Bendigo-te

Bendigo-te

Ainda que insistas

Que nada que eu diga

Faça sentido ou exista

 

Bendigo-te

Na sua negação

Nas desculpas mais do que pensadas

Para acalmar tua paralisante  (e irritante!!!) razão

 

Bendigo-te

Por todos os “não sei”

Por todos os “vamos ver”

Por tudo que em ti já revelei

 

Bendigo-te

E afirmo-te:

Não há coração

Mais moribundo

Do que aquele

Que insiste

Que quase desiste

De fazer circular por teu corpo

A felicidade

Que chegou em tua vida

Não… Não chegou tarde.