Em mim

– Se tu me amas, oferece AGORA o que de mais valioso tu tens!

– Mas já estou oferecendo!

– Como assim? Não vejo ouro, prata, diamantes… Do que falas, afinal?

– Ah! Minha amada… Falo do que não podes ver! Falo do intangível, do impalpável, do impagável, do imperecível! Falo do ouvido atento, dos beijos que te dei em pensamento… Falo dos abraços que inquestionavelmente e incondicionalmente te abraçam, da saudade que transformo em prece ou em ode pela tua vida, pela tua felicidade… Falo do que faço quando não estou diante de ti ou mesmo diante dos que nem sabem que tu existes… Falo da minha existência, da minha consciência e de tudo – de todas as coisas – que me fazem ser teu… Falo de um amor que transcende tempo e distância, de uma vida que, mesmo sendo minha, também é tua… Falo dos sonhos, que tenho por ti e por mim… Falo dos sorrisos que me roubas sem saber que o fazes… Falo do desejo e do fogo que aquecem meu corpo, das fantasias que só podem ser realizadas por ti… Falo de eu te achar a mais linda de todas, ao ponto de achar que as outras sequer existem… Falo do tempo que nunca mais volta, e de todas vezes que, diante das maiores tempestades e infortúnios, eu conscientemente te escolhi… Falo de mim, como se eu fosse parte de ti… Ah! Minha amada… Isto é tudo que tenho para te oferecer, e falo com meu peito aberto e meu coração em tuas mãos. Eu te amo. Esse é o ouro, a prata e os diamantes que tenho a oferecer.

Culto do “Eu”

Em geral, aqueles que acreditam que as pessoas e os fatos orbitam a sua volta, no entorno do “eu”, costumam se dar conta de que um “nós” é possível apenas quando este já não existe ou perdeu o sentido de existir.

800px-Narcissus-Caravaggio_(1594-96)_edited

Sincronicidade

Eu estive nas entranhas do seu corpo

Quis o destino que nossos sonhos

De carne e osso

Se materializassem

E criassem esse grande colosso

 

Do que falo?

Repare no seu corpo enquanto falo

Repare no meu corpo enquanto falo

Não é controlável

Não é domável

É selvageria de dar gosto

 

Como é quando se lembra de mim

E não estou por perto?

Eu sei… Parece loucura

Mas essa sincronicidade

Sem limites

É brutalmente real

Como dentro, assim fora

Assim aflora

Ora lógica difusa

Ora lógica nítida

Ora réu que a todos acusa

 

No lugar de nossos arquétipos

Desejos e sonhos reais

Manifestação de seres racionais

Que descobriram que o descoberto

Não era suficiente, pelo contrário

Os deixava inquietos, boquiabertos

Deliciosamente incertos

Na busca do que transcende ao eu

E os sublima em nós

Quando estamos a sós

Diante de nós mesmos

 

Quem é o comandante desta nau?

Entenda… Não há comando

Esse é o desafio

Estamos à mercê do vento

Eufemismo dos nossos pensamentos

Que se revelam em segredo

Quer seja no início do dia

Quer seja no meio da noite

Sabemos como desenrola-se tal enredo

 

Inapropriadamente perfeitos

Inadvertidamente direitos

Pura e perfeita confissão

Somos tempestade, raio e trovão

Desejo, amor e paixão

Existimos somente na nossa sanidade

Que faz questão absoluta de emergir

Para nos mostrar que nunca

Absolutamente nunca

É tarde para existir.

sincronicidade

A seu lado

Nem em uma vida inteira

Serei capaz de contar

Todos os detalhes

De um segundo vivido

A seu lado

 

Eu me lembro bem

O tempo parava…

 

Pena que o tempo

Não parava

De verdade

Só nós éramos

De verdade

Só nós somos

De verdade

Só nós

A verdade

 

Hoje

Sinto falta do tempo

Que eu não senti

Que passou

Quando eu estava

A seu lado

 

Que o tempo

Devolva-se

E devolva-me

E devolva-te

E devolva-nos:

Esse tempo é nosso.

hamburguer-madero