Aqui é Brasil, porra!

Esta bandeira não tem partido e nem político de estimação. Esta bandeira é o que somos no passado, no presente e no futuro. Esta bandeira transcende quem está, esteve ou estará na presidência. Esta bandeira é tua, é minha, é nossa, sob as bênçãos de Deus e de Nossa Senhora de Aparecida. O resto são só bravatas e gente que não vale o pão que come.

Nem A e nem B. Aqui é Brasil, porra!!!

Em Deus eu confio

Dei-me conta de que quando eu rezava pedindo para que fosse feito o melhor por nós (por ela e por mim), estava pedindo para Deus afasta-la de minha vida. Não havia o tal nós e era justamente isso que eu não entendia, que eu não sabia, que eu desconhecia. Eu era só um ator coadjuvante em um filme de quinta categoria, induzido ao erro 24 horas por dia. Manipulado por completo por uma pessoa que sempre me dizia: “Confia em mim. Me espera. Nós vamos ficar juntos”. E ela falava essas coisas olhando dentro dos meus olhos…

Não nasci para isso! Nasci para ser protagonista da minha própria vida. E por mais que doa perceber que nunca (repito: nunca!) fui nada, absolutamente nada além de uma peça em um jogo perverso sem possíveis vencedores, foi nessa descoberta que encontrei toda a força necessária para seguir adiante.

A verdade liberta. Hoje, eu sou livre. Dou graças a Deus por isso. E sigo em frente de cabeça erguida, com a consciência tranquila, e agradecido pela chance de poder recomeçar mais uma vez.

Em Deus eu confio. Sempre.

You Raise Me Up – by Josh Groban

Não é uma música qualquer. É uma oração que me toca profundamente. Que ao ouvi-la, você sinta a presença de Deus em sua vida. Amém.

You Raise Me UP
(Josh Groban)

When I am down, and, oh, my soul, so weary
When troubles come, and my heart burdened be
Then, I am still and wait here in the silence
Until you come and sit awhile with me

You raise me up, so I can stand on mountains
You raise me up to walk on stormy seas
I am strong when I am on your shoulders
You raise me up to more than I can be

You raise me up, so I can stand on mountains
You raise me up to walk on stormy seas
I am strong when I am on your shoulders
You raise me up to more than I can be

You raise me up to more than I can be

Dia dos Pais – 2021

Não quero presente neste dia. Quero estar presente e estou presente na vida da minha filha. Isso é tudo que realmente me importa e me define como homem, como ser humano.

A paternidade é uma benção incomparável. É uma espécie de super poder, e bem sabemos que com grandes poderes, surgem as grandes responsabilidades.

E é assim na minha vida: minha filha em primeiro lugar. Educa-la e fazer dela um ser humano de bem é a minha maior prioridade e responsabilidade. Eu a crio para o mundo, muitas vezes para enfrentar situações que eu sequer tive que enfrentar (mundo diferente, gerações diferentes), se utilizando dos valores que eu considero corretos (sou cristão) e que faço questão de que ela leve consigo.

Educai as crianças, para que não seja necessário punir os adultos.

Pitágoras

E nesse sentido, no Dia dos Pais, gostaria de convidar aos pais (e mães também) para uma reflexão. Estariam os pais exercendo a sua obrigação de educar os seus filhos ou deixando tal indelegável e inadiável tarefa para a escola, para os meios de comunicação e para ativistas de todos os tipos, que muitas vezes estão até mesmo dentro das escolas? Estariam os pais sendo pais ou apenas provedores financeiros? São perguntas que já me fiz, que creio serem perguntas que todos pais deveriam se fazer.

É importante deixar claro que os nossos filhos serão educados de uma forma ou de outra. Na medida em que os pais abrem mão de educar seus filhos, outros farão esse papel, muitas vezes contra os melhores interesses de nossas crianças e adolescentes.

