Eleições 2016 – Sugestões

Se você mora em Niterói, sugiro que vote em um dos seguintes candidatos a vereador:

Casota – 45678

Railane Borges – 23222

Sandro Araujo – 23003

Sim, conheço todos e sei que são boas opções. Em quem eu vou votar? Só posso votar em um deles. Ah, e o voto é secreto. 🙂

Para prefeito, só há uma opção: Felipe Peixoto. Não dá para seguir de Rodrigo Neves. Não mesmo! Definitivamente, o pior prefeito que Niterói já teve. Sem contar que é petista de carteirinha… É preciso dizer algo mais?

Observação: Se você é da cidade do Rio de Janeiro, deixa eu te explicar uma coisa… Quando você achava que Niterói era uma merda, Niterói era excelente. Depois que você passou a achar Niterói excelente, Niterói ficou uma merda.

Se você mora em qualquer outro lugar, acho importante que vote em pessoas que você conheça ou que sejam de fácil acesso. Os vereadores são mais importantes na sua vida do que você pode imaginar.

Lembre-se de votar em vereadores que dêem sustentação para o prefeito que você escolher. Não adianta nada eleger um prefeito com uma bancada inteira de oposição. Óbvio que a oposição é importante, mas precisa ser uma oposição responsável.

Renove! Não vote em velhas raposas, com lugares praticamente cativos na política.

Acho que é isso. Até!

cc3a2mara-samsung-3-1272

 

 

Eleições na Argentina – E o Brasil?

Até que enfim a América Latina se livrou de um de seus maiores males: o kirchnerismo. Com a derrota de Daniel Scioli, o presidente eleito, Mauricio Macri, líder de uma frente dita de centro-direita, tráz um pouco de calma aos corações não assoberbados pelo bolivarianismo de Chávez, Fidel e Lula, para citar apenas alguns. É uma luz tímida no fim do túnel, mas ainda assim é uma luz.

Entretanto, ainda não ficou claro se a América Latina também está disposta a se livrar do populismo, componente fundamental do bolivarianismo. Macri, ainda que se apresente como um líder de centro-direita, é ex-presidente do clube Boca Juniors. Fica a pergunta óbvia: venceu por mérito ou por popularidade? Será que não foi por falta de opção? É esperar e ver.

Macri afirma, por exemplo, que quer a Venezuela fora do Mercosul. Excelente! Todos queremos. Entretanto, um dos principais motivos da Venezuela estar no Mercosul é justamente o Brasil. E em paralelo, acena com novas negociações com EUA e Europa, e a retomada de até mesmo do diálogo com a Grã-Bretanha, abalado desde a Guerra das Malvinas.

Não que isso seja mal para a Argentina. Pelo contrário! Entretanto, a insistência do Brasil em manter o Mercosul nos moldes atuais vai acabar nos afastando da Argentina, enfraquecendo ainda mais o Mercosul, que já não serve para NADA, em minha modesta opinião.

Enfim… Se Macri não for um falador barato e resolver de fato colocar a Argentina nos trilhos do crescimento e do desenvolvimento, será que o Brasil está preparado para lidar com isso? O Chile e o Peru já embarcaram no TPP (e, por favor, nem tentem me convencer que o problema do Brasil é não ser banhado pelo Pacífico). Vai sobrar algo de bom para nós, ou vamos morrer abraçados a lixos como Venezuela, Bolívia e Cuba? É esperar e ver.