Expiação

De joelhos

Minha fraqueza

Meu cansaço

Eu confesso

E rogo por perdão

Do amor em mim

Sempre manifesto

E que agora

Faz tremer

Meu coração

Que deságua

Em sangue

De meus olhos

Funestos

 

Eis-me aqui

Ao léo

Diante deste

Tenebroso

E assombroso

Céu

Firmamento?

Puro tormento

Cilício da alma

Cruz do que sou

Não há nada

Por inteiro

Todo sangue

De mim

Já jorrou

 

E que essa dor

Seja cura

Para meu corpo

Ante a súplica

Que dessa carcaça

Emudecida

E apodrecida

Ainda ferozmente

Urra

E que o amor –

Ora carrasco

Ora salvador –

Purifique a alma

E traga-me a calma

Para acreditar

Ser concebível

Ainda que impossível

Amar sem sentir

Ou sem ser

Pura

E infinita

Dor.

rose-at-night-0

Na base da força

Só sei do que sentes

Porque entre um orgasmo e outro

Tua mente não faz mais nada

Além de se despir

 

Não que teu corpo nu revele pouco

Mas nunca quis só isso

E sabes bem disso

Pois minha mente para ti está sempre despida

 

O que eu quero tens por dentro

Mistura de perfume e veneno

Que aprendi a degustar, saborear

E que por por mais que eu me acostume

Queima-me sempre –

Onde jaz meu sistema imune?

 

Pudera…

Até eu estava cansado do meu azedume

Eu já não sentia graça como de costume

E tu estavas lá – Onde?

Nem eu sei

Mas me chamavas para voltar

 

E eu vim a força –

Na tua força, já que eu não tinha

Nada além do insuficiente

Para carregar minha carcaça carente –

Ardente, água ardente, aguardente

Sedento por amor, por vida

 

Vivo…

E ainda assim, castigo!

Longe ou perto, tanto faz

Sempre completamente despidos

Corpos e almas unidos

Por alianças e sonhos

Avassaladoramente eternais.

forca-de-vontade

Descartando Descartes

O que fazer com o que não se entende?

Paciência dizem uns

Sabedoria dizem outros

Terapia dizem alguns

Bebida dizem quase todos!

O que eu digo?

Não aceito e duvido!

 

 

Eu sei dos meus motivos!

A grande verdade

É que minha mente cartesiana

Se nega a entender

Conjunturas e fatos são irrelevantes

Quando é o coração que está a doer.

 

Sangra, pobre coitado!

Ainda que com a carcaça lançada aos abutres

A alma facciosa não desapega-se de sua cruz.

dor de amor