Meu Corvo

Na medida em que a noite passava

Em penúria absoluta de repouso

E que em posição fetal

Meu corpo se confortava

Uma anjo de carne e osso

Tomou-me em seus braços

E despertou-me de mim

Em seus beijos e abraços

 

E diante deste alvoroço

Meu corpo e alma acalmaram-se

Após um dia para lá de insosso

Impávido levantou-se, então

O adormecido colosso

E hasteou sua bandeira

Lembrando-me:

Também ser de carne e osso

 

E desde então

As noites não são mais

Um agonizante estorvo

E você, meu angelical corvo

Resgatou-me do mundo dos mortos

Onde havia pilhas e mais pilhas

De putrefatos corpos

Que morreram na espera

De um anjo redentor

Morreram, de fato

Esperando…..

Esperando……….

Esperando…………….

Por amor.

corvo-do-norte-2-forma-de-corvo

Dia da Bandeira – Eu (ainda) acredito!

Por mais que esteja tudo indo de mal a pior, a instituição Brasil deve e pode ser maior do que tudo isso. Depende de nós. Pense no que você pode fazer. Não cabe a mim e nem a ninguém ensinar alguém a amar sua pátria. Aliás, se ainda não ficou claro, se falo mal dela é porque ainda a amo.

Ouça esse hino ao lado dos seus parentes. Mostre a seus filhos e a seus netos as nossas vitórias e tente, de alguma forma, transmitir uma mensagem de esperança.

Que Deus proteja o Brasil!