Antologia de Poesia Brasileira Contemporânea

Pois é… Uma poesia minha minha foi selecionada. Sim… É uma editora do além mar, da terra de Fernando Pessoa, o que me deixa mais honrado ainda. O nome completo da obra é Volume V da Antologia de Poesia Brasileira Contemporânea: “Além da Terra Além do Céu”. O que eu posso fazer além de agradecer a Deus, a minha família, a vocês, ao Universo?

A poesia selecionada? Vocês vão descobrir em Março, quando o livro for publicado. Não é uma poesia inédita, só para deixar claro.

E hoje, obviamente, vai ter festa! Claro que vai. Não vai ter aglomeração, claro, mas vai ter festa… Óbvio que vai. 🙂

Meus agradecimentos mais do que especiais para a Francielle Santos, autora do blog “Reescrevo me“, que veio me cutucar e me dar uma série de ideias. Sem ela, nada disso estaria acontecendo. Fran, um beijo gigante para você! Já te agradeci “ao vivo”, mas faço questão de deixar aqui o registro. Há muitas coisas boas acontecendo na minha vida ao mesmo tempo, e você é uma delas. OBRIGADO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Tem que manter isso, viu?

Poesia em homenagem ao Presidento Temer. 🙂

Tem que manter isso, viu?

Senti um incômodo no peito
Um escândalo na alma
Fiquei inquieto
Elétrico

Não te liguei
Não te avisei
Me joguei
Fui

Beijei tua boca
Te segurei pelos cabelos
Te joguei no sofá
Nua

E quando tudo acabou
Nos abraçamos
E eu adormeci
Exaurido

No dia seguinte
A TV me acordou
E vi o Temer

Tudo que pude fazer
Foi olhar para você e dizer:
“Tem que manter isso, viu?”

Cachorra

Se não for para morder,
Não rosne.
Mas se for para morder,
Também não rosne.

Não quero seus avisos;
Quero seus ataques.

E sim…
Quero que seja uma cachorra!

CACHORRA!

Venha balançando o rabo,
Salivando,
Doida para me lamber,
Doida para receber meus carinhos,
Doida para se esfregar em mim.

Vou aproveitar e te ensinar alguns truques,
Com direito a petiscos no final.

E depois de todo alvoroço,
Que você se deite –
Colada em mim –
E fique.

Obedeça-me!

Simplesmente fique.

E que fique claro:
Não ligo para pedigree.

Mas se for para ser minha cachorra,
Que seja só minha cachorra,
Posto que só quero uma cachorra
Para muito bem amar e cuidar
Até o fim.

É teu

Gosto do jeito que me olhas:
Tu me vês melhor do que sou
Mais do que sou

Vês-me no futuro do presente
Em campos verdejantes
Em melhores e mais fartos dias

Gosto do jeito que me ouves:
Tu afagas minha cabeça
Enquanto digo em silêncio

Respeitas minhas dores
Meu passado, minhas flores
Meus cabelos acaricias

Gosto do jeito que me cheiras:
Pressentes e sentes
Os meus apelos e arrepios

Perfumas minha alma
Nos recantos do teu leito
Verdades me propicias

Gosto do jeito que me provas:
Tua língua em meu corpo
Meu corpo em tuas mãos

Sabores que eu desconhecia
Ofereces-me sem pudores
De todas as formas me sacias

Gosto de como me tocas:
Feito agora, sem demoras
Noite adentro, sem alento

Tocas fogo em minha pausas
Revigoras minhas entranhas
E fazes jorrar minhas fantasias

Mas acima acima de tudo
Gosto da tua capacidade
De dar sentido
Aos meus sentidos
Sinto-me amado
Sinto-me querido
Sinto-te
E o que eu sinto
É teu.

Punas-me!

Silêncio…

Só consigo sentir os teus gemidos
Tuas coxas selaram meus ouvidos

Falar eu não consigo
E ainda assim com fúria te bendigo

Por que fazes isso comigo?

Teu ventre é um perigo
Mereço de fato este castigo?

Mereço
E pior do que isso:
Quero sempre mais

Punas-me!

Foge não!

Vem cá…
Senta aqui…
Não fuja mais de mim!

Estou pronto!

Me conta tudo que eu nunca quis ouvir
Me deixa te sentir por completo
Em todas as partes do meu corpo
Em todas as minhas células
Pulsando pelas minhas veias
Não tenha dó de mim!

Cansei de te evitar
Cansei!

Vem cá, verdade…
De verdade:
Foge não!

Soberana

Ela não pediu minha permissão
Só segurou na minha mão
E me fez olhar para frente

Não me pediu explicação
Sem nenhum porém ou senão
Acalentou minha alma descrente

Não tocou meu corpo em vão
Fez novamente bater meu coração
Disse-me tudo que realmente sente

Invadiu-me a felicidade do seu condão
Mostrou-me que nada foi em vão
E que tudo pode um homem valente

Homem
Ela me teve como homem
E ela em mim se fez mulher
Do tipo que sabe o que quer.

Madrugada

A noite avança
Com suas sutis rudezas:
Nada é pouco
Tudo é muito
Talvez mais do que muito
Ainda que não seja o bastante
Para me fazer desabar em meu leito

O sono…
Esse meu amigo traiçoeiro
Que de mim foge de vez em quando
É também fiel conselheiro:
Fatos sobrepõe-se a sentimentos
E desmascaram fantasias e luxúrias de noites opacas
Rasgadas e devassadas por realidades translúcidas
Onde todos os meus tolos e inocentes devaneios
São partidos ao meio

Mas também é na madrugada
Que sempre sou mais meu
E hoje –
Mais uma vez –
Durmo acompanhado
Vamos passar a noite inteira acordados
Nus, amarrados e abraçados –
Pura honestidade –
Só a minha raiva e eu.

Nunca se deu conta

Nutria grande paixão
Por livros

E ela lia
Lia
Lia
Lia…

Ora chorava
Ora sorria

Dia após dia
Dia e noite
Noite e dia

Nunca se deu conta
De que era um livro
Escrito com seu sangue
Com sua caligrafia –

Letras
Palavras
Frases
Parágrafos
Capítulos
Que de seus dedos
Escorriam –

E que eu queria
Minuciosamente
Vagarosamente
Lê-la.