Se queremos um futuro melhor para os nossos filhos, é importante que este futuro melhor comece e esteja dentro deles. Os ditos movimentos progressistas veem nossos filhos como massa de manobra a ser doutrinada e utilizada de acordo com suas ideologias. Foi para isso que colocamos nossos filhos no mundo? Eu tenho certeza que não.

Então, fica o alerta: sejam pais! Participem! Se interessem! Lutem pelo que acham certo para seus filhos! E estarão fazendo isso não só pelos seus próprios filhos, mas também para a nossa sociedade como um todo. Tenho certeza de que, no futuro, seus filhos e os filhos de seus filhos agradecerão por isso.

Feliz Dia dos Pais!

Vim trazer verdades 32

Troquei o “pelo amor de Deus” por “graças a Deus” e muita coisa mudou em minha vida.

Se é Deus quem está no controle, que assim seja. Ele sempre sabe o que é melhor para mim.

A mala

Demorei a desfazer a minha mala, porque eu sabia que desfazê-la era o mesmo que desfazer-me.

Fui tirando as peças de roupa e revivendo histórias, memórias. Deparei-me com porvires que nunca virão e com garrafas de vinho que jamais serão abertas. Brotaram declarações de amor tarja preta, beijos esquecidos e orgasmos retorcidos, sepultados sem choro e nem vela.

No fundo da mala, uma medalha de Nossa Senhora de Fátima e um paninho da minha filha, daqueles que crianças usam para dormir. Toda vez que eu viajava, ela colocava o paninho na minha mala e me dizia: “Leva esse paninho para você não se esquecer de mim!”

Fitei a medalha e levei instintivamente o paninho até meu rosto. Respirei fundo e me dei conta de que tudo que realmente importava na minha vida estava ali. Tudo vivo. Tudo sagrado. Tudo resguardado.

Fiz uma prece e usei o paninho para enxugar algumas lágrimas que insistiram em rolar pela minha face. Agradeci pela minha vida, pela vida da minha filha, pelo que deu certo e até mesmo pelo que deu errado. Simplesmente agradeci. Entreguei-me, por fim, a minha realidade burlesca.

Da alça da mala, retirei a etiqueta da companhia aérea. Lembrei-me do voo turbulento e da volta antecipada. Lembrei-me da turbulência em minha vida, mas voar continuava a ser uma necessidade premente. Não era opção. Era vocação. O próximo destino? Nas mãos de Deus.

Fechei a mala e a guardei em um canto do quarto. Coloquei a medalha na minha carteira e o paninho sobre meu travesseiro. Fui dormir mais tranquilo. Naquele dia, encarei o meu medo e ele covardemente me disse adeus.

Parque da Cidade – Niterói/RJ

Uma subida extenuante (pode ser feita de carro, mas perde e graça) para alcançar esse paraíso com temperatura de 18⁰ C (versus 24⁰ C na beira da praia) e uma vista absolutamente maravilhosa, que seria de 360⁰ não fossem as árvores (e que as árvores continuem por lá).

Mais do que recomendo a visita, quer seja para pular de asa delta/parapente, fazer exercícios/trilhas, tomar uma cerveja, comer no bistrô, passear com as crianças… Enfim… Curtir a vida. É simplesmente sensacional! 🙂

De quebra, fui novamente na Praia de Camboinhas e Deus me deu esses presente: uma coruja fazendo pose para foto!

Foi ou não foi um sábado mais do que abençoado? Obrigado, Deus!!! 🥰🥰🥰

Pegadas no céu

Eu até me via
Do teu lado no altar
Agradecendo a Deus por tudo
Indo de encontro ao mundo
Sem precisar sair do lugar

E os meus versos repetidos
Repeti-los-ia todos os dias
Porque não eram só versos
Eram orações e preces
Agradecimentos e euforias

Havia verdade nos fartos goles
Paixão nas inesquecíveis garfadas
Desejos confessos com os olhos
Declarações em todos os gestos
Afagos entre almas apaixonadas

E nas areias vida afora
Nas pegadas que deixamos no céu
Conversas que transbordam a memória
Muitas, todas inesquecíveis histórias
De um amor que foi tudo, menos vão.