Saint Patrick’s Day e Heineken

Sempre fui o maior propagandista da Heineken, até mesmo quando ela não era conhecida no Brasil. De alguma forma, a bendita holandesa tinha conquistado o meu coração, e como eu viajava muito mundo afora, tinha virado meu padrão de cerveja, que eu pedia sem surpresas em qualquer lugar que fosse.

Observação: Me arrependo muito de ter feito tanta propaganda. No início, por volta de 2010, meus amigos odiavam. Achavam amarga demais. Hoje em dia, todo mundo só quer saber de Heineken e o preço dela disparou no Brasil. A Heineken virou uma espécie de “cerveja ostentação”. Há gente, inclusive, que bebe Heineken sem gostar de Heineken. Vai entender…

E lá estávamos nós, eu e ela, bebendo Heineken em um Saint Patrick’s Day. Estávamos no Madero, que oferecia chopp da Heineken e da Amstel (que também é da Heineken). Sem a gente se dar conta, uma equipe da Heineken chegou até o Madero para distribuir brindes nesse dia, o que faz todo o sentido por conta da Heineken ser uma “cerveja verde” (as latas e garrafas são verdes).

Conversa vai, conversa vem (não faltava entusiasmo, assunto e nem vontade de estar ali), e percebi que havia uma fotógrafa batendo fotos de nós dois. Era uma fotógrafa da equipe da Heineken. Fui até ela para perguntar o motivo das fotos, e ela me disse que seriam usadas no site oficial da Heineken no Brasil para falar da campanha que eles estavam promovendo.

– Olha, infelizmente você não vai poder usar essas fotos…

– Mas por quê? – a fotógrafa me perguntou surpresa.

– É que trabalhamos na mesma empresa… Não é algo que queríamos deixar exatamente público…

– Nossa… Mas vocês estão tão animados e formam um casal tão bonito… Uma pena… – e começou a apagar imediatamente as fotos de sua câmera profissional. Estava visivelmente frustrada.

Não cheguei a ver as fotos. Eu mesmo fiquei triste com o pedido que precisei fazer. Não queria, mas nem sempre a vida é como a gente quer. Mesmo assim, saímos cheios de brindes da Heineken do Madero. Definitivamente, uma noite especial.

E por que estou contando tudo isso?

1) Para que conheçam o Saint Patrick’s Day – mais detalhes aqui.

2) Para dizer que a Heineken continua sendo a cerveja não artesanal que mora em meu coração.

3) E para contar que quando você está feliz, as pessoas percebem. A nossa aura muda de alguma forma. Ficamos iluminados por assim dizer. Contagiamos os outros. Viramos até modelos por conta disso. 🙂

Bebam com moderação e em casa (nada de festinhas e bares por conta da pandemia). E, sobretudo, sejam felizes! Transbordem felicidade! O mundo fica muito melhor assim.

Cheers!

Em boa companhia

Ao andar sozinho

Percebi detalhes do caminho

Fui capaz de ouvir meus passos

Observar minha respiração

E o ritmo do meu coração:

Eu me senti

 

Ao andar sozinho

Passei por flores e espinhos

Becos, avenidas e praças

Do chão batido ao asfalto

Do sapê ao concreto, do aço à lata:

Eu senti o mundo

 

Ao andar sozinho

Provei todas as cores e temperos

Beijos e abraços intensos, insossos e acesos

Camas desarrumadas e fartura sobre as mesas

Tudo passageiro com retrogosto definitivo:

Eu senti o passar do tempo

 

Ao andar sozinho

Nada controlei ou antecipei

Nada esperei e muito recebi

E com o peito inundado pela esperança

Tornei-me da minha vida autor e protagonista:

Eu me reconheci.

Quanto vale um abraço?

A roupa nova
O carro importado
A viagem para a Europa
A próxima mansão pós moderna…

Ficou tudo para depois

Precisou um vírus
Parar o mundo
Para pararmos
Para ver
Que parados
Nada temos
E sequer
Conseguimos ser!

Só precisamos de um abraço
Um abraço…
Que nos devolva os laços
E o prazer de poder viver
Sem de quase nada precisar
E ao mesmo tempo –
De volta –
Nos ter.

Feliz Natal – 2019

São 21h48, e eu estou em casa, no ar condicionado, pensando no que aconteceu nos últimos dias. A chuva cai pesada, e toda vez que ouço e sinto o cheiro de chuva, percebo que é o momento perfeito para refletir, meditar.

Esse fim de ano tem sido bastante incomum. Tenho revisto amigos de 30, 40 anos atrás… Tenho sido constantemente relembrado de quem eu sou, de quem eu era… E fiquei surpreso, literalmente, com a memória das pessoas.

Sei que quem bate esquece e quem apanha nunca esquece, mas Deus resolveu me dar de presente de Natal momentos em que eu fiz a diferença na vida das pessoas. Momentos nada extraordinários (sob minha visão), mas que serviram de alguma forma para amenizar a dor dessas pessoas, sobretudo em momentos extremamente difíceis.

Eu não vou entrar em detalhes (são desnecessários), mas os presentes que recebi não foram ouro ou prata, mas reconhecimento pela amizade, pela lealdade, por tudo que sempre entreguei na vida das pessoas sem pensar duas vezes, sem pensar se eu poderia me beneficiar daquela situação de alguma maneira. Coisas que entreguei de coração.

Durante essa caminhada, houve momentos em que eu disfarçava e ia chorar no banheiro. Não por estar triste ou algo assim, mas por perceber que Deus me deu um dom único, inequívoco, que é o de tentar fazer o bem não importando a quem. Essa é a minha missão. Esse é o meu super poder (quem me lê habitualmente sabe muito bem o que quero dizer com isso).

Escrevo isso com orgulho porque sou cristão, mas também com certa dor por perceber que em N momentos eu me negligenciei em função de terceiros, quer seja pessoas que eu amava ou sequer conhecia. Essas coisas não eram e não são forçadas: são a minha natureza. Eu abro mão de mim pelos outros. Babaca? Ok… Respeito a sua opinião.

Então, nesse Natal, ao invés de pedir… Aliás, vou pedir: quero que Deus me dê mais do mesmo. Quero agir em nome Dele, na certeza de que tudo mais me será acrescentado. E por mais que esse texto parece um tanto quando presunçoso, a grande verdade é que sinto profundo ORGULHO de já ter me feito presente na vida de gente que precisava infinitas vezes mais do que eu. E sei… E como sei… Que Deus será generoso o bastante comigo para me acudir e acolher diante de minhas privações.

O mal não me alcança. As flechas me erram. Não porque sou especial, mas porque reconheço a minha pequenez diante da imensidão das obras de Deus. Há um cara “lá em cima” que me usa, entenderam? E o meu maior prazer é servi-Lo. EU SOU UM SERVO DE DEUS!

Que Deus continue, nesse Natal e no ano de 2020 que se aproxima, a fazer de mim um instrumento para tornar a vida das pessoas um pouco melhor. Eu descobri que é isso que me faz ser uno com o meu criador. E que assim seja!

FELIZ NATAL! Que Deus nos abençoe e que nos lembremos SEMPRE de que nosso principal objetivo na Terra é SERVIR, e que por mais que caiam lágrimas por sobre a nossa face, estas são doces diante do quanto o Cristo sofreu na cruz por nós.

Um agradecimento especial a Minha Mãe Nessa Senhora de Fátima. Se Deus a escolheu para trazer seu filho unigênito, não há como não pensar que essa é a mulher mais sagrada e pura que já existiu.