Traço-te

Descasco-te sem demora

Posto que chegou a hora

Madura

Momento de vir

Mas friso que não como só a casca

Mas os gomos

O sumo

O suco

O tempo e o espaço

E o bagaço?

Deixes comigo…

Reaproveito-te

As tuas curvas

Todas elas

Eu em um só gole

Sorvo-te

Traço.

Madurando

Espera

Espreita

Que o momento certo

Ronda por perto

 

A fruta pode até ser dura

Mas se torna convite quando está madura

 

E quando for o momento da colheita

Será intensa a sua doçura

E como nunca se viu tão segura

Abrir-se-á por inteiro

Polpa farta, deleitosa, viciante

Liberdade, enfim, desta clausura.