7 – Orgulho

Sim!

Tenho muito orgulho de mim

 

Não

Eu não mereço tratamento especial

E não me vanglorio do que já fiz

Mas dentro do meu coração

Bem lá dentro

Tenho orgulho do que sou e do que já vivi

 

Não esmoreço

Nunca esmoreci

 

Diante do ódio

Levei o amor

Diante da discórdia

A união

Nem de longe

Um São Francisco de Assis

Apenas mais um na multidão

Tentando encontrar seu caminho

 

E essa minha fé gigante

Tamanha

Em Deus

Na vida

É meu escudo para ser

Muito mais forte do realmente que sou

 

Gosto disso:

De ser como sou

De saber que sempre lido com a verdade

Em busca da felicidade

Minha e dos outros

Eu sou assim!

 

E de vez em quando fraquejo…

Meus olhos lacrimejam

Meu coração dói

Minha alma também…

 

É esse o preço

De quem nasceu do avesso

Visceral

Para não morrer

Até mesmo depois do fim.

maxresdefault

1 – Gula

2 – Avareza

3 – Luxúria

4 – Ira

5 – Inveja

6 – Preguiça

7 – Orgulho

Só amor

Queria eu que fosse só bobagem

Queria eu que fosse só capricho

Queria eu que fosse só orgulho

Queria eu que fosse só poesia

Queria eu que fosse só barulho

 

Queria eu que não fosse

 

Só amor.

ate-que-a-morte-nos-separe.jpg

Anagnórise – Redenção

Parte V

 

Razão e coração discutem

Soberbos de seus motivos

Dependendo do ângulo que se olha

Tudo parece relativo

 

Já não havia mais lágrimas

Para chorar

Discursos ou palavras

Para dizer

Restou a lógica ilógica

A razão irracional

Mas o sentimento…

Este permanece como tal

 

E no anseio por respostas

Afastam-se deliberadamente

Como se distância importasse

Para dois corações que se sentem

 

Não há mágoa ou raiva

Apenas uma grande frustração

Por saber que se pode muito mais

Por saber o quanto é ineficaz

Tentar controlar o incontrolável

Tentar viver a mentira

Tentar encontrar motivos

Que transformem amor em ira!

 

Faltou dizer ao tal casal

Que mesmo não sendo

Vive e sente como tal

Que o amor não é uma escolha

Que não morre se repreendido

Que não desaparece se econdido

Pelo contrário!

Ele contra-ataca

É guerreiro tenaz

Presente de Deus

Que a Deus satisfaz

É o amor que nos escolhe

Nada mais

 

E com a alma dorida

E nas mãos o coração

Navegam pela cidade

Em busca de solidão

 

Mas que inimigo é este

Que só bençãos trás?

Responda-me se for capaz

De raciocinar para mentir

 

Que inimigo é este

Que feito fogo nos consome?

Apogeu da mulher e do homem

Que se escolheram para sentir

 

E já conformados

Fracos

Desiludidos

Guiados por anjos

Transbordam grande grito!

E se livram de orgulhos

Barulhos

Entulhos

Ferrolhos

Alhos

Bugalhos

E aceitam-se, sim!

Não há como decretar o fim

Do que só tem começo

 

E sem saber o que dizer

Abraçam-se

Enlaçam-se

Amassam-se

E sentem a dimensão

Do que fugiram até então

E na profusão

De todo tipo de sentimento

Consentem-se

Permitem-se

Por Deus!

Magnânimo coração

Ponderada

Empoderada

Multisciente razão!

Entendam-se agora

Eis que chegou a hora!

Abrem-se as cortinas

Estão neles

As luzes da ribalta

 

E trocam lágrimas

Beijos

Confessam e realizam

Desejos

E humildente

Reconhecem:

Coração e razão

Não competem

Completam-se

A paz

A felicidade

Se faz sentir

Juntos

Aquecem-se

 

E emocionam

O tal anjo

Que sem querer

Por breve período

Os invejou

Este casal se merece

Dos filhos seus

Deus não se esquece

Missão cumprida

O amor promovido

Ao mais alto grau

Da escala Richter

Sem causar nenhum

Tipo de destruição

Só amor

Amor…

Amor…

Sem fim…

Enfim…

Foi encontrada a razão

Dentro do coração

Há de fato razão

Nas coisas do coração.

redenção

Navegação

 

Motivo de orgulho

Como poeta amador, de vez em quando consigo criar algo que consegue resistir as minhas críticas mais ferrenhas.

É o caso de uma estrofe de uma poesia chamada Maldade. Sem perceber, meio que na base da tentativa e erro, acabam surgindo versos atemporais. E sim, isso dá muito orgulho.

Saudade,
Sim! Muita saudade,
De tudo o que fomos,
Pois o que somos,
É pouco, muito pouco,
Quando dizemos que o amor está morto,
Muito antes dele morrer.

Que Deus me permita ainda criar muitos versos como esse! Fica a sensação de dever cumprido. E que assim seja.

Cova rasa vermelha

Ao fundo ouço os gritos

São de falta de esperança

Sei que não são de dor ou fome

Eles não saberiam gritar por isso

Nunca deixaram de sentir dor

Nunca deixaram de sentir fome

Não conhecem o oposto disso

 

E na carência ou ausência de tudo

Eis que surge este deus imundo

Que lhes faz promessas sem dó

Esse ser infernal

Que coaduna todo o mal

Não é nem de longe Lúcifer

Mas se acha mais que o tal

 

De vermelho, acena destemido

Sabe que depende do sangue

De quem jura defender

Mas em seguida os fazer morrer

Pois são mero mal necessário

 

E no meio dessa lambança

Onde está de fato Deus?

Leva para longe essa praga

Que assola os filhos teus!

 

E Deus, em seu tempo, responde…

 

Em vermelho, agonizará pela eternidade

E nem mesmo no inferno

Terá a sua imortalidade

Pois nem Lúcifer o quer por lá

 

Será no meio dos que gritam

Em praça pública, nas ruas

Diante dos mesmos que quis

Sempre quis

Enganar

 

Será lembrado para sempre

Pelos que contra ele lutaram

Como adversário covarde

Puto, imbecil, salafrário

Sindicado será por Nosso Senhor

Que não quer cargos ou salários!

 

Quero ver a tal coragem

Quando do fundo da sua alma

For extirpado seu orgulho

E seu nome, feito entulho

For depositado em uma

Cova rasa.

index