Dia do Idoso

Eu vi minha bisa, meus avós e avôs, envelhecendo. Vi meu pai falecer antes de envelhecer. E hoje vejo minha mãe envelhecendo.

Já perdi muita gente boa por conta da idade. Rugas… Marcas das lutas, da coragem, que jamais serão disfarçadas pelo tempo.

E quando falo de coragem, é porque carrego comigo esses exemplos. Os que vieram antes de mim eram corajosos. Eram bravos! Eram luz na minha vida! E na sua humildade, escondiam imenso saber.

Quem me conhece sabe que tenho um fraco (muito forte) por crianças e idosos. Crianças por serem o futuro, e idosos por carregarem o que nem imagino ser o seu passado.

Escolham um idoso qualquer na rua. Reparem bem! Percebam a fragilidade do corpo (na maioria dos casos), mas não os julguem por isso. Cada idoso já tem a sua própria história, e não nego que esse tempo todo na Terra me fascina.

A senhora maltrapilha, talvez já tenha sido madame. O senhor que fala sozinho, talvez já tenha ensinado muita gente a falar. O idoso cadeirante, que não consegue sequer fazer suas necessidades sozinho, talvez já tenha salvo a vida de muitos.

E é por isso que largo o que eu estiver fazendo para ajudar os idosos. Não é só amor; é admiração; é respeito. É o reconhecimento de que correram, pularam, trabalharam, e agora só precisam de uma velhice digna.

Então, eu peço de coração: cuide sempre dos idosos. Mostre para seu filho(a) a importância que tiveram em sua vida. Não os esconda. Não os abandone. Seja por eles o que eles já foram por você.

É certo que há idosos chatos, muitos deles doentes. A gente nunca sabe pelo que já passaram na vida.

E hoje eu estou aqui, diante de TODOS os idosos do mundo, prestando a minha homenagem. Vocês NUNCA serão um fardo. E se Deus quiser, um dia, quando eu for um idoso, que eu seja honrado pelos que vieram antes de mim.

idoso-5724517

Nossa Sina

Faz-se luz na noite do meu dia,
Quando desfilas calma, silenciosa,
Iluminando os alicerces de minh’alma,
Sem saber que o fazes, pois não me conheces,
Ainda assim atendes minhas lúgubres preces,
Seguindo teu destino que te funde ao meu.

Não sei por onde andas, aonde vais,
Pois também não te conheço,
Mas é inegável que tenho por ti grande apreço,
Pelo simples fato de saber que existes.
Dirijo-me para ti, de cabeça em riste,
Com meu lábaro manchado de sangue.

Açoitado fui, vítima de escárnio,
Mas ainda assim respeito as tiranias
Dos que se julgam senhores – pura verborragia!
Mesmo quando o desespero assolava meu leito,
Sonhava em ti, por ti, para que em teu peito
Pudesse alcançar a verdade por detrás.

E tu esperas por mim, sem perceber,
Caminhando os nossos turvejantes dias,
Para acabar de vez com nossa sentimental anemia.
Lembre-se que, quando chegares, nada será como antes,
E eu que ainda sou um mero cavaleiro errante,
Darei grande brado, para em nossa etérea plaga descansar.

590468.jpg