Vão dizer coisas sobre a sua pessoa que você simplesmente sabe que não é. E isso vai acontecer no trabalho, em rodas de amigos, em relacionamentos românticos, na igreja, e em qualquer outro ambiente ou lugar.

Antes de perder seu tempo se justificando ou se explicando, consulte quem você é. A acusação merece defesa ou quem o acusa já o condenou? A ofensa merece o seu desequilíbrio emocional? É bem provável que não e isso por si só já é uma resposta. Aliás, o silêncio costumar ser a melhor das respostas.

Da próxima vez que tentarem de tirar do sério por qualquer motivo que seja, aprume-se. Quem se conhece não concede ao outro o direito de definir ou mesmo insinuar algo que seja diferente da sua essência. Quem se conhece não se abala com o julgamento dos outros.

Conheça-se. Esse é o único caminho.

Vim trazer verdades 41

CHEGA!

Chega de não chegar junto. Chega de fazer corpo mole. Chega de planejar um futuro sem estar presente no agora. Chega de gerundiar com minha vida. Chega, chega, chega!

Amo muito, mas não dá para amar por dois. Amor é construção e não estou disposto a construir “puxadinhos”. Quero muito, mas quero tudo agora, porque já vi vários dos meus hojes se transformaram em ontens, e por isso não dá para esperar “só mais um pouquinho”.

É pegar ou largar. Eu tenho fome de você e fome de viver. Entretanto, vida eu só posso ter uma e eu escolho viver.

Vim trazer verdades 39

Nossa visão imediatista diante da dor nos torna míopes. Tentamos evitar a dor a todo o custo, nem que para isso tenhamos que nos humilhar, usar e abusar de drogas (controladas ou não), e muitas vezes adotar até mesmo padrões de comportamento que colocam em risco a nossa integridade física, mental e espiritual.

NÃO!

A dor de hoje é, na maioria esmagadora das vezes, a felicidade de amanhã. É preciso que a vida leve o que não é nosso e o que não nos cabe, para que possamos evoluir e alcançar aquilo que é verdadeiramente nosso e alinhado com o propósito de nossa existência.

Portanto, não fuja da dor. Encare-a de frente e sinta-a em todas as suas dimensões, na certeza de que ela está preparando você para o melhor, que com certeza ainda há de vir.

Acredite no processo!