Meus cachorros

– Pode encher, por favor… Do que estávamos falando mesmo?

Eu não queria falar ou ouvir mais nada. A bebida era a desculpa. Não queria ficar bêbado. Queria parecer bêbado. Era uma conversa para ser esquecida de tantas vezes que já havia se repetido.

Nada daquilo fazia sentido. A fumaça do cigarro da mesa ao lado me sufocava. O barulho dos carros ao longe. A cerveja nacional cheia de milho. Eu precisava de algum tipo de teletransporte. Precisava sumir.

– Você sempre sai pela tangente quando o assunto não agrada…

– Não é verdade e você sabe disso. Eu só estou de saco cheio de conversar sobre o mesmo assunto todas as vezes. Não dá, entende? Não dá! EU ESTOU DE SACO CHEIO!

O pessoal da mesa ao lado olhou em minha direção. Eles fumando e eu falando alto. Estávamos empatados.

– Quer saber? Vou embora. Lá em casa não tem fumaça, não tem barulho, e a cerveja é de melhor qualidade. Vai ficar?

Levantei-me e fui embora. Poucos metros adiante, pisei em um cocô de cachorro. Merda… Eu não aguento mais essa conversa sobre ter que comprar um cachorro. Cachorro é para quem tem casa! Não consigo imaginar um cachorro em um apartamento.

Na frente do meu prédio, três vira-latas dormindo. Qual a história desses carinhas, hein? Vivem como? Nasceram onde? Já tiveram casa? Estariam com fome ou com sede? Frio?

Puta que pariu… Peguei uma vasilha daquelas de sorvete com água e outra com ração. Por que eu tenho ração em casa? Minha filha me ensinou que já temos vários cachorros. Eles moram nas ruas. Para que eu preciso comprar um?

cachorro vira lata 1

Nesfit

Queira me desculpar

Mas que perfume você usa?

É que ele fica na minha blusa

Quando eu saio da academia

 

Eu nunca tinha reparado

Mas hoje não deu para ignorar

Quando prendeu seus cabelos

Tal perfume invadiu o ar

 

Sim, combina com você

Flutuando quando anda

E apesar de pouco do assunto entender

Sei que não se trata de simples lavanda

 

Não se incomode comigo

Sou bastante respeitoso

Mas é inegável que se trata

De algo deveras delicioso

 

Sim, falo do perfume

De você eu mal sei

Prazer, meu nome é Fábio

Hum… O seu agora eu sei

 

Aceita um Nesfit?

Compartilho com prazer

Para quem está com fome

Qualquer comida se transforma em algo gourmet.

7891000068458_-biscoito-salgado-nesfit-nestle_01

 

Cova rasa vermelha

Ao fundo ouço os gritos

São de falta de esperança

Sei que não são de dor ou fome

Eles não saberiam gritar por isso

Nunca deixaram de sentir dor

Nunca deixaram de sentir fome

Não conhecem o oposto disso

 

E na carência ou ausência de tudo

Eis que surge este deus imundo

Que lhes faz promessas sem dó

Esse ser infernal

Que coaduna todo o mal

Não é nem de longe Lúcifer

Mas se acha mais que o tal

 

De vermelho, acena destemido

Sabe que depende do sangue

De quem jura defender

Mas em seguida os fazer morrer

Pois são mero mal necessário

 

E no meio dessa lambança

Onde está de fato Deus?

Leva para longe essa praga

Que assola os filhos teus!

 

E Deus, em seu tempo, responde…

 

Em vermelho, agonizará pela eternidade

E nem mesmo no inferno

Terá a sua imortalidade

Pois nem Lúcifer o quer por lá

 

Será no meio dos que gritam

Em praça pública, nas ruas

Diante dos mesmos que quis

Sempre quis

Enganar

 

Será lembrado para sempre

Pelos que contra ele lutaram

Como adversário covarde

Puto, imbecil, salafrário

Sindicado será por Nosso Senhor

Que não quer cargos ou salários!

 

Quero ver a tal coragem

Quando do fundo da sua alma

For extirpado seu orgulho

E seu nome, feito entulho

For depositado em uma

Cova rasa.

index