Água

O dia nublado não me impediu de andar. O suor escorria pela minha face e fazia com que meus olhos queimassem como se estivessem literalmente em chamas. Sede. Máscara. Quiosques fechados. O calçadão da Praia de Icaraí definitivamente havia mudado. “Até quando? Será que algum dia tudo será como antes?”, eu me perguntava, e entretido nessas e em outras tantas perguntas, muitas delas sem resposta, eu continuava a andar.

Sem me dar conta, percorri 12 Km. Andar é meu vício. Acabei ficando com sede. Eu precisava beber alguma coisa. Água de coco era o meu desejo, mas onde comprar? Fui até uma lanchonete só para me dar conta que havia esquecido meu cartão de crédito em casa. “Merda!”, pensei. E agora?

O prédio dela era do outro lado da rua, mas aparecer sem avisar parecia arriscado. Resolvi usar meu telefone celular para cumprir o seu propósito original: telefonar.

– Sabe o que é? Estou com sede e em frente a sua casa. Esqueci meu cartão de crédito em casa… – disse eu meio sem jeito, só para ser interrompido.

– O velho golpe do cartão de crédito… Deixa de frescura e sobe! – disse ela às gargalhadas. Não me contive e ri também. Inevitável.

Entrei no elevador e me dei conta que, além de tudo, estava completamente descabelado, mas enfim… Já não tinha mais jeito. Eu precisava mesmo era de algo para beber e com certeza também de um banho! Tinha me esquecido desse “detalhe”.

Toquei a campainha e esperei um pouco. Nada dela atender. Toquei de novo, e percebi que a porta estava entreaberta. Novamente me flagrei no ritual do tirar o tênis, tirar a máscara, passar álcool em gel nas mãos, deixar o álcool em gel cair no chão, deixar o telefone cair no chão, passar álcool em nas mãos novamente… Essa pandemia realmente tinha deixado o básico do elementar muito mais difícil.

Entrei procurando-a. Ela me deu um susto! Estava atrás da porta, sorrindo, enrolada em uma toalha branca.

– Eu estava indo tomar banho quando você me ligou. Está aqui sua água. – disse-me ela com um sorriso aberto, enquanto estendia sua mão para me oferecer um copo cheio de água gelada. Uma mulher linda, me oferecendo um copo de água enrolada na toalha… Miragem no meio do deserto? Não. Era real. Estava acontecendo.

– Não quero atrapalhar… Vá lá tomar seu banho. – falei enquanto mirava o teto, completamente maravilhado com o prazer de um simples copo d’água.

E, de repente, ela cutucou minhas costas. Não disse nenhuma palavra. Apenas me cutucou. E quanto eu me virei para trás, não havia mais toalha. Ela estava nua. O sorriso continuava estampado em seu rosto. Apenas me estendeu a mão e disse:

– Estranha coincidência… Parece que você também está precisando de um banho! – e foi me guiando até o banheiro, enquanto eu reparava nas suas curvas. Havia um gingado, um algo diferente. Ela é muito sensual. Eu tenho certeza de que ela tem certeza disso.

Fui me despindo sem pressa. Ela dentro do box, de porta aberta, já com parte do corpo molhado, e eu em busca de uma pasta de dentes ou algo assim. Havia Listerine em cima da pia! Minha salvação! Ela riu alto com meu gesto inusitado.

– Sempre pensando nos detalhes… – ela me disse ao me puxar para dentro do box.

– Mas não são os detalhes que fazem toda a diferença? – respondi já com minhas mãos passeando pelo seu corpo. A resposta dela foi breve e veio no pé do meu ouvido, quase que como uma confissão:

– Safado…

O banho não foi muito rápido. Até porque começou como banho e virou algo mais. Muito mais. E continuou no quarto, o que eventualmente nos levou de volta para o banheiro, para só então irmos para a sala. Terminei como cheguei: com sede. Tive que pedir outro copo d’água.

Decidimos também pedir uma pizza. Eu efetuei o pedido por um aplicativo. Obviamente, a sacana teve que me perguntar se eu iria dizer novamente que esqueci o cartão de crédito em casa para ela pagar a pizza… Tivemos uma crise de risos. Foi difícil, mas conseguimos escolher a pizza: Zucchine.

Arrumamos a mesa (mentira – ela arrumou), e foi o tempo certinho da pizza chegar. Falamos sobre a vida, sobre alguns de seus processos, sobre minha vida louca de consultor, e não pude deixar de perceber o quão atenta ela estava ao que eu dizia. Ela fazia questão de ouvir palavra por palavra. E eu pagava na mesma moeda, claro, até porque ela realmente falava coisas muito interessantes. Não era um favor ouvi-la. Ela é uma especialista na sua área de atuação.

– Escuta… Você me diverte, sabia? Você vai do papo descontraído ao sério em segundos… Me olha nos olhos. Fala com desenvoltura. Você é bem diferente do que se encontra no mercado… – disse ela com um sorriso disfarçado.

– Sinceramente? Há muitos como eu. É só saber onde procurar… – disse eu diante de tantos elogios explícitos, quase que sem graça.

– Esse tipo de coisa a gente não procura. A gente simplesmente acha. – E me deu uma piscada enquanto se levantava para levar os pratos até a pia, usando apenas uma camiseta branca de algodão. Básica. Chique. Na dela.

Fiz questão de lavar os pratos (odeio lavar louça!). Fomos para o sofá. Barriga cheia, uma brisa agradável. Ela queria terminar de ver Dark, e eu já tinha desistido da série há tempos! Não disse isso, claro. Apenas adormeci na base do cafuné.

Antes de ir embora, tomamos um café. Ela acabou confessando que Dark a estava deixando entediada, mas que “iria ver até o final para poder criticar com propriedade”.

Perguntei se ela queria mais pizza. Eu queria. Enquanto eu esperava o Uber, peguei mais uma fatia com uma toalha de papel. Antes de sair, dei um abraço demorado e um beijo nela, e perguntei:

– Se eu tiver sede novamente, sem cartão de crédito, perto de sua casa, posso voltar outro dia?

– Sede ou fome. Eu sou muito caridosa! – e explodimos em uma gargalhada que ecoou pelos corredores do edifício.

Coisas que aprendi

  • Nada do que eu tenho é verdadeiramente meu. Isso inclui a família, amores, amigos, bens materiais e até mesmo meu corpo, minha vida. Tudo me foi emprestado pelo universo e pode ser retirado de mim a qualquer momento. A única exceção para essa regra são meus sonhos e os momentos que vivi, posto que fazem parte das minhas memórias, da minha alma, da minha essência.
  • Não faço nada esperando algo em troca.
  • Não julgo, mas tenho opinião. Estou sempre aberto ao diálogo, independentemente de quaisquer circunstâncias.
  • Não culpo. Os desafios da vida dos outros merecem e devem ser respeitados.
  • Não me vendo.
  • Tento sempre surpreender. Não quero ser mais um na multidão.
  • Quem eu amo, eu amo de verdade.
  • Acredito que expectativas geram frustrações. Não espero nada de nenhuma situação. Reajo com naturalidade diante de qualquer resultado.
  • Nem sempre entendo o que acontece. Quando não consigo encontrar uma razão, aguardo, espero. A vida é feita de múltiplas páginas e capítulos.
  • Desapeguei-me de tudo e de todos. Amo incondicionalmente, na certeza de que amar é a minha própria recompensa.
  • O que for meu virá em minha direção sem que eu tenha que fazer força. Se tiver que forçar, é porque não é meu. Não se trata de não lutar por aquilo em que acredito, mas de saber que para tudo há um limite.
  • O medo é uma faca de dois gumes. Para os sábios, é uma chance de pensar na melhor maneira de lidar com uma situação. Para os tolos, uma justificativa para nada fazer.
  • Perdôo sempre e incondicionalmente. Entretanto, não permito que minha capacidade de perdoar seja confundida com permissividade.
  • Jamais me vingo ou penso que a vida irá vingar-se por mim. Cubro quem o feriu com o manto do perdão.
  • Sou paciente, mas sou sujeito ativo de minha história. Sou o único responsável pela minha felicidade.
  • Sou forte com os impiedosos e covardes. Doce com os humildes, com os que precisam de ajuda.
  • Procuro ser o porto seguro na vida das pessoas.
  • Amo-me e não aceito ser backup ou opção na vida de ninguém.
  • Dou importância a quem me dá importância.
  • Não culpo os outros pelas minhas escolhas. Boas ou ruins, eu assumi o risco.
  • Confio em atitudes. Nunca em palavras.
  • Medito. Penso sobre meus problemas. Aprendi a confiar na minha intuição.
  • Espero o momento certo, mas não espero para sempre.
  • Sou bom, mas não perco um segundo que seja provando isso para ninguém.
  • Sou disciplinado e estou preparado para alcançar aquilo que desejo. Grandes recompensas advém de grandes esforços.
  • Mostro o caminho para quem precisa de ajuda, mas lembro-me sempre que o caminho dos outros não pode ser trilhado por mim.
  • Sorrio sempre. Esse é o meu ângulo mais bonito para as fotos e para a vida.
  • Depressão é excesso de passado. Ansiedade é excesso de futuro. Vivo o presente. É só ele que importa.
  • Estou por inteiro em toda e qualquer situação.
  • Não deixo que as atitudes dos outros mudem a minha essência. Minhas atitudes são o que me definem.
  • Faço pelos outros e para os outros aquilo que gostaria que fosse feito por e para mim.
  • Não finjo ser o que não sou por motivo algum.
  • Não preciso ser aceito. Eu me aceito.
  • Sou único, cheio de qualidades e defeitos. Valorizo-me e justamente por isso mudo o que considerar inadequado.
  • Nunca nego nenhum tipo de sentimento, seja ele positivo ou negativo. Vivo-os intensamente. Todo sentimento traz lições importantes.
  • Arrependo-me. Peço perdão. Faço isso de coração, mas não espero que se sensibilizem com minha mudança.
  • Agradeço por tudo. A vida é um eterno aprendizado. Cada pequena interação é uma chance de aprender algo novo.
  • Vivo intensamente. O tempo não para e a vida é muito curta. Transformo meus sonhos em realidade.
  • Não temo a morte. Temo não viver a vida.
  • Estou sempre disposto a aprender e a mudar de opinião se necessário for.
  • A vida é uma montanha russa. Estou aqui de passagem, e é melhor aproveitar ao máximo essa viagem. Há beleza e ensinamentos nos altos e baixos da vida.
  • Para cada porta que se fecha, milhares de outras se abrem. O universo conspira a meu favor. Portanto, não olho apenas em uma direção. Aquilo que desejo pode estar em uma direção diferente da que estou focando.

P.S.: Não tenho dúvidas do que outros, muito mais sábios do que eu, já disseram tudo isso antes de mim. Entretanto, achei importante compartilhar.

 

Só um instante

Lembra daquela fração de segundo

Daquele momento acordante?

 

Lembra do que aconteceu

E do que éramos antes?

 

Veja agora o que somos…

Bastou só um instante

Para gerar busca eterna

Vontade quase que incapacitante

Inquietante

Gritante

Comichão alucinante!

 

Bastou só um instante

Um eterno

Um indestrutível

Um incurável

Um indestrutível

Um inesquecível

Um insubstituível

Instante.

frase-a-alma-e-uma-borboleta-ha-um-instante-em-que-uma-voz-nos-diz-que-chegou-o-momento-de-uma-rubem-alves-114654.jpg

Anagnórise – Face a Face

Parte I

 

Politomia: palavras, sentimentos, indagações

Pilares de sustentação do porvir

 

No vôo torto daqueles

Que querem

Que desejam

Que perguntam

Que questionam…

 

Buscam-se

Acham-se

Perdem-se

Encontram-se

Tocam-se

Devoram-se

Repelem-se

Atraem-se

Riem

Choram

Lamentam

Contemplam

É chegado o derradeiro

Momento

 

Não há fuga possível

Não há clemência

Não há coup de grâce

Há confronto

Há enfrentamento

Há tempestade

Há tormento!

 

Tudo acontece tão rápido

Ao ponto do futuro

Já ter se passado

As palavras

Os sentimentos

As indgações

Inundam

Fervilham

Borbulham

E aumentam!

 

São muitas

Todas as coisas

São brutas

Precisam de luz

Feito mariposas

E rodopiam

Pois eis que não havia

Plano de vôo algum!

 

Os cheiros

Os gostos

A textura

O calor

O suor –

DESEJOS –

Tudo desesperador!

Tudo queima!

Tudo tem rubor!

 

Tortura

Comichão

Sem nenhum pudor

A culpa

A desculpa

Longa metragem

Insuportável terror!

 

E nessa politomia

De vidas nada vazias

Chega o sono…

E vai-se logo em seguida

Medo da noite

Brutal açoite

Nenhuma alforria!

 

O teto não fornece respostas

E nem mesmo poesias

Logo logo chegam

Os primeiros sinais do dia

Que iluminam

A cama vazia

Abarrotada de

100 milhões

De tons cinzentos

Sem nenhuma anestesia.

casaval1

Navegação