Cada vez mais distante

A verdade não me deixa sem chão

Muito pelo contrário:

A verdade me dá asas

E do alto

Eu vejo e me vejo

Cada vez mais distante.

Comigo

Não sei…

Não consigo me expressar

Deixo para que o tempo diga

O que o tempo dirá

 

Verborragicamente me calo

Silêncio…

Nem eu me aguento

Estou sem só de mim

 

Espreito a chance

Aquele peculiar instante

O tórrido romance

Do meu eu contigo

 

E eu sigo

Confiante

Perto ou distante

Carrego-te comigo.

Sem arrependimento

Nada me faz mais falta do que ainda não vivemos

Acho que merecíamos, quem sabe

Usufruir do direito de nos arrependermos

 

Eu deito minha cabeça no travesseiro e sinto

Que por mais que insistamos nos rodeios

Fugimos do inevitável, do que não pode ser extinto

 

E assim, nessa disputa de para lá de infantil

Vamos em frente, confiantes, próximos e distantes

Ignorando que foi o amor que nos chamou e nos uniu

 

Felicidade, espera por nós!

Talvez em alguma curva ou atalho do caminho

A encontremos novamente

Por favor, nos perdoe por isso…

Não se deve fugir ou ignorar o que se sente

 

Se essa era a lição

Que venha a próxima

Não vamos desistir nunca

NÃO!

17FEVEREIRO2015-ARREPENDIMENTO-CHAVE-PRA-MUDANÇA