Felicidade é uma escolha

Imagine-se em um salão cheio de portas. Algumas abertas e outras fechadas. As fechadas você tenta abrir e não consegue. Estão trancadas. As abertas, cada uma delas leva a um lugar ou a uma situação diferente da sua vida. Levam a seu passado.

Sem saber o que fazer, você olha na parede do salão e percebe que há algumas instruções em um quadro:

“As portas abertas são o seu passado. Não a totalidade do seu passado, mas assuntos que ficaram pendentes na sua vida, muito embora você tenha feito todo o esforço possível para resolvê-los.

As portas fechadas são o seu futuro e novas realidades que o universo está disposto a lhe oferecer.

Observação: é preciso fechar as portas do passado para que as portas do futuro se abram. Não há uma relação direta entre a quantidade de portas fechadas no passado com as que se abrirão no futuro.”

Você se senta no meio do salão, sem saber o que fazer. Revisita as portas abertas. Há uma mistura de apego com saudade em algumas portas. Em outras, pura frustração.

Decide, então, começar por estas. Lembra-se de situações frustrantes, da sua responsabilidade sobre elas e das variáveis que não podia controlar. Tira destas situações lições, e vai fechando as suas respectivas portas, uma a uma. Você nota, inclusive, que uma porta aberta, depois de fechada, não pode ser mais aberta.

Ainda sem entender muito bem o que está acontecendo, você tenta abrir as portas do futuro. Nenhuma delas se abriu. Desconfiado, você volta até o quadro com as instruções e as relê, percebendo que está seguindo a risca o processo.

As portas que misturam apego e saudade são mais difíceis de serem fechadas. Por mais que você as olhe, sente-se impotente e pensa:

“Nossa… Há tantas coisas boas ali naquelas portas… Não sei se consigo fecha-las. Nesta aqui, por exemplo. Amei tanto… Fui tão feliz… Mas ao mesmo tempo, nada de bom acontece nesta porta há muito tempo. O que me faz mante-la aberta é a pena de que não tenha dado tudo certo como eu planejei e o medo de que nada parecido volte a acontecer comigo.”

E assim você se sente diante de todos as portas do passado que permanecem abertas. Tenta abrir as portas do futuro, até para ver se alguma das portas poderia substituir alguma do passado, mas as portas continuam trancadas.

Você volta ao quadro para reler novamente as instruções, mas percebe que elas mudaram. No quadro está apenas uma frase:

“Tenha fé no futuro.”

Sem saber o que fazer, você para diante de cada uma das portas abertas do seu passado e começa a fecha-las. Não todas. As mais fáceis, talvez. Sente um aperto no peito e lágrimas escorrem pelo seu rosto enquanto faz isso. Instintivamente, você tenta reabrir algumas delas, mas elas não se abrem mais. Estão trancadas.

Você sente um misto de desespero, desconfiança, e se sente um idiota por ter confiado em um quadro que muda aleatoriamente o texto que nele está escrito. Sua alma enche-se de medo. Seu coração dispara. Você sente-se enganado.

E depois de passar um longo período refletindo sobre o seu passado, uma semente de uma planta chamada “não tenho nada a perder” começa a brotar dentro do seu coração. E você volta diante das portas que ainda permanecem abertas e vai fechando-as uma a uma, até que se dá conta de que fechou todas.

Tenta abrir, então, as portas do futuro, mas elas permanecem fechadas. Revoltado, você volta até o quadro que agora diz apenas:

“O futuro é seu.”

E você ouve o barulho de muitas portas se destrancando. Todas as portas, tanto as do passado como as do futuro. Não pensa em reabrir as do passado, entretanto. Você já sabe o que há dentro delas. Tenta, então, abrir a primeira porta do futuro e adentra em uma sala cheia de outras portas, que por sua vez, conduzem à tantas outras portas. Nada muito interessante, e você resolve voltar para o salão.

Curioso, você vai abrindo todas as portas do futuro, uma a uma, e em cada uma delas há algo que você sempre desejou ou sempre quis. Algo que voce sempre achou essencial para a sua felicidade. Em uma delas, por exemplo, estava o parecia ser o emprego dos seus sonhos. Em outra, o possível amor da sua vida. Cada porta continha um aspecto importante e não menos relevante na sua totalidade, ao ponto de você não saber qual delas escolher.

Intrigado, você resolve voltar até a primeira porta que abriu. Afinal de contas, por que somente ela parecia não levar lugar algum? E para a sua surpresa, na porta estava escrito FELICIDADE. Você abre a porta e entra para ver se algo mudou, e se depara com o mesmo mundo em que vivia antes, mas com a certeza de que já não carrega dentro de si o peso e as dores do passado. O passado agora permanece dentro de você como memórias e histórias, que não mais doem ou assustam. E você olha para trás e se dá conta de que já não há mais porta alguma. Não há para onde voltar. E em um outdoor todo iluminado, bem a sua frente, um texto que você já conhecia:

“O futuro é seu.”

E então você começa a entender tudo e fala para si mesmo:

“O mundo não mudou, mas eu mudei. Estou pronto para o futuro. O futuro é meu.”

Iluminados

Tudo era feito de luz
E nossos caminhos tão iluminados
Que de olhos fechados conseguíamos ver

Não eram as luzes da cidade
Eram as luzes da felicidade
E todos os outros conseguiam perceber

Nos viram
Nos vimos
Fomos marcados
Iluminados:
Só nos basta ser.

Vim trazer verdades 3

Não adianta só pedir; é preciso estar preparado para receber.

Sabe aquela moça que sonha com um príncipe encantado ou o rapaz que torce para encontrar o amor de sua vida? Lamento informa-los, mas o tal príncipe provavelmente não virá em um cavalo branco (pode até vir – nunca se sabe) e o amor de sua vida talvez seja encontrado na sala de espera de um consultório médico.

A vida é assim. Nossos sonhos se realizam sempre. O essencial é trazido até a nossa vida sem que precisamos fazer força. Ele simplesmente acontece.

Entretanto, você não escolhe a hora. Pode acontecer com 18 anos. Pode acontecer com 70. E a pergunta permanece: você está preparado para receber o que pediu?

“Se fosse antes…”

“Já se passou muito tempo…”

“Sou muito novo para isso…”

“O que as pessoas vão pensar de mim?”

“Vou ter que fazer mudanças…”

[insira a sua desculpa acima]

O universo nos ouve o tempo todo. Ele trabalha por nós. Esteja preparado! Não tema! Não super racionalize! Apenas esteja atento e deixe o que você sempre sonhou entrar na sua vida. Dê boas vindas. Agradeça. E acima de tudo, aceite.

Nunca é cedo ou tarde demais. Não há momentos ou lugares errados. Acredite na tua intuição. Tudo acontece quando e como tem que acontecer. Não ignore as inúmeras mágicas que o universo teve que fazer para entregar de bandeja exatamente o que pediu.

o-universo-sempre

Marco zero

E pensar que eu só queria

Saber se você me lia

Pois em cada gota de tinta

Estava um pedaço de mim

 

E pensar que eu só queria

Nas noites tão vazias

Um beijo de boa noite

Um alento para a saudade que há em mim

 

E pensar que eu só queria

Contar o passar dos dias

Para aquecê-la em meus braços

Para tê-la em mim

 

E pensar que eu só queria

Que em minha cama vazia

Repousassem seus medos e sonhos

Para que você pudesse vivê-los em mim

 

E pensar que eu só queria

Ouvir e ser ouvido

Em prosa e poesia

Para fazê-la lembrar de mim

 

E pensar que eu só queria

O que ainda quero

Nosso amor, nosso marco zero

Laços sem fronteiras

Amor

Puro e retumbante

Amor desconcertante

Sem fim.

Lentamente…

Lentamente…

 

Arrasto-me

Afasto-me

Parece que não saio do lugar

Mas não

De fato estou a me movimentar

É que te acostumaste a me ver parado

Incondicionalmente a teu lado

Mas eu sou brilho

Luz e movimento

Preciso de motivos para ficar

 

Lentamente…

O sol ruma ao poente

Para não mais te iluminar.

Save

Matando a saudade

Faça lua ou faça sol

Faça inverno ou verão

Por azar ou por sorte

Na luz ou na escuridão

Ela está lá…

Do amor, litisconsorte

Ouças-me bem, saudade:

Uma hora dessas

Estrangulo-te até a morte!

se-a-raiva-passa-e-a-saudade-aperta-não-duvide-é-amor.png

Nas sombras

Era o sujeito

A protagonista

Tornou-se penumbra

Distorcida

Mas ainda assim penumbra

E com o passar do dias

Ao apagar das luzes

Sob os aplausos

Do medo e da culpa

Tornar-se-á sombra

 

E talvez assim

Nas sombras

Das sombras

Consiga ressurgir

Renascer

 

Se eu a verei?

Não sei

Talvez eu me lembre

Do que eu via

Do que eu ardentemente

E eternamente sentia

Talvez, algum dia…

Só o tempo vai dizer.

sombra

 

Alegria e Felicidade

Tudo é transitório

Tudo é mutável

Menos a minha eterna vontade

De distribuir alegria e felicidade

 

Porque isso fica com as pessoas

É o presente maior que posso dar

Não se compra, não se vende

E deixo pegarem a vontade

 

Sempre que posso, mais do que gosto

De deixar lembranças boas para as pessoas

É uma maneira de me fazer eterno para elas

Eu tenho essa singela necessidade

 

Porque o bem que fiz

A alegria e a felicidade que causei

Fazem de mim pura alegria e felicidade

E assim torno-me um ponto de luz na estrada da eternidade.

03_10_2014__19_35_326742623a55725e0af34b2161dc29bc026a01b_640x480