Lucifer – Série da Netflix

ESTE POST NÃO É UMA RESENHA!!!

Lucifer é uma série que fala sobre Lucifer (óbvio), mas como se ele fosse um humano vivendo entre nós. Não se enganem: ele continua sendo Lucifer, com todos os seus poderes, só que vivendo situações e sentimentos que humanos normais experimentam, tais como amor, culpa, raiva, saudade, etc. A cereja do bola é que a série foca muito em psicoterapia, ou seja, em como lidar com essas situações e sentimentos, o que a faz ficar ainda mais interessante. Inclusive, uma das principais personagens da série é uma psicóloga.

DISCLAIMER: Eu vou soltar alguns spoilers por aqui. Esteja ciente disso.

Eu gostei muito da série e gostei especialmente do final. Nela, Lucifer não é descrito como o mal em si, mas sim como aquele que recebeu um trabalho de Deus (sim, até Deus aparece na série), que é o de punir quem fez o mal. Qual a punição para as pessoas que vão parar no inferno? Viver eternamente o que é descrito como um “hell loop”, ou seja, a danação eterna de reviver e sentir o que fez a pessoa ir parar no inferno. O que as faz permanecer no dito “hell loop”? Culpa. Na prática, é como se não fosse Lucifer quem mantivesse as pessoas no inferno. Elas ficam por lá por conta da sua própria culpa e da sua própria incapacidade de lidar com o que fizeram. É um conceito interessante e é justamente aí que entra a questão da psicoterapia. Lucifer, inclusive, faz terapia!

Ao final da série, Lucifer transforma o inferno em um grande consultório psicoterápico, cujo objetivo é livrar as pessoas das suas culpas e fazê-las assumir as responsabilidades diante de seus próprios erros, tornando-as melhores. E assim procedendo, a série dá a entender que qualquer um poderia ir para o paraíso. Portanto, na série Lucifer se transforma em um anjo (bem… anjo ele já era – anjo caído) cuja missão é não mais apenas punir, mas resgatar todos os que estiverem verdadeiramente dispostos a ir para o paraíso.

Como eu disse, realmente é um conceito muito interessante, mas a vida me mostrou que há gente que nunca vai assumir a responsabilidade por seus atos. São sempre vítimas. Vítimas da inveja dos amigos, da incompreensão do companheiro, dos pais, dos chefes, dos filhos… Enfim, vítimas profissionais que acreditam que o universo inteiro conspira contra elas. Acreditam que são criaturas absolutamente perfeitas e divinais, grandiosas, merecedoras de todos os direitos e livres de todas as obrigações, e que eventualmente agem de forma maldosa ou violenta apenas com o objetivo de se protegerem do verdadeiro mal que a elas sempre tentam infligir. A Psicologia e a Psiquiatria conhecem bem de perto esses casos e o prognóstico não costuma ser bom.

Uma pessoa com uma mente assim não pensa ou sente como uma pessoa normal. É capaz de fazer terapia e criar uma persona* para ser analisada. Enfim… É uma pessoa capaz até de enganar os profissionais da área menos experientes ou que não tenham lidado de perto com manipuladores e mentirosos compulsivos. Vivem e são guiadas por um falso self**.

Obviamente, este texto não é uma resenha. A série tem seus altos e baixos (muito mais altos do que baixos). Eu gostei muito, muito mesmo. A solução proposta pela série, entretanto, na minha opinião, ainda vai deixar o inferno cheio de gente. Apesar de para Deus nada ser impossível, para mudar, antes de mais nada é preciso que a própria pessoa reconheça que há algo de errado, sendo que há pessoas que simplesmente não se enxergam.

P.S.: Tom Ellis é absolutamente brilhante no papel de Lucifer. Só a performance dele já vale assistir à série.

* Na psicologia analítica de Jung, (persona) é “uma espécie de máscara projetada, por um lado, para fazer uma impressão definitiva sobre os outros, e por outro, dissimular a verdadeira natureza do indivíduo”, a face social que o indivíduo apresenta ao mundo. – Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Persona_(psicologia)

** Verdadeiro self (também conhecido como self real, self autêntico , self original e vulnerável self ) e falso self (também conhecido como, self idealizado, self superficial e pseudo self ) são conceitos psicológicos, originalmente introduzidos na psicanálise em 1960 por Donald Winnicott . Winnicott usou o verdadeiro self para descrever um senso de si baseado na experiência espontânea autêntica e na sensação de estar vivo, tendo um self real. O falso self, por outro lado, Winnicott via como uma fachada defensiva, que, em casos extremos, poderia deixar seus detentores sem espontaneidade e se sentindo mortos e vazios, atrás de uma mera aparência de ser real. – Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Verdadeiro_self_e_falso_self

Você não é uma “receita de bolo”

Depois de ler alguns (vários!!!) livros de autoajuda, cheguei a uma conclusão decepcionante: muito se fala em melhorar os defeitos, e pouco se fala em fortalecer ou mesmo identificar as qualidades de um determinado indivíduo.

Vamos começar pelo básico: ninguém é perfeito. Logo, todos possuem defeitos e qualidades. Não há um único ser humano que só tenha defeitos ou que só tenha qualidades. O seres humanos são completamente híbridos. Defeitos e qualidades em maior ou em menor grau representam o indivíduo e o fazem único.

Dito isso, desde quando ser do jeito A ou B passou a ser norma? Como dizer se a introversão ou a extroversão, que fazem parte do temperamento básico, são defeitos ou qualidades? Vai depender do contexto. Vai depender de quem observa. Não há certo ou errado. Há somente o que se é.

Os livros de autoajuda parecem mostrar que há uma espécie de “receita de bolo” ou arquétipo que torna uma pessoa mais ou menos sociável, mais ou menos atraente, mais ou menos correta, e por aí vai. Não é meu objetivo travar uma batalha com Jung, mas fato é que arquétipos são limitadores e geram a sensação de inadequação que muitos vem sentindo durante esse período turbulento da história da humanidade.

Dito isso, resta uma pergunta importante: quais são os seus defeitos e quais são as suas qualidades? O que te faz único? Em um relacionamento afetivo, por exemplo, será uma determinada característica de sua personalidade algo bom ou ruim? Obviamente, não há resposta correta e também não há “receita de bolo” que resolva isso.

E sabendo de seus defeitos e qualidades, por que parece que o foco, em geral, é apenas nos seus defeitos? Por que você se importa tanto com os defeitos dos outros? Não seria mais sadio e produtivo estimular o que as pessoas tem de melhor e, em momento oportuno, conversar sobre o que pode ser melhorado? Infelizmente, foco nos defeitos parece ser uma espécie de obsessão, tanto para quem tem os defeitos como para quem aponta os defeitos. Juízes não togados de porra nenhuma, por assim dizer.

E por que é importante, então, saber quais são os seus defeitos e qualidades? Porque partindo do pressuposto que não há “receita de bolo”, o que pode ser considerado um defeito por uns, pode ser considerado uma qualidade por outros. E se você não tiver a consciência de seus defeitos e qualidades, estará eternamente nas mãos de quem tem observa. Estará a mercê de julgamentos de pessoas que pouco ou nada conhecem sobre você ou sua vida, mas que se apressarão em defini-lo ainda que não tenham embasamento para isso.

Conheça-se. Reconheça-se. Não deixe que ninguém o culpe pelo que não é culpa sua ou que tente transformar em defeito o que é qualidade (e vice-versa). Se a beleza está nos olhos de quem vê, esteja sempre a procura de quem vê as suas qualidades com bons olhos, e que compreenda e ajude com seus defeitos.

Em tempo: o mundo seria um porre de todas as pessoas fossem iguais. Ainda bem que não há “receitas de bolo”. Que o “gado” fique com os arquétipos!

receita-bolo-nha-benta1905

Sincronicidade

Eu estive nas entranhas do seu corpo

Quis o destino que nossos sonhos

De carne e osso

Se materializassem

E criassem esse grande colosso

 

Do que falo?

Repare no seu corpo enquanto falo

Repare no meu corpo enquanto falo

Não é controlável

Não é domável

É selvageria de dar gosto

 

Como é quando se lembra de mim

E não estou por perto?

Eu sei… Parece loucura

Mas essa sincronicidade

Sem limites

É brutalmente real

Como dentro, assim fora

Assim aflora

Ora lógica difusa

Ora lógica nítida

Ora réu que a todos acusa

 

No lugar de nossos arquétipos

Desejos e sonhos reais

Manifestação de seres racionais

Que descobriram que o descoberto

Não era suficiente, pelo contrário

Os deixava inquietos, boquiabertos

Deliciosamente incertos

Na busca do que transcende ao eu

E os sublima em nós

Quando estamos a sós

Diante de nós mesmos

 

Quem é o comandante desta nau?

Entenda… Não há comando

Esse é o desafio

Estamos à mercê do vento

Eufemismo dos nossos pensamentos

Que se revelam em segredo

Quer seja no início do dia

Quer seja no meio da noite

Sabemos como desenrola-se tal enredo

 

Inapropriadamente perfeitos

Inadvertidamente direitos

Pura e perfeita confissão

Somos tempestade, raio e trovão

Desejo, amor e paixão

Existimos somente na nossa sanidade

Que faz questão absoluta de emergir

Para nos mostrar que nunca

Absolutamente nunca

É tarde para existir.

sincronicidade