Oi, Lua!

A Lua acende a noite

E eu em busca de respostas

Para perguntas que eu nunca fiz

 

Sinto saudades de algo novo

Diferente de tudo que já vivi

E que não se acabe na melancolia

De uma sofrida taça de vinho

 

Sinto-me vivo

Muito, muito vivo

E vazio, inteiramente vazio

Lembrando-me do que eu nunca fui

 

Mas também sei

Que é justamente nesses momentos taciturnos

Enquanto bebo água do fundo do poço

É que vou reinventar o meu existir

 

E nem é tão ruim assim…

A dor é amiga e companheira

É fim e também o início

De tudo que ainda está por vir

 

A Lua acende a noite

E a Lua está linda…

Como antes eu nunca a vi.

maria-te-viu-frases-falar-com-a-lua

Coisas que aprendi

  • Nada do que eu tenho é verdadeiramente meu. Isso inclui a família, amores, amigos, bens materiais e até mesmo meu corpo, minha vida. Tudo me foi emprestado pelo universo e pode ser retirado de mim a qualquer momento. A única exceção para essa regra são meus sonhos e os momentos que vivi, posto que fazem parte das minhas memórias, da minha alma, da minha essência.
  • Não faço nada esperando algo em troca.
  • Não julgo, mas tenho opinião. Estou sempre aberto ao diálogo, independentemente de quaisquer circunstâncias.
  • Não culpo. Os desafios da vida dos outros merecem e devem ser respeitados.
  • Não me vendo.
  • Tento sempre surpreender. Não quero ser mais um na multidão.
  • Quem eu amo, eu amo de verdade.
  • Acredito que expectativas geram frustrações. Não espero nada de nenhuma situação. Reajo com naturalidade diante de qualquer resultado.
  • Nem sempre entendo o que acontece. Quando não consigo encontrar uma razão, aguardo, espero. A vida é feita de múltiplas páginas e capítulos.
  • Desapeguei-me de tudo e de todos. Amo incondicionalmente, na certeza de que amar é a minha própria recompensa.
  • O que for meu virá em minha direção sem que eu tenha que fazer força. Se tiver que forçar, é porque não é meu. Não se trata de não lutar por aquilo em que acredito, mas de saber que para tudo há um limite.
  • O medo é uma faca de dois gumes. Para os sábios, é uma chance de pensar na melhor maneira de lidar com uma situação. Para os tolos, uma justificativa para nada fazer.
  • Perdôo sempre e incondicionalmente. Entretanto, não permito que minha capacidade de perdoar seja confundida com permissividade.
  • Jamais me vingo ou penso que a vida irá vingar-se por mim. Cubro quem o feriu com o manto do perdão.
  • Sou paciente, mas sou sujeito ativo de minha história. Sou o único responsável pela minha felicidade.
  • Sou forte com os impiedosos e covardes. Doce com os humildes, com os que precisam de ajuda.
  • Procuro ser o porto seguro na vida das pessoas.
  • Amo-me e não aceito ser backup ou opção na vida de ninguém.
  • Dou importância a quem me dá importância.
  • Não culpo os outros pelas minhas escolhas. Boas ou ruins, eu assumi o risco.
  • Confio em atitudes. Nunca em palavras.
  • Medito. Penso sobre meus problemas. Aprendi a confiar na minha intuição.
  • Espero o momento certo, mas não espero para sempre.
  • Sou bom, mas não perco um segundo que seja provando isso para ninguém.
  • Sou disciplinado e estou preparado para alcançar aquilo que desejo. Grandes recompensas advém de grandes esforços.
  • Mostro o caminho para quem precisa de ajuda, mas lembro-me sempre que o caminho dos outros não pode ser trilhado por mim.
  • Sorrio sempre. Esse é o meu ângulo mais bonito para as fotos e para a vida.
  • Depressão é excesso de passado. Ansiedade é excesso de futuro. Vivo o presente. É só ele que importa.
  • Estou por inteiro em toda e qualquer situação.
  • Não deixo que as atitudes dos outros mudem a minha essência. Minhas atitudes são o que me definem.
  • Faço pelos outros e para os outros aquilo que gostaria que fosse feito por e para mim.
  • Não finjo ser o que não sou por motivo algum.
  • Não preciso ser aceito. Eu me aceito.
  • Sou único, cheio de qualidades e defeitos. Valorizo-me e justamente por isso mudo o que considerar inadequado.
  • Nunca nego nenhum tipo de sentimento, seja ele positivo ou negativo. Vivo-os intensamente. Todo sentimento traz lições importantes.
  • Arrependo-me. Peço perdão. Faço isso de coração, mas não espero que se sensibilizem com minha mudança.
  • Agradeço por tudo. A vida é um eterno aprendizado. Cada pequena interação é uma chance de aprender algo novo.
  • Vivo intensamente. O tempo não para e a vida é muito curta. Transformo meus sonhos em realidade.
  • Não temo a morte. Temo não viver a vida.
  • Estou sempre disposto a aprender e a mudar de opinião se necessário for.
  • A vida é uma montanha russa. Estou aqui de passagem, e é melhor aproveitar ao máximo essa viagem. Há beleza e ensinamentos nos altos e baixos da vida.
  • Para cada porta que se fecha, milhares de outras se abrem. O universo conspira a meu favor. Portanto, não olho apenas em uma direção. Aquilo que desejo pode estar em uma direção diferente da que estou focando.

