Ufa!

Não sou ponto de partida

Não sou ponto de chegada

Eu sou a jornada

Sou a reticência

O et cetera

 

Id est

A presença

A saudade

O sonho

A realidade

O brilho

A certeza

O finalmente!

O ufa!

O até que enfim

O para sempre

O até o fim.

buzios

Vida post mortem

Já dissemos tudo

Já dissemos nada

Já planejamos tudo

Já planejamos nada

E nossa roda gigante

Com aclives e declives

Dignos de um conto de fadas

Navegamos por risos e lágrimas

Nunca dantes defloradas

E entre ervas daninhas

Monstros e espinhos

Nos perdemos no caminho

Mas insistimos nesta telúrica

E epopéica jornada

 

Dissemos não para o sim

E sim para o não

Acorrentados pelos grilhões amor

Quer seja no prazer ou na dor

Edificamos nossas próprias prisões

Cativos de nossos próprios corações

Somos os sobreviventes

Crentes e carentes

Desse nosso mundo real

Em nada imaginário

 

Que a felicidade nos alcance

Que tudo seja vida post mortem

E que o medo seja esperança

Que sobre em nós a alegria das crianças

Quer seja nas madrugadas fogosas

Ou em para lá de inesquecíveis prosas

Nosso amor é assim:

 

Nunca talvez!

 

Há dias que não

Há dias que sim.

index

Namorada

A verdade é que te pedi uma carona

E esqueci de perguntar para onde ias

E agora que aqui estamos

Perguntas para mim

Para onde é que nós vamos?

Não sabemos nem onde estamos!

E esse “nós” veio de onde?

Estavas mal intencionada

Permita-me dar uma gargalhada!

Não é mais fácil assumir

Do que simplesmente fingir

Que nos perdemos na estrada?

Sim, melhor darmos uma parada…

De agora em diante, eu dirijo

E desde logo já aviso:

Já que nos falta rumo e juízo

Será infinita essa jornada.

Estrada