Dream Theater – The Bigger Picture

Essa música não sai da minha cabeça… É um primor em todos os sentidos. A criação de vários climas e texturas, a letra, a parte instrumental… Enfim. É para ouvir em silêncio absoluto prestando atenção em todos os detalhes.

Nunca devemos subestimar as letras criadas por bandas de rock mais pesado. Em muitos casos, estimulam a reflexão e auto-crítica, algo que é fundamental para quem “patina” na vida.

“What If caught in a moment
I get lost and can’t find my way
What if all along I was wrong
In every turn, In every way
Would you talk me off the ledge
Or let me take the fall
Better to try and fail
Then to never try at all

You look but cannot see
Talk but never speak
You live but cannot breathe
See but don’t believe
Wounds that never heal
A heart that cannot feel
A dream that’s all too real
A stare as cold as steel

I’ve listened to the stories of resentment and disdain
I’ve looked into the empty eyes of anger, fear, and shame
I’ve taken blood from every stone
And traveled every road
When I see the distant lights illuminate the night
Then I will know I am home”

P.S.: Não sei deixe levar pelo “guitarra pesada é coisa de metaleiro”. Ouça. Diga o que acha depois. 🙂

Dream Theater – The Bigger Picture

AGORA BABOU

Essa música não sai da minha cabeça… É um primor em todos os sentidos. A criação de vários climas e texturas, a letra, a parte instrumental… Enfim. É para ouvir em silêncio absoluto prestando atenção em todos os detalhes.

P.S.: Não sei deixe levar pelo “guitarra pesada é coisa de metaleiro”. Ouça. Diga o que acha depois. 🙂

Ver o post original

Wither – Dream Theater

Like reflections on the page
The world’s what you create

Uma obra de arte em TODOS os sentidos possíveis. Isso sim é música de verdade.

Let it out, let it out
Feel the empty space
So insecure
Find the words
And let it out

Staring down, staring down
Nothing comes to mind
Find the place
Turn the water into wine

But I feel I’m getting nowhere
And I’ll never see the end

So I wither
And render myself helpless
I give in
And everything is clear
I breakdown
And let the story guide me

Turn it on
Turn it on
Let the feelings flow
Close your eyes
See the ones you used to know

Open up open up
Don’t struggle to relate
Lure it out
Help the memory escape
Still this barrenness consumes me
And I feel like giving up

So I wither
And render myself helpless
I give in
And everything is clear
I breakdown
And let the story guide me

I wither
And give myself away

Like reflections on the page
The world’s what you create

I drown in hesitation
My words come crashing down
And all my best creations
Burning to the ground
The thought of starting over
Leaves me paralyzed

Tear it out again
Another one that got away

I wither
And render myself helpless
I give in
And everything is clear

I wither
And render myself helpless
I give in
And everything is clear
I breakdown
And let the story guide me
I wither
And give myself away

Like reflections on the page
The world’s what you create

Dream Theater – Scenes From A Memory

Para mim, um dos maiores álbuns de todos os tempos. É preciso gostar de rock progressivo, mas a experiência é absolutamente única.

“Trata-se de um álbum conceitual sobre o personagem Nicholas e a descoberta de sua vida passada.”

Maiores detalhes aqui.

Divirtam-se!

Sexta-feira progressiva: Dream Theater

Uma música no máximo por álbum lançado pela banda Dream Theater (EPs, singles, bootlegs e discos ao vivo estão de fora) é o objetivo de hoje. Trabalho difícil. Se eu fizer a mesma seleção amanhã, pode ser que as escolhas sejam diferentes.

Vamos lá! Espero que divirtam-se assim como eu me diverti fazendo essa seleção. 🙂

When Dream And Day Unite

Images And Words

Awake

A Change of Seasons

Falling Into Infinity (a versão ao vivo foi utilizada por ser sensacional)

Metropolis Part 2: Scenes From A Memory

Six Degrees of Inner Turbulence

Train of Thought

Octavarium

Systematic Chaos

Black Clouds And Silver Linings

A Dramatic Turn of Events

Dream Theater

Bom final de semana para todos!

Dream Theater – Deep Beneath The Surface

Sim, a música é lindíssima. Nunca subestime o pessoal que toca música pesada quando o assunto são baladas e músicas românticas.

É uma música triste. Uma música que fala de amor, de desencontro, de indiferença, e fim. Muitas histórias que, por um motivo ou por outro, acabam assim.

A letra está no próprio vídeo, mas vou coloca-la no final de qualquer maneira.

Apreciem sem moderação.

Deep Beneath The Surface
(Dream Theater)

Is there ever really a right time?
You had led me to believe
Someday you’d be there for me.

When the stars above aligned,
When you weren’t so consumed…
I kept looking for the clues.

So I waited in the shadows of my heart
And still the time was never right.

Until one day I stopped caring
And began to forget why I longed to be so close.
And I disappeared into the darkness
And the darkness turned to pain
And never went away
Until all that remained
Was buried deep beneath the surface.

A shell of what things could have been.
Tired bones beneath a veil
Of guarded secrets all too frail
Sad to think I never knew
You were searching for the words,
For the moment to emerge.

Yet, the moment never came.
You couldn’t risk my fragile frame.

Until one day you stopped caring
And began to forget why you tried to be so close.
And you disappeared into the darkness
And the darkness turned to pain
And never went away
Until all that remained
Was buried deep beneath the surface.

I would scream just to be heard,
As if yelling at the stars.
I was bleeding just to feel.

You would never say a word.
Kept me reaching in the dark.
Always something to conceal.

Until one day I stopped caring
And began to forget why I longed to be so close.
And I disappeared into the darkness
And the darkness turned to pain
And never went away
Until all that remained
Was buried deep beneath the surface.

Beneath the surface.

Sexta-feira, cerveja e música – Parte II

Continuando… A cerveja continua a mesma. Para acompanhar, salame e batata-frita. E vamos que vamos! 🙂

Stevie Ray Vaughan – Tin Pan Alley. Bom, esse é o que morreu no lugar do Eric Clapton. Não que eu não goste do Eric Clapton, mas em termos de pegada na guitarra, difícil de encontrar outro igual. Está no rol dos melhores guitarristas de todos os tempos, sendo esse Blues por ele interpretado absolutamente bizarro!

Stevie Ray Vaughan – Love Struck Baby. Dispensa comentários. 🙂

Joe Bonamassa – Stop. Bom… Se você não conhecesse esse cara e gosta de Blues, está na hora de conhece-lo. Não perca tempo! A voz dele é sensacional e a pegada na guitarra também!

Joe Bonamassa – I’ll Take Care Of You. Se você já acha o Bonamassa foda, imagina como é ele ao vivo com uma mulher que canta horrores! O nome dela? Beth Hart! É simplesmente absurdo!

Led Zeppelin – Since I’ve Been Loving You. Sim, os roqueiros fizeram um dos melhores blues de todos os tempos! Vale a pena conferir!

Dokken – Night By Night. Essa banda contava com o monstro chamado Geoge Lynch, que eu tive o privilégio de conhecer pessoalmente. Essa música é absolutamente fantástica!

Flying Colors – Kayla. Nessa banda está ninguém menos do que Steve Morse, junto com o monstro sagrado Mike Portnoy (ex batera do Dream Theater). Só ouvindo para sacar a vibe desse som. Espetacular!

Dream Theater – Scenes From a Memory. Esse eu vou ouvir do início ao fim. Eu considero um dos melhores álbuns de todos os tempos.

É o que tem para hoje. Se você gosta de boa música, independentemente de estilo, sugiro uma visita ao YouTube. Procure por essas músicas/artistas. Só tem coisa boa!

Inté mais!