Responsabilidade afetiva

Se você é casado(a) e o seu casamento não tem como valor ou premissa a fidelidade conjugal, isso é uma questão sua. Eu não consigo achar excitante ou mesmo normal esse tipo de promiscuidade, mas enfim… Todo mundo tem o direito de viver como quiser.

O problema começa quando você envolve terceiros nessa ciranda não mais na qualidade de amantes, mas como eventuais namorados(as), noivos(as), futuros maridos/esposas, criando e alimentando relacionamentos paralelos fantasiosos, sem nenhuma intenção em honra-los.

A pergunta que não quer calar: afinal de contas, se o que você faz é certo ou pelo menos você acha que é, por que não diz logo a verdade na sua busca por um(a) amante?

“Sou casado(a) e só quero transar. Topa?”

Não chegue dizendo que seu cônjuge é uma pessoa terrível, que você está em um relacionamento abusivo e que você está em processo de divórcio. Não diga que a situação não avança tão rápido quanto você gostaria porque há filhos, família e patrimônio envolvidos. Não diga que seu cônjuge é um manipulador, um chantagista, ou alguém com problemas psiquiátricos. Não diga que não há mais sexo em seu casamento e que você sente nojo ao ser tocado pelo seu cônjuge. Não se faça de vítima de pessoas ou circunstâncias! Chegue falando a verdade. Chegue falando de você e de quem você é.

“Não vou me separar. Inclusive, meu/minha marido/esposa sente tesão em saber que faço sexo com outras pessoas.”

Sabe por quê? Há muita gente boa e desimpedida nesse mundo que acredita, se envolve, passa a gostar ou até mesmo a amar você partindo do pressuposto que você é uma pessoa íntegra, que fala a verdade. Gente que realmente acredita que você está só precisando de um tempo para organizar as coisas e tal. Gente que é fiel e que não quer ser amante de ninguém. Gente que gosta da verdade e repudia a mentira. Gente que não é capaz de inventar coisas ou fingir sentimentos para conseguir o que quer. Gente que quer estar com a pessoa em uma relação monogâmica baseada em respeito, reciprocidade, amor, etc.

Essas pessoas se machucam e ficam cheias de cicatrizes. Demoram meses para se recuperar da traição (a descoberta de que você não é quem dizia ser). Elas fizeram planos para uma vida inteira a seu lado enquanto você só estava pensando em sexo casual. Elas pensaram que estavam em um relacionamento com você quando na verdade eram apenas fornecedoras de sexo. Você sai ileso da aventura. A pessoa não.

Percebe a gravidade disso? Será que você consegue entender o quanto isso é malicioso, vil e perverso? Não falo nem da promiscuidade sexual em si, que já acho absurda, mas brincar com os sentimentos dos outros não é algo aceitável. Nunca é. Coração dos outros é solo em que não se pisa.

Se essa sua normalidade progressista passa por não respeitar o coração dos outros e ser minimamente sincero(a), você não é apenas uma pessoa em um casamento liberal, moderno. Você não tem respeito algum pelos sentimentos dos outros e muito menos a consciência para entender o mal que as suas “puladas de cerca” podem causar. Você desconhece o que é empatia, e muito provavelmente desconhece o até mesmo o que é o amor.

“O combinado nunca é caro” – autor desconhecido.

Nem tudo na vida é a respeito de você e seus fetiches. Tenha responsabilidade afetiva. Sempre. Para você, pode não ter sido nada, mas para o outro, pode ter sido tudo. Deixe o outro ser feliz com alguém de verdade.

Vim trazer verdades 42

Não há a menor possibilidade de haver amor incondicional entre um casal. Simplesmente não há. Amor incondicional é “amor de mãe”. O filho pode ser ou fazer a besteira que for que a mãe continua amando.

“Ain… Eu amo fulano(a) incondicionalmente!”

MENTIRA! Você aceita traição, por exemplo? Aceita se doar para uma pessoa sem que ela seja minimamente grata? Aceita amar sem reciprocidade, sem cumplicidade? Tenho certeza que não, e por definição isso é amor condicional: você ama sob determinadas condições e limites.

Aliás, ouso dizer que amor incondicional entre casais é algo patológico. Alguém com toda certeza está fazendo o papel de mãe. Em alguns casos, ambos estão, ao ponto de se manifestar entre eles uma verdadeira relação simbiótica.

Isso não é saudável. Isso tem a ver com o passado, com a infância. Procure ajuda profissional se for o caso. Você merece mais do que aceitar qualquer coisa vinda do outro em nome de um suposto “amor incondicional”. Onde estão a sua autoestima e amor próprio? Quais são os seus valores mais fundamentais? Quem você é de verdade? Será que você não está abrindo mão de si mesmo por conta do outro? É um preço muito alto a ser pago, e com certeza a conta vai chegar um dia.

Pense nisso. Não destrua a sua vida para agradar os outros.

P.S.: Qual a primeira coisa que a mãe se pergunta quando vê que o filho fez uma besteira? “Onde foi que eu errei???” O nome disso? Culpa. O erro do outro é sua culpa? Saia desse círculo vicioso!

Deixa eu te contar…

Deixa eu te contar…

Fui embora querendo ficar

Queria voltar

Sei lá!

Cismei com essa coisa de te amar

 

Não largo mais o celular

Que grita

Apita

Crepita

Explicita

Esse vício que virou te amar

 

Mas não é só no celular…

É no corpo

No coração apertado

Nos olhos vidrados

No discurso emocionado

No tesão reprimido

Boca, pescoço

Nuca e ouvidos

Não se trata de castigo

É só essa mania de te amar

 

Amo

 

Já aceitei essa parte

 

Amo

 

Já aceitei essa parte!

 

Sendo coisa, vício ou mania

Se reafirma como poesia

Inspira

Desvela fantasias

No teu amor encontrei alforria

Mas no fundo ainda sou escravo

E ainda assim descarto qualquer agravo

Posto que não quero mais minha alma vazia.

bom-dia

50 Tons de Cinza – Reflexões Tardias

Lembro-me como se fosse hoje de como tive meu primeiro contato com esse livro (ou conjunto de livros). Ao chegar no trabalho, vi o que acredito ser o primeiro volume em cima da mesa de uma amiga. Fiquei curioso e resolvi abrir uma página aleatoriamente. Coincidência ou não, abri justamente nas páginas do “fuck hard”.

“I don’t make love. I fuck… Hard”

“My desires are… Unconventional”

Sim, o livro era em inglês. Não dei muita importância no momento. Achei que era só mais um livro erótico ou algo do tipo. Mas logo em seguida, veio a febre, e com ela os comentários positivos e negativos:

  • Isso é Crepúsculo versão para maiores de 18 anos!
  • Queria ver se o cara fosse pobre!
  • Já faço isso há tempos!
  • Aposto que esse cara é boiola!
  • Isso é para mulher que nunca foi fodida de verdade!

Eu nunca li o livro. Provavelmente, nunca o lerei. Entretanto, a última frase da lista acima realmente me chamou a atenção:

  • Isso é para mulher que nunca foi fodida de verdade!

Até onde eu sei, sexo é uma coisa feita a dois. Se uma mulher nunca foi fodida de verdade, isso significa que um homem nunca a fodeu de verdade.

DISCLAIMER: Por favor… Sem cretinicies LGBT nesse caso. O livro é heterossexual e a história se desenvolve no entorno de práticas de BDSM.

Esse pensamento ficou martelando minha cabeça. Quer dizer que os homens que criticam o livro são os mesmos que acreditam que certas coisas não podem ser feitas com suas namoradas/esposas, mas sim com vadias da rua ou prostitutas, e as mulheres estão dizendo que estão interessadas em fazer o que os homens fazem com as vadias da rua ou prostitutas? Como assim? Quebra de paradigmas? Percebem a desconexão?

Se pensarmos um pouco mais no assunto, podemos chegar a conclusão que há vários homens e mulheres insatisfeitos na cama, apesar de quererem as mesmas coisas. Não estou falando especificamente de BDSM, mas de fetiches e fantasias em geral. Seriam esses fetiches e fantasias algo exclusivo dos homens? Não. Definitivamente não.

Hoje, percebo a importância desse livro para o despertar da sexualidade feminina. Ou melhor… Para o despertar dos homens para a sexualidade feminina. MULHERES FODEM TAMBÉM E NÃO SÃO E NEM PRECISAM SER VADIAS OU PROSTITUTAS PARA ISSO! Toda mulher tem desejos inconfessos, alguns muito mais sacanas do que se pode imaginar, e cabe ao homem saber explorar isso. Está clara essa mensagem? Sob essa ótica, esse livro fez mais pelas mulheres de que todo o movimento feminista já fez, sobretudo porque foi escrito por uma mulher. É quase que um grito de alerta.

Não, meu camarada… Você não precisa ter a grana Christian Grey e nem precisa ser adepto do BDSM. Entretanto, saiba que sua mulher é um agente ativo na cama, que não está lá só para te dar prazer. Aliás, é bom que você entenda isso rapidinho, sob pena de, no mínimo, viver com uma mulher infeliz e insatisfeita com a sua vida sexual. Acho que nem preciso dizer o quanto a vida sexual das pessoas é importante, não é mesmo?

Para o texto não ficar muito longo, gostaria de terminar dizendo que amor e sacanagem podem perfeitamente caminhar juntos. Aliás, não há combinação mais perfeita do que amor com sacanagem. Eu particularmente acho que só se chega no estágio máximo da sacanagem através do amor, mas isso é assunto para outro texto…

Até a próxima!

50