Salvando vidas

E aí, duas senhoras de 70 e poucos anos se encontram enquanto estão atravessando a rua. Se abraçam e se beijam exatamente no meio da rua. “Quanto tempo!” Eu estava atravessando junto e prestando atenção na alegria delas. Algo bonito de se ver. Cabelos brancos… A amizade parecia ser antiga e preciosa.

O sinal estava aberto para os carros, mas não havia nenhum por perto. Só que depois do abraço, dos beijos e de uma pequena conversa entre as duas, um ônibus dirigido por um “piloto” surgiu do nada. Sim, o sinal permanecia aberto para os carros e elas estavam bem no meio da rua.

Meio que no reflexo, abraço as duas senhoras (o objetivo não era fazer um ménage) e as puxo para a calçada. Uma delas grita: “Tarado!” O marido de uma delas, que já estava do outro lado da rua (cagou para a esposa), gritou com a bengala em punho: “Fique aí que vou te pegar, seu pervertido!” Aproveitei que havia várias pessoas indo na direção que eu tinha que ir, e feito um bandido, tirei o meu casaco bege para ficar com minha camisa branca e não ser reconhecido. Acelerei o passo e me certifiquei que não estava sendo seguido. “Ufa! Da próxima vez, dou um empurrão ou uma banda ao invés de um abraço.”

Se alguém conhecer essas senhoras, favor explicar que eu só estava querendo salvar a vida delas, ok?

contos-de-fadas-tricae

E eu achando que estava ajudando…

Voltando da academia, me deparei com uma senhora com óculos escuros, cabelos muito brancos, e muito esguia. Como estava com uma muleta em um dos braços, um carrinho de compras no outro (daqueles de rodinhas que se leva para o supermercado) e de óculos escuros, foi instintivo perguntar se ela precisa de ajuda atravessar a rua já segurando em um de seus braços. E ela me respondeu:

– Precisar de ajuda eu não preciso. Estou só esperando o sinal fechar. Mas diante de tanta gentileza, agora eu faço questão.

Havia algo na voz dela. Um carinho diferente, angelical. Não me contive. Fui às lágrimas. E enquanto esperávamos o sinal fechar, sem olhar para mim, ela me perguntou:

– Por que você está chorando?

E eu respondi:

– Não sei explicar… Eu simplesmente fiquei emocionado com a maneira que a senhora falou comigo…

Eu não sabia mais o que dizer. O sinal abriu, e enquanto caminhávamos, ela me disse o seguinte:

– Não importa se vêem ou aceitam as suas gentilezas. Deus sempre vê tudo.

E aquela voz doce e serena, se transformou em alento. Minhas lágrimas secaram. Quando eu a deixei do outro lado da rua, agradeci de maneira humilde. E ela mais uma vez me surpreendeu:

– Eu que ganhei o meu dia.

Acho que nunca ganhei tanto fazendo tão pouco. E eu achando que estava ajudando…

frases-de-deus-7