P.S.: Não tenho dúvidas do que outros, muito mais sábios do que eu, já disseram tudo isso antes de mim. Entretanto, achei importante compartilhar.

 

Mantendo o foco

Menos foco no que você é

(ou acha que é)

Mais foco no que você quer ser

(ou já é e não se deu conta)

 

Less focus on what you are

(or on what you think that you are)

More focus on what you want to become

(or on what you are already and haven’t realized yet)

cat-looking-in-mirror-sees-lion_thumb[1]

Save

Meninando

Menino sentado no muro

Vivendo o futuro

Antes que ele aconteça

 

Os pés descalços

As mãos para o alto

Tentando pegar uma estrela

 

E agora que virou adulto

É só mais um vulto

Tentando meninar

E revivendo o passado

Antes que desaconteça.

94c98jato

Semeando…

E de repente

Sem querer se sente

Que só há espaço na mente

Para qualquer dia quente

Onde haja somente

Você e eu

 

E que isso não fique para semente

Mesmo nesse mundo discrente

O amor não está ausente!

Há felicidade dormente

Futuro, passado, presente

Você e eu.

frases-nada-floresce-sem-sementes-290x186

Ferrari

Não se ensina alguém a dirigir em uma Ferrari. De forma análoga, o universo só nos apresenta algo novo e melhor quando estamos preparados para isso. Portanto, é fato que durante nossas vidas, sobretudo na medida em que alcançamos um nível de consciência mais elevado, só conheceremos sensações e sentimentos mais profundos e sublimes depois de gradativas e contínuas experiências, que podem durar dias ou anos. Vai depender do aluno. Vai depender da experiência.

Não há, entretanto, como se falar que o passado não prestou ou não nos serviu. Somos o produto de nossas história, de erros e acertos, que nos levaram a ser o que somos hoje. E se hoje estamos em um nível de consciência mais elevado, é natural que experiências mais adequadas e propícias apareçam.

Dirigir uma Ferrari pode dar medo. É natural. Há muito o que se aprender antes de se ter domínio sobre esta maravilha. Entretanto, como seria se não tivessemos medo? Como seria se nos achassemos completamente aptos a guiar a Ferrari da mesma forma que guiamos um Gol 1000? Sem dúvida alguma, seria o fim da linha. Nos acabaríamos na primeira curva, sendo o carro bom ou não. Estragaríamos uma oportunidade única por não estarmos preparados para ela.

E nessa analogia tosca, por pura falta de alguma idéia melhor, é chave entendermos que o passado, ou seja, nossas experiência anteriores, bem como o medo, tem papel fundamental em nossas vidas. Sem eles, seríamos loucos suicidas. Simples assim.

Que fique claro, entretanto, que nem o nosso passado e nem nosso medo devem ser vistos como limitadores do que podemos e queremos ser. Ter a oportunidade e não aproveita-la é como dizer não para o universo de infinitas possibilidades que se apresenta que se apresenta quando estamos prontos. É como reconhecer que há de fato algo melhor e maior reservado, mas que será sumariamente ignorado, quer seja por capricho, por costume, ou por qualquer outro motivo menos nobre.

Quando a Ferrari aparecer na sua vida, encare-a, sinta-a. Abandone sua zona de conforto. Ela limita por completo a sua capacidade de ser feliz. Não desperdice suas chances.

Se beber, não dirija.

kolaborativa-divulga-medo.png