Deixa eu te contar…

Deixa eu te contar…

Fui embora querendo ficar

Queria voltar

Sei lá!

Cismei com essa coisa de te amar

 

Não largo mais o celular

Que grita

Apita

Crepita

Explicita

Esse vício que virou te amar

 

Mas não é só no celular…

É no corpo

No coração apertado

Nos olhos vidrados

No discurso emocionado

No tesão reprimido

Boca, pescoço

Nuca e ouvidos

Não se trata de castigo

É só essa mania de te amar

 

Amo

 

Já aceitei essa parte

 

Amo

 

Já aceitei essa parte!

 

Sendo coisa, vício ou mania

Se reafirma como poesia

Inspira

Desvela fantasias

No teu amor encontrei alforria

Mas no fundo ainda sou escravo

E ainda assim descarto qualquer agravo

Posto que não quero mais minha alma vazia.

bom-dia

50 Tons de Cinza – Reflexões Tardias

Lembro-me como se fosse hoje de como tive meu primeiro contato com esse livro (ou conjunto de livros). Ao chegar no trabalho, vi o que acredito ser o primeiro volume em cima da mesa de uma amiga. Fiquei curioso e resolvi abrir uma página aleatoriamente. Coincidência ou não, abri justamente nas páginas do “fuck hard”.

“I don’t make love. I fuck… Hard”

“My desires are… Unconventional”

Sim, o livro era em inglês. Não dei muita importância no momento. Achei que era só mais um livro erótico ou algo do tipo. Mas logo em seguida, veio a febre, e com ela os comentários positivos e negativos:

  • Isso é Crepúsculo versão para maiores de 18 anos!
  • Queria ver se o cara fosse pobre!
  • Já faço isso há tempos!
  • Aposto que esse cara é boiola!
  • Isso é para mulher que nunca foi fodida de verdade!

Eu nunca li o livro. Provavelmente, nunca o lerei. Entretanto, a última frase da lista acima realmente me chamou a atenção:

  • Isso é para mulher que nunca foi fodida de verdade!

Até onde eu sei, sexo é uma coisa feita a dois. Se uma mulher nunca foi fodida de verdade, isso significa que um homem nunca a fodeu de verdade.

DISCLAIMER: Por favor… Sem cretinicies LGBT nesse caso. O livro é heterossexual e a história se desenvolve no entorno de práticas de BDSM.

Esse pensamento ficou martelando minha cabeça. Quer dizer que os homens que criticam o livro são os mesmos que acreditam que certas coisas não podem ser feitas com suas namoradas/esposas, mas sim com vadias da rua ou prostitutas, e as mulheres estão dizendo que estão interessadas em fazer o que os homens fazem com as vadias da rua ou prostitutas? Como assim? Quebra de paradigmas? Percebem a desconexão?

Se pensarmos um pouco mais no assunto, podemos chegar a conclusão que há vários homens e mulheres insatisfeitos na cama, apesar de quererem as mesmas coisas. Não estou falando especificamente de BDSM, mas de fetiches e fantasias em geral. Seriam esses fetiches e  fantasias algo exclusivo dos homens? Não. Definitivamente não.

Hoje, percebo a importância desse livro para o despertar da sexualidade feminina. Ou melhor… Para o despertar dos homens para a sexualidade feminina. MULHERES FODEM TAMBÉM E NÃO SÃO E NEM PRECISAM SER VADIAS OU PROSTITUTAS PARA ISSO! Toda mulher tem desejos inconfessos, alguns muito mais sacanas do que se pode imaginar, e cabe ao homem saber explorar isso. Está clara essa mensagem? Sob essa ótica, esse livro fez mais pelas mulheres de que todo o movimento feminista já fez, sobretudo porque foi escrito por uma mulher. É quase que um grito de alerta.

Não, meu camarada… Você não precisa ter a grana Christian Grey e nem precisa ser adepto do BDSM. Entretanto, saiba que sua mulher é um agente ativo na cama, que não está lá só para te dar prazer. Aliás, é bom que você entenda isso rapidinho, sob pena de, no mínimo, viver com uma mulher infeliz e insatisfeita com a sua vida sexual. Acho que nem preciso dizer o quanto a vida sexual das pessoas é importante, não é mesmo?

Para o texto não ficar muito longo, gostaria de terminar dizendo que amor e sacanagem podem perfeitamente caminhar juntos. Aliás, não há combinação mais perfeita do que amor com sacanagem. Eu particularmente acho que só se chega no estágio máximo da sacanagem através do amor, mas isso é assunto para outro texto…

Até a próxima! E não se esqueçam que quero saber o que vocês pensam! Os comentários estão aí justamente para isso.

50