Vitrola

Deixa aquela música tocar

Ressonar

Reverberar

 

Deixa os sons

As frequências

As vibrações

As lembranças

As sensações

Deixa…

Nada disso vai parar

 

Aquela música vai tocar

Para sempre

Na vitrola da mente

E esta nunca há de quebrar.

061341_Ampliada

Eles mentem!

Muito cuidado:

 

Eles mentem!

 

Disseram as mentes

Dos reticentes

Dos incrédulos

Dos prepotentes

Dos incoerentes

Dos inexistentes

Dos que não vivem

 

Muito cuidado:

 

Ele mentem!

 

Certeza de que nunca serão felizes

Vejam todas essas cicatrizes

Vejam os rastros de sangue!

 

Alto lá – disse o poeta!

A vida é de fato incerta

Entre portas e janelas

Fechadas e abertas

Corações não mentem:

Sem nenhum cuidado

Batem acelerados

E apenas sentem!


Minha culpa

Bela justificativa!

A culpa é sempre dela

Da maldita bebida

Para tudo que você fez

Para tudo que deixou de fazer

Para a total perdição

Para tudo que você finge esquecer

 

Parece-me, então

Que seria apropriado

Fazer do álcool algo diário

Um hábito salutar para a mente

Que mesmo sabendo da verdade

Para si mesma mente

Costumazmente

Costumaz mente

Como mente

 

Comi você

 

Estão aí as evidências

Nada disso se apagou:

As manchas no seu vestido

As marcas no teu corpo

O cheiro de quem aproveitou

Gota por gota

Lábio por lábio

Lambida por lambida

Gemidos de deixar rouca

A quem se deixou chamar

Por horas a fio

De puta

Safada

Mulher vulgar

 

A culpa foi minha

Mais fácil assim?

Eu pedi colo, confesso

E você prontamente me deu

O colo do seu útero

Onde não descansei

Onde apenas despejei

Todas as vezes que você quis

Tudo aquilo que você merece

 

Vai lá…

Tenta de novo…

Bebe…

Volta aqui…

Usa e abusa

Goza aos montes de verdade

E depois finge que esquece.

fingir