7 – Orgulho

Sim!

Tenho muito orgulho de mim

 

Não

Eu não mereço tratamento especial

E não me vanglorio do que já fiz

Mas dentro do meu coração

Bem lá dentro

Tenho orgulho do que sou e do que já vivi

 

Não esmoreço

Nunca esmoreci

 

Diante do ódio

Levei o amor

Diante da discórdia

A união

Nem de longe

Um São Francisco de Assis

Apenas mais um na multidão

Tentando encontrar seu caminho

 

E essa minha fé gigante

Tamanha

Em Deus

Na vida

É meu escudo para ser

Muito mais forte do realmente que sou

 

Gosto disso:

De ser como sou

De saber que sempre lido com a verdade

Em busca da felicidade

Minha e dos outros

Eu sou assim!

 

E de vez em quando fraquejo…

Meus olhos lacrimejam

Meu coração dói

Minha alma também…

 

É esse o preço

De quem nasceu do avesso

Visceral

Para não morrer

Até mesmo depois do fim.

maxresdefault

1 – Gula

2 – Avareza

3 – Luxúria

4 – Ira

5 – Inveja

6 – Preguiça

7 – Orgulho

Motivo de orgulho

Como poeta amador, de vez em quando consigo criar algo que consegue resistir as minhas críticas mais ferrenhas.

É o caso de uma estrofe de uma poesia chamada Maldade. Sem perceber, meio que na base da tentativa e erro, acabam surgindo versos atemporais. E sim, isso dá muito orgulho.

Saudade,
Sim! Muita saudade,
De tudo o que fomos,
Pois o que somos,
É pouco, muito pouco,
Quando dizemos que o amor está morto,
Muito antes dele morrer.

Que Deus me permita ainda criar muitos versos como esse! Fica a sensação de dever cumprido. E que assim seja.

Cova rasa vermelha

Ao fundo ouço os gritos

São de falta de esperança

Sei que não são de dor ou fome

Eles não saberiam gritar por isso

Nunca deixaram de sentir dor

Nunca deixaram de sentir fome

Não conhecem o oposto disso

 

E na carência ou ausência de tudo

Eis que surge este deus imundo

Que lhes faz promessas sem dó

Esse ser infernal

Que coaduna todo o mal

Não é nem de longe Lúcifer

Mas se acha mais que o tal

 

De vermelho, acena destemido

Sabe que depende do sangue

De quem jura defender

Mas em seguida os fazer morrer

Pois são mero mal necessário

 

E no meio dessa lambança

Onde está de fato Deus?

Leva para longe essa praga

Que assola os filhos teus!

 

E Deus, em seu tempo, responde…

 

Em vermelho, agonizará pela eternidade

E nem mesmo no inferno

Terá a sua imortalidade

Pois nem Lúcifer o quer por lá

 

Será no meio dos que gritam

Em praça pública, nas ruas

Diante dos mesmos que quis

Sempre quis

Enganar

 

Será lembrado para sempre

Pelos que contra ele lutaram

Como adversário covarde

Puto, imbecil, salafrário

Sindicado será por Nosso Senhor

Que não quer cargos ou salários!

 

Quero ver a tal coragem

Quando do fundo da sua alma

For extirpado seu orgulho

E seu nome, feito entulho

For depositado em uma

Cova rasa.

index