Teu olhar

Teu olhar

Este que fazes sem forçar

Que é tímido e discreto

Obsceno e direto

Misterioso e incerto

Um convite

Ou uma forma de torturar?

 

Cabelos que cobrem

O que precisa ser descoberto

Lábios que explodem

Que fascinam por completo

Presença que avassala

Água cristalina no deserto

 

E nesse meu sonho que tu és

Que vem, que vai

Devoro teus mistérios

Na certeza de que muitos são

Sem contar com aqueles

Que guardas a 7 chaves no seu coração

 

O que pretendes?

Onde estás?

Para onde vais?

Talvez assim eu te encontre

Quer seja por mero acaso

Ou por seguir teu cheiro

 

Desejo-te

 

E meu desejo é mais que verdadeiro.

um-olhar-pode-dizer-o-que-milhoes-de-palavras

Arco Reflexo

E chega a sexta-feira

As taças de vinho

A garrafa na mão

Sento-me

Bebo sozinho

Bebo-te até não sobrar

Uma gota que seja de ti

 

As unhas vermelhas

O elixir tinto

As lembranças que sinto

Os sonhos vivos

Faíscas e centelhas

 

É involuntário

Fisiologicamente necessário

 

A gota de vinho

Que escorre pelo meu peito

Tem teu gosto e cheiro…

 

Não, não há solidão!

Estou contigo

E não, não há perigo…

Sorrio –

Revejo meus lábios no teu umbigo.

beijo-no-umbigo

Denominação de Origem Controlada

Era só espumante

Que tocava seus lábios

Escorria pelo seu corpo

Por caminhos inconfessáveis

Que conheço muito…

Muito bem

E enquanto percorria

Esse relevo paradisíaco

Picos, cânions e vales…

Mudava até de nome:

Champagne!

E eu o sorvo

Ora com fúria

Ora com afeto

Até o último gole

Não deixo uma gota na taça

Que nem de longe disfarça

O serviço foi

Completo.

Champagne