Anteparo

Considero uma das poesias mais bonitas que eu já escrevi. Gosto muito, muito desses versos.

Anteparo

Parece que cresce
Que remexe, que tece
Que cria raízes
Mas é fotografia
De álbum antigo
De melancolia

Só que é tão presente
Que quando ausente
Não deixa nem respirar
E quando presente
Faz o não coerente
Para a razão se ausentar

Talvez seja eterno
O jeito mais que doce
De não falar de amor
De um amor tão calado,
Que berra pecados,
Que urra e canta…

A beleza de amar
O que o torpe destino
Não quis coroar
Pois nem coroa apresenta
E seu cetro só ostenta
Lágrimas de um trovador

E nesse império
De luxúria e mistério
Rego com lágrimas o que plantei
Um sopro de vida
Uma divina rotina
De carinhos não meus

Quem sabe outra chance
Outro dia, outro lance,
Com a sorte desnuda
Feito meu peito rasgado
Pelos lábios molhados
Que eu afirmo: são meus.

Que sirva de aviso –
Não há prejuízo
Em amar até morrer
Pois até no desamparo
O amor é o anteparo
Dos males do eu.

coracaopaixao

Cachorra

Se não for para morder,
Não rosne.
Mas se for para morder,
Também não rosne.

Não quero seus avisos;
Quero seus ataques.

E sim…
Quero que seja uma cachorra!

CACHORRA!

Venha balançando o rabo,
Salivando,
Doida para me lamber,
Doida para receber meus carinhos,
Doida para se esfregar em mim.

Vou aproveitar e te ensinar alguns truques,
Com direito a petiscos no final.

E depois de todo alvoroço,
Que você se deite –
Colada em mim –
E fique.

Obedeça-me!

Simplesmente fique.

E que fique claro:
Não ligo para pedigree.

Mas se for para ser minha cachorra,
Que seja só minha cachorra,
Posto que só quero uma cachorra
Para muito bem amar e cuidar
Até o fim.

É teu

Gosto do jeito que me olhas:
Tu me vês melhor do que sou
Mais do que sou

Vês-me no futuro do presente
Em campos verdejantes
Em melhores e mais fartos dias

Gosto do jeito que me ouves:
Tu afagas minha cabeça
Enquanto digo em silêncio

Respeitas minhas dores
Meu passado, minhas flores
Meus cabelos acaricias

Gosto do jeito que me cheiras:
Pressentes e sentes
Os meus apelos e arrepios

Perfumas minha alma
Nos recantos do teu leito
Verdades me propicias

Gosto do jeito que me provas:
Tua língua em meu corpo
Meu corpo em tuas mãos

Sabores que eu desconhecia
Ofereces-me sem pudores
De todas as formas me sacias

Gosto de como me tocas:
Feito agora, sem demoras
Noite adentro, sem alento

Tocas fogo em minha pausas
Revigoras minhas entranhas
E fazes jorrar minhas fantasias

Mas acima acima de tudo
Gosto da tua capacidade
De dar sentido
Aos meus sentidos
Sinto-me amado
Sinto-me querido
Sinto-te
E o que eu sinto
É teu.

Sem palavras

Você me conquistou no dia em que eu precisei ir
E sem palavras você me disse: “eu te espero”

Acabei por voltar de onde nem era o meu lugar
E sem palavras você me disse: “eu te quero”

E por fim, trocamos olhares tomando vinho no chão da sala
E sem palavras você me disse: “eu te amo”

Estou até agora sem palavras
E eu não sou de ficar sem palavras

Mas mesmo que eu tivesse todas as palavras
Meu coração resiste e ao mesmo tempo insiste
Para que eu lhe diga sem palavras: “eu também”.

Travesseiro

Na tentativa de abafar
Com um travesseiro
Os gritos e gemidos
Que jorravam de sua boca
Em meio a todos aqueles aguaceiros
Acabou por se entregar
Ainda mais
Muito, muito mais
E fez rugir e estrondar
A cama, o quarto
E nossos corpos inteiros.

Punas-me!

Silêncio…

Só consigo sentir os teus gemidos
Tuas coxas selaram meus ouvidos

Falar eu não consigo
E ainda assim com fúria te bendigo

Por que fazes isso comigo?

Teu ventre é um perigo
Mereço de fato este castigo?

Mereço
E pior do que isso:
Quero sempre mais

Punas-me!