Repara!

Olha
Aceita
Encara
Repara!

Repara em quantos dias nós já perdemos
Torcendo para que os dias que já perdemos
Não sejam tão muitos

Repara no que não dissemos
No que não vivemos
No que não mais somos…

Ah, meu amor…

Repara!

Porque a vida não para
Estamos cobertos por escaras
E nossos corações jazem intranquilos.

Eu vou respeitar o meu coração

Eu vou respeitar o meu coração
Em qualquer situação
Em todo momento
Durante todo o tempo
Até a última hora

Nem sempre o entendo
Mas sempre o respeito
Para ele não ir embora

Guardo dentro dele coisas gigantes
Tesouros incalculáveis:
Sonhos
Pessoas
Futuro
Presente
Passado

Um pouco de tudo
Até mesmo do nada
Mas nenhum centavo
Nada do que me pode
Ser tirado

E há momentos
Em que ele não cabe dentro de mim
E foge pelas minhas mãos
Feito pichador
Que nas paredes do meu mundo
Liberta-me pintando poesias

Talvez as coisas andem
Um pouco desarrumadas
Mas nele está
Tudo que deveria estar

E quando ele se agita –
E sempre se agita –
Desarruma-me
Mas é justamente desarrumado
Completamente desarrumado
Que me sinto mais vivo
Mais no rumo
Seja lá qual rumo for

Eu já quis ter o poder
De decidir o que nele ficaria
Ou o que nele eu colocaria
Quanta hipocrisia!

Mas não…
É melhor não…
Ele tem vida própria
E eu só tenho o que chamam de razão.

Há tanta coisa acontecendo

Há tanta coisa acontecendo
E eu aqui convencendo meus desejos
A desejar quem de fato me deseja
A não andar na contramão

Há tanta coisa acontecendo
E eu receando novos beijos
Que outrora já foram meus
Que deixei na mais pura escuridão

Há tanta coisa acontecendo
E eu diante do meu espelho
Olhando dentro de mim mesmo
Dizendo não ao sim e sim ao não

Há tanta coisa acontecendo
Os convite que finjo que não recebo
Que estão ao toque dos meus dedos
Que abrandariam toda sofreguidão

Há tanta coisa acontecendo…

Eu estou acontecendo
Crescendo e me fortalecendo
Libertando-me do passado
Por respeito a mim mesmo
E ao que de mais sagrado tenho:
Meu sincero coração.

Não mais és

És o sonho que mais foi sonhado,
És o desejo que mais foi desejado,
És a loucura, a sanidade, a realidade, o devaneio,
És tudo que eu nao sabia que me faltava ou sobrava,
És tudo que eu sequer sabia que existia,
És o fim, o princípio e o meio.

Mas hoje,
Quando toca-me a pele o sol, a chuva, a brisa e o vento,
Quando chega as minhas narinas o aroma inebriante de um café,
Quando degusto o vinho maturado na mais incandescente saudade,
Quando ouço a música que me faz arrepiar a pele da alma,
Quando vejo-te mais perto, de perto, por perto…

Não posso mais dizer que és
E disso não me lamento:

Ouço o universo dizer que somos.

Coração tranquilo

É fácil

Olhar para o outro

Julgá-lo e condená-lo

Sem sequer ouvi-lo

 

É fácil

Ser injusto

Fechar os olhos e ouvidos

Ignorar sentimentos e distorcer sentidos

 

É fácil

Dar as costas

Ignorar os fatos

Distorcer o passado que já serviu de abrigo

 

É fácil

Sempre será mais fácil

Eximir-se de culpa

Ferir quem já está mais do que ferido

 

Mas o tempo tudo mostra

E revelar-se-ão as respostas

As intenções e as propostas

Do fundo de um coração tranquilo

 

Se a cruz for ter amado –

Em nome de Deus, ter amado –

Ainda que o amor seja negado

Permanece vivo, sagrado e sossegado

Nos feitos e atos de um coração tranquilo.