Mergulho

Do meu orgulho me dispo,
Mas não sem antes fulminar
Com a fúria enlouquecida de meus dentes,
O que com um reles e vadio olhar
Não antes rasguei da tua roupa.

Não percebes que ficaste nua na mesa?
Não percebes que tua calcinha ficou pelo chão?

És o molho e a calda,
A refeição e a sobremesa.

FODA-SE TUDO!
FODAM-SE TODOS!

Fodamos nós…
A sós…
Ou sobre a mesa
Sobrecoxa
Sobre tuas coxas
Sobremaneira!

PORRA!!!

O teu gozo é a ladeira
Para o infinito.

Eu grito!
Eu urro!
Entre nós
Não há muros.

Eu só vivo
E só quero –
Exatamente –
Tudo do que em ti
E em mim mais ainda
Mergulho.

A maré

Ele a amava de forma tão absoluta

Que ela nunca o entendeu

É que ela não precisava ser amada assim

E foi o que ele nunca percebeu

 

Quanto mais profundo o mergulho

Quanto mais alto o vôo

Maiores os riscos

E há quem diante destes fique arisco

 

Há quem precise de profundidade

Há quem precise de altura

Mas também há quem precise

Simplesmente de nenhuma fartura

 

Aos olhos dela, ele é um louco

Aos olhos dele, ela também é

Estar no controle ou perder o controle?

Vida alta ou baixa como a maré.

A+medida+do+